Narrativas digitais para uma aprendizagem significativa no Ensino Superior: qual a percepção dos estudantes?

  • Ernandes Rodrigues do Nascimento Faculdade Imaculada Conceição do Recife - FICR Grupo UBEC - União Brasileira de Educação Católica http://orcid.org/0000-0003-3683-6339
  • Fábio Leandro Melo Ramos dos Anjos Faculdade Imaculada Conceição do Recife - FICR Grupo UBEC - União Brasileira de Educação Católica
  • Karla Karina Oliveira Menezes Faculdade Imaculada Conceição do Recife - FICR Grupo UBEC - União Brasileira de Educação Católica
  • Gregório Batista Lima de Oliveira Faculdade Joaquim Nabuco - Olinda
Palavras-chave: Narrativas digitais, Metodologias ativas, Percepção dos estudantes, Aprendizagem significativa e colaborativa.

Resumo

Nos últimos anos, buscando desenvolver uma educação que atenda a demanda atual do mercado profissional, muito tem se falado sobre metodologias ativas, ensino híbrido, inovação no ambiente educacional, entre outros temas que nos remetem ao processo de ensino e aprendizagem. Mas, na literatura, pouco se encontra sobre a percepção dos estudantes do ensino superior em relação ao uso das metodologias ativas no processo de ensinagem. O estudante desse nível de ensino, em sua maioria, trabalha em parte do dia, cuida da família em outro momento e estuda em determinado turno, possuindo dezenas de ocupações e escassez de tempo. Para ele, deve-se maximizar sua aprendizagem no menor tempo possível, mesclando atividades presenciais e virtuais, mas evitando deixar excesso de atribuições acadêmicas fora do ambiente escolar, pois o mesmo não dará a devida atenção. A partir disso, torna-se importante conhecer a sua percepção sobre o uso de metodologias ativas de ensino, objetivo deste artigo. O presente trabalho buscou conhecer a percepção dos estudantes de graduação da rede particular de ensino sobre o uso de narrativas digitais para uma aprendizagem significativa. A partir de uma abordagem qualitativa, a pesquisa foi desenvolvida por meio de entrevistas individuais, grupo focal, diário de campo e observação, durante a realização de um curso de extensão universitária. Os resultados demonstraram a percepção dos estudantes em relação ao uso das narrativas digitais como metodologias ativas, destacando pontos positivos e suas objeções no tocante ao processo de ensino e aprendizagem, despertando novas inquietações e sugerindo que outras pesquisas sejam realizadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ernandes Rodrigues do Nascimento, Faculdade Imaculada Conceição do Recife - FICR Grupo UBEC - União Brasileira de Educação Católica
Vice-Diretor Acadêmico e Procurador Institucional.
Fábio Leandro Melo Ramos dos Anjos, Faculdade Imaculada Conceição do Recife - FICR Grupo UBEC - União Brasileira de Educação Católica
Secretário Acadêmico e Auxiliar Institucional
Karla Karina Oliveira Menezes, Faculdade Imaculada Conceição do Recife - FICR Grupo UBEC - União Brasileira de Educação Católica
Professora e Pesquisadora.
Gregório Batista Lima de Oliveira, Faculdade Joaquim Nabuco - Olinda
Coordenador de Unidade.

Referências

ALVES, T. P.; CARVALHO, A. B. G.; FREIRE, R. Cultura digital, redes sociais e narrativa transmidiática nos novos filmes de Star Wars. In: 5ª Conferência Internacional de Cinema de Viana. Viana do Castelo: Associação ao Norte, 2016. Disponível em:

http://www.aonorte.com/img/recursos/publicacoes/conferencia016.pdf. Acesso em: 10 out. 2017.

AMARAL, S. F. do; BARROS, D. M. V. Estilos de Aprendizagem no contexto educativo de uso das tecnologias digitais interativas. Disponível em:

http://lantec.fae.unicamp.br/lantec/pt/tvdi_portugues/daniela.pdf. Acesso em: 15 maio 2015.

ANASTASIOU, L. Processos Formativos de docentes universitários: aspectos teóricos e práticos. In: PIMENTA, S.; ALMEIDA, M. Pedagogia Universitária: caminhos para formação de professores. São Paulo: Cortez, 2011.

BACICH, L.; MORAN, J. Metodologias Ativas para uma Educação Inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018. Série: Desafios da Educação.

BACICH, L. NETO, A. T.; TREVISANI, F. de M. Ensino Híbrido: Personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

BATESON, G. MEAD, M. Balinese Character: a photographic analysis. Vol. 2. New York: New York Academy of Sciences, 1942.

BLIKSTEIN, P. Digital fabrication and ‘making’ in education: The democratization of invention. FabLabs: of machines, makers and inventors, 2013. p. 1-21.

CARVALHO, A. B. G. Documentário Finding our way: um olhar sobre a narrativa e as contribuições da antropologia visual no campo da Educação. In: ALVES, T. P.; CARVALHO, A. B. (Org.). Mídias digitais e mediações interculturais. Recife: Amazon, 2017.

DAVIDOFF, Linda L. Introdução à Psicologia. 30. ed. São Paulo: Makron Books, 2001.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. The SAGE Handbook of Qualitative Research. 4. ed. Thousand Oaks, CA: Sage, 2011.

DEWEY, J. Experience and education. New York: Touchstone, 1938.

HARSTORF, A. H.; CANTRILL, H. A. They Saw a Game. Abnorm. Soc. Psychol., n. 49, 1954.

FARIA, J. de S. Metodologia Ativa de Aprendizagem na Educação a Distância: Notas sobre a formação do professor. In: INOVA, 2015. Disponível em:

http://www.lantec.fe.unicamp.br/inova2015/images/trabalhos/artigos2/B3.pdf. Acesso em: 10 maio 2016.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. Porto Alegre: Bookman/Artmed, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. 39. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2009.

GEMIGNANI, E. Y. M. Y. Formação de professores e metodologias ativas de ensino-aprendizagem: ensinar para a compreensão. In: Fronteiras da Educação, Recife, v. 1, n. 2, dez. 2013. ISSN 2237-9703. Disponível em:

http://www.fronteirasdaeducacao.org/index.php/fronteiras/article/view/14. Acesso em: 10 maio 2016.

GIBBS, G. Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: Artmed, 2009.

JARVIS, P. Meaningful and meaningless experience: toward an analysis of learning from life. Adult Education Quarterly, v. 37, n. 3, Spring, 1987.

JENKINS, H. As competências necessárias na cultura dos novos media. In: BRITES, M. J.; JORGE, A.; SANTOS, S. C. (Ed.). Metodologias participativas: os media e a educação. Covilhã: LabCom Books, 2015. Disponível em:

http://www.labcom-ifp.ubi.pt/ficheiros/20150629-2015_10_metodologias_participativas.pdf. Acesso em: 10 out. 2017.

JENKINS, H. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2013.

KALENA, F. Uniamérica, em Foz de Iguaçu, passa por reformulação, inverte a sala de aula e deixa de dividir as turmas por períodos. In: PORVIR. 2014.

KOLB, D. Experiential learning. New Jersey: Prentice Hall, 1984.

LABAR KS, C. R. Cognitive neuroscience of emotional memory. Nat Rev, n. 7, p. 54-64.

LIMA, L. H. F. de. MOURA, F. R. de. O Professor no Ensino Híbrido. In: BACICH, L.; NETO, A. T.; TREVISANI, F. de M. Ensino Híbrido: Personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

LIVINGSTONE, S. Internet literacy: a negociação dos jovens com as novas oportunidades on-line. In: Revista Matrizes, São Paulo, ano 4, n. 2, jan./jun. 2011.

MASSAROLO, J. C.; MESQUITA, Dário. Narrativa Transmídia e a Educação: panorama e perspectivas. In: Revista Ensino Superior Unicamp, v. 9, p. 34-42, 2013. Disponível em:

https://www.revistaensinosuperior.gr.unicamp.br/edicoes/edicoes/ed09_abril2013/NMES_3.pdf. Acesso em: 17 nov. 2017.

MAYRING, P. Qualitative Content Analysis. In: FLICK, U.; KARDORFF, E. V.; STEINKE, I. (Ed.). A Companion to Qualitative Research. London: SAGE, 2004.

MAYRING, P. Qualitative Content Analysis. In: Forum Qualitative Social Research, v. 1, n. 2, Art. 20, 2000. Disponível em:

http://nbn-resolving.de/urn:nbn:de:0114-fqs0002204. Acesso em: 15 maio 2014.

MEZIROW, J. Transformative Dimensios of Adult Learning. San Francisco: Jossey-Bass, 1991.

MORAN, J. Educação Híbrida: Um conceito-chave para a educação, hoje. In: BACICH, L; NETO, A. T.; TREVISANI, F. de M. Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

MORAN, J. Mudar a Forma de Ensinar e de Aprender: transformar as aulas em pesquisa e comunicação presencial-virtual. In: Revista Interações, São Paulo, v. V, p. 57-72, 2000.

MYERS, D. Introdução à Psicologia Geral. Rio de Janeiro: LTC, 1999.

NASCIMENTO, E. R. do; OLIVEIRA, K. K.; BARBOSA, L. C.; ALMEIDA, T. D. M. de. Metodologias ativas e B-learning: um estudo de caso com alunos do ensino superior no campo das ciências sociais aplicada. In: XIV Congresso Internacional de Tecnologia na Educação, set. 2016, SENAC, Recife.

NASCIMENTO, E. R. do; OLIVEIRA, K. K.; FREITAS-DA-COSTA, M.; MARQUES, R. Q. Panorama da Pesquisa em Marketing no Brasil: uma análise da produção funcionalista em periódicos Qualis A2, B1 e B2. In: REMARK – Revista Brasileira de Marketing, v. 14, n. 2, abr./jun. 2015.

MILNE, A.; RIECKE, B.; ANTLE, A. Exploring Maker Practice: Common Attitudes, Habits and Skills from Vancouver’s Maker Community. Studies, v. 19, n. 21, p. 23, 2014.

PAULUS, M. P.; FRANK, L. R. Ventromedial Prefrontal Cortex Ativation is Critical for Preference Judgments. In: NeuroReport, v. 14, n. 10, 2003.

PEIRCE, C. S. The Collected Papers of Charles Sanders Peirce. Ed. A. W. Burks Edição eletrônica reproduzindo os seis primeiros volumes. Cambridge: Harvard University Press, 1958. v.7-8.

PRADO, A. L.; LAUDARES, E. M. de A.; VIEGAS, P. P. C.; GOULART, I. do C. V. Narrativas Digitais: Conceitos e contextos de letramento. In: RIAFE – Revista Ibero-Americano de Estudos em Educação, v. 12, n. esp., p. 1156-1176, ago. 2017. Disponível em:

http://seer.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/10286/6679. Acesso em: 18 nov. 2017.

RESENDE, V. L. A narrativa transmidiática: conceitos e pequenas dissonâncias. In: Anais do VII Simpósio Nacional da Associação Brasileira de Pesquisadores em Cibercultura. Realizado de 20 a 22 de novembro de 2013. Disponível em:

https://abciber.org.br/simposio2013/anais/pdf/Eixo_5_Entretenimento_Digital/25959arq05638141600.pdf. Acesso em: 15 nov. 2017.

ROCHA, E. F. Metodologias Ativas: um desafio além das quatro paredes da sala de aula. In: ENPED, 2012.

SANTOS, G. de S. Espaços de Aprendizagem. In: BACICH, L.; NETO, A. T.; TREVISANI, F. de M. Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

XAVIER, A. Storytelling: histórias que deixam marcas. 4. ed. Rio de Janeiro: Best Business, 2017.

Publicado
2019-01-11
Como Citar
do Nascimento, E. R., dos Anjos, F. L. M. R., Menezes, K. K. O., & de Oliveira, G. B. L. (2019). Narrativas digitais para uma aprendizagem significativa no Ensino Superior: qual a percepção dos estudantes?. Educação Por Escrito, 9(2), 251-269. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2018.2.31354
Seção
Docência Universitária e o Envolvimento Estudantil