Paulo Emílio Salles Gomes e a transformação de crônicas em uma história do cinema brasileiro: os casos do nascimento e da Bela época

  • Julierme Morais Universidade Estadual de Goiás (UEG).
Palavras-chave: História. Cinema brasileiro. Nascimento. Bela época.

Resumo

Procuraremos demonstrar como o crítico e historiador do cinema brasileiro Paulo Emílio Salles Gomes, na obra Panorama do cinema brasileiro: 1896/1966 (1966), promoveu a transposição de crônicas do cinema brasileiro para uma história de nossa atividade cinematográfica, sobretudo com relação ao tema do nascimento do cinema brasileiro e ao conceito de Bela época aplicado a determinado período de nossa história cinematográfica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Julierme Morais, Universidade Estadual de Goiás (UEG).
Docente de Teoria e Metodologia da História da Universidade Estadual de Goiás (UEG). Doutor em História pelo programa de Pós-Graduação em História (PPGHIS) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), instituição na qual também é integrante do Núcleo de Estudos em História Social da Arte e da Cultura (NEHAC).

Referências

ARAÚJO, Vicente de Paula. A Bela época do cinema brasileiro. São Paulo: Perspectiva, 1976.

BERNADET, Jean-Claude. Historiografia clássica do cinema brasileiro: metodologia e pedagogia. São Paulo: Annablume, 1995.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 2007.

GOMES, Paulo Emílio Salles. Panorama do cinema brasileiro: 1896/1966. In:_______. Cinema: trajetória no subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980, p. 35-79.

______. Crítica de cinema no suplemento literário. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981. 2 volumes.

MORAIS, Julierme. Eficácia política de uma crítica: Paulo Emílio Salles Gomes a constituição de uma teia interpretativa da história do cinema brasileiro. Uberlândia: Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Uberlândia, 2010a.

______. A historiografia clássica do cinema nacional e a Bela época do cinema brasileiro: a influência de Paulo Emílio Salles Gomes. Fênix ─ Revista de História e Estudos Culturais. Uberlândia, Vol. 7, Ano VII, n°. 3 Set/Out/Nov/Dez de 2010b, p. 1-11. Disponível em: www.revistafenix.pro.br.

______. O conceito de subdesenvolvimento na historiografia clássica do cinema brasileiro e a matriz Paulo Emílio Salles Gomes. Fato & Versões, vol. 2, nº. 3, 2010c, p. 173-186. Disponível em: www.catolicaonline.com.br/fatoeversoes.

______. Paulo Emílio Salles Gomes e a adesão ao cinemanovismo: matriz intelectual nas congruências entre Cinema Novo e modernismo literário. In: CAPEL, Heloísa S. F.; PATRIOTA, Rosangela; RAMOS, Alcides F (Org.). Criações artísticas, representações da história: diálogos entre arte e sociedade. São Paulo: Hucitec, Goiânia: Editora da PUC Goiás, 2010d, p. 45-68.

RÜSEN, Jörn. Reconstrução do passado – Teoria da História II: os princípios da pesquisa histórica. Trad. Asta-Rose Alcaide e Estevão de Rezende Martins. Brasília: Ed. da UNB, 2010.

SÁ NETO, Arthur Autran F. Alex Viany: crítico e historiador. São Paulo: Perspectiva, 2003.

SILVA NOBRE, Francisco. Pequena história do cinema brasileiro. Rio de Janeiro: Associação Atlética Banco do Brasil, 1955.

VIANY, Alex. Introdução ao Cinema Brasileiro. Instituto Nacional do livro, 1959.

Publicado
2014-12-04
Como Citar
Morais, J. (2014). Paulo Emílio Salles Gomes e a transformação de crônicas em uma história do cinema brasileiro: os casos do nascimento e da Bela época. Oficina Do Historiador, 7(2), 118-139. https://doi.org/10.15448/2178-3748.2014.2.16994