O papel das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) na inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais no Centro Universitário do Espírito Santo – UNESC

  • Renata Domingos Universidade do Extremo Sul Catarinense
  • Georgia Bulian Souza Almeida Instituto Federal do Espírito Santo
  • Sônia Maria da Costa Barreto Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
Palavras-chave: Educação Superior. Educação Especial. Inclusão de Pessoas com Necessidades Educacionais Especiais. Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs).

Resumo

O presente estudo traz como temática central a discussão sobre a inclusão de pessoas com necessidades educacionais especiais no ensino superior, tendo em vista a crescente exigência da formação universitária como fator de desenvolvimento profissional. Tal fato nos leva ao questionamento de quão inclusiva tem sido nossas universidades, sendo necessário pensarmos mecanismos que tornem possível o acesso e a permanência desses alunos no ensino superior. O estudo foi realizado no Centro Universitário do Espírito Santo – UNESC, tendo com foco da pesquisa um aluno com deficiência visual do curso de pedagogia. Para tanto, buscou-se compreender as singularidades da trajetória pessoal e aquelas relativas à escolarização desse sujeito, identificando suas
características e suas específicas necessidades no contexto educativo e acadêmico, dando ênfase ao estudo da utilização das tecnologias de informação e comunicação (TICs) como ferramenta facilitadora do processo de
ensino/aprendizagem. A metodologia utilizada foi de natureza qualitativa, com inspiração fenomenológica, desenvolvida a partir de entrevista semiestruturada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Domingos, Universidade do Extremo Sul Catarinense
Doutoranda em Educação pela Universidad Católica de Santa Fé – UCSF.
Georgia Bulian Souza Almeida, Instituto Federal do Espírito Santo
Mestranda em Gestão Social, Educação e Desenvolvimento Regional na Faculdade Vale do Cricaré.
Sônia Maria da Costa Barreto, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
Doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Referências

ASSUMANN, Hugo. Reencantar a educação: rumo à sociedade aprendente. Petrópolis: Vozes, 1998.

BALL, Stepher. Education Reform. Londres: Open University Press, 1997.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm. Acesso em: 16 fev. 2013.

BRASIL. Declaração de Salamanca e linhas de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: CORDE, 1994.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996.

BRASIL. Lei nº 10. 098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L10098.htm. Acesso em: 22 dez. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes nacionais para a educação especial na Educação Básica. Secretaria de Educação Especial-MEC/SEESP, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Documento subsidiário à política de inclusão. MEC/SEESP, 2005.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Projeto Escola Viva: garantindo o acesso e permanência de todos os alunos na escola – Alunos com necessidades educacionais especiais. Brasília: MEC/SEESP, 2000. Vol. 6.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação. Portugal: Porto Editora, 1994.

CONFORTO, Débora; SANTAROSA, Lucila M. C. Acessibilidade à Web: Internet para todos. Revista de Informática na Educação: Teoria, Prática, PGIE/UFRGS, 2002.

DUSCHATZKY, Silvia; SKLIAR, Carlos. Os nomes dos outros: reflexões sobre os usos escolares da diversidade. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 25, n. 2, jul.-dez. 2000.

FARIA, Danielle de Oliveira Cabral. Vagas reservadas no ensino superior: igualdade de oportunidades. In: NEME, Eliana Franco (Coord.). Ações afirmativas e inclusão social. Bauru: Edite, 2005.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

HALL, Calvin S.; GARDNER, Lindzey. A psicologia existencial. In: HALL, Calvin S.; GARDNER, Lindzey. Teorias da personalidade. São Paulo: EPU, 1984.

INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO. Normas para apresentação de trabalhos acadêmicos e científicos: documento impresso e/ou digital. 5. ed. rev. ampl. Vitória: Ifes, 2012.

MAANEN, John, van. Reclaiming qualitative methods for organizational research: a preface. In: Administrative Science Quarterly, v. 24, n. 4, Dec. 1979a.

MANTOAN, Maria Tereza Égler (Org.). O desafio das diferenças nas escolas. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

ONU. Declaração dos Direitos Humanos. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948. Disponível em: http://portal.mj.gov.br/sedh/ct/legis_intern/ddh_bib_inter_universal.htm. Acesso em: 22 dez. 2012.

SANTOS, Mônica Pereira dos. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. São Paulo: Record, 2000.

SANTOS, Mônica Pereira dos; PAULINO, Marcos Moreira (Org.). Inclusão em educação: culturas, políticas e práticas. São Paulo: Cortez, 2006.

THOMA, Adriana da Silva. A inclusão no ensino superior: “– ninguém foi preparado para trabalhar com esses alunos (...) isso exige certamente uma política especial...”. GT Educação Especial, n. 15. 29. Reunião Anual da Anped, Caxambu, MG, 15 a 18 de outubro de 2006. Disponível em: www.anped.org.br. Acesso em: 10 dez. 2012.

UNESCO. Declaração Mundial sobre Educação para Todos. Satisfação das necessidades básicas de aprendizagem, realizada de 5 a 9 de março de 1990 em Jomtien, Tailândia. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0008/000862/086291por.pdf. Acesso em: 15 dez. 2012.

VALENTE José Armando (Org.). Liberando a mente: computadores na educação especial. Campinas: UNICAMP, 1991.

WARSCHAUER, Mark. Tecnologia e inclusão social: exclusão digital em debate. São Paulo: SENAC, 2006.

WUCHER, Gabi. Minorias: proteção internacional em prol da democracia. São Paulo: Juarez de Oliveira, 2000.

Publicado
2014-06-26
Como Citar
Domingos, R., Almeida, G. B. S., & da Costa Barreto, S. M. (2014). O papel das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) na inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais no Centro Universitário do Espírito Santo – UNESC. Educação Por Escrito, 5(1), 98-110. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2014.1.15857
Seção
Artigos