Respeitem meus cabelos, brancos: música, política e identidade negra

  • Felipe da Costa Trotta UFF
  • Kywza J. F. P. dos Santos UFPE
Palavras-chave: Música popular, identidade negra, Chico César

Resumo

A música popular é um artefato midiático através do qual são negociados socialmente pensamentos, valores, ações e estratégias de identidade individual e coletiva. Neste artigo, analisaremos as nuances discursivas que integram a canção Respeitem meus cabelos, brancos, de Chico César. Parte-se da hipótese de que por trás de um discurso militante e acusatório revelam-se diversas ambiguidades discursivas que integram a posição do autor sobre identidade negra. Os debates atuais sobre racismo acionam um posicionamento dicotômico (brancos x negros), presente na letra, mas relativizado pela ironia do uso não ortodoxo do reggae, pela ambiguidade da capa do CD, pela indefinição tonal e pelo criativo uso da vírgula, que condensa toda uma gama de deslocamentos interpretativos, contribuindo densa e criticamente para o pensamento atual sobre negritude no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BLACKING, John. Music, culture and experience. Chicago, EUA: Chicago University Press, 1995.

CARVALHO, José Jorge de. Black music of all colors. Série Antropologia n. 145. Departamento de Antropologia da UnB. Brasília: Unb, 1993. Disponível em: http://vsites.unb.br/ics/dan/serie_antro.htm Acesso em: 15

jun. 2009.

COUTINHO, Eduardo. Velhas histórias, memórias futuras. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001.

FABBRI, Franco. A theory of musical genres: two applications. In: Horn, David; Tagg, Philip (Org.). Popular music perspectives. IASPM, Göteborg & Exeter, 1982.

FRY, Peter. O que a Cinderela Negra tem a dizer sobre a “política racial” no Brasil. Revista da USP, n. 28. São Paulo: EdUSP, p. 122-135, 1996.

GILROY, Paul. O Atlântico negro: modernidade e dupla consciência. São Paulo: Ed. 34, 2001.

GOMES, Nilma Lino. Sem perder a raiz. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.

HEBDIGE, Dick. Subculture: the meaning of style. Reino Unido: Routledge, 2009.

HOBSBAWM, Eric. História social do jazz. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

JANOTTI JUNIOR, Jeder. Música popular massiva e gêneros musicais. In: XV Compós, 2006, Bauru. Anais... Bauru: UNESP, 2006.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

MERCER, Kobena. Black hair/style politics. New Formations, Londres: Lawrence & Wishart, n. 3. p. 33-54, 1987.

ORTIZ, Renato. A diversidade dos sotaques. São Paulo: Brasiliense, 2008.

ROMMEN, Timothy. Protestant vibrations? Reggae, Rastafari and conscious Evangelicals. Popular music, Cambridge: Cambridge University Press, v. 25, n. 2, p. 235-263, 2006.

SANDRONI, Carlos. O feitiço decente. Rio de Janeiro: EdUFRJ/Zahar, 2001.

SANSONE, Livio. Negritude sem etnicidade. Salvador: EDUFBA, 2007.

SCHWARCZ, Lília M. Raça sempre deu o que falar [Prefácio]. In: Fernandes, Florestan. O negro no mundo dos brancos. São Paulo: Global, 2007.

SODRÉ, Muniz. Samba, o dono do corpo. Rio de Janeiro: Mauad, 1998.

SOVIK. Liv. Aqui ninguém é branco. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009.

TATE, Shirley. Black beauty. Inglaterra/EUA: Ashgate Publishing, 2009.

TITLER, Johathan. Approximately irony. Modern Language Studies, Reino Unido: Oxford University Press, v. 15, n. 2, p. 32-46, 1985.

Como Citar
Trotta, F. da C., & dos Santos, K. J. F. P. (2012). Respeitem meus cabelos, brancos: música, política e identidade negra. Revista FAMECOS, 19(1), 225-248. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2012.1.11350
Seção
Imagens