Narrar para compreender: o relato como forma de organizar a experiência em Domingo à tarde, de Fernando Namora

  • Sabrina Schneider Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)
Palavras-chave: Monologia, dialogia, escrita do eu, Fernando Namora, Mikhail Bakhtin

Resumo

Utilizando os conceitos elaborados por Mikhail Bakhtin em Problemas da poética de Dostoiévski, especialmente os de monovocalidade e bivocalidade e de monologia e dialogia, este artigo analisa o romance Domingo à tarde, do escritor português Fernando Namora. Buscamos mostrar que, mesmo em um relato em primeira pessoa, o que se tem é uma ficcionalização do eu, um acabamento da personagem que é impossível à autoconsciência no momento em que uma experiência está sendo vivida. Além disso, o fato de a voz do narrador – ou do autor, como quer Bakhtin – refratar-se na voz de um protagonista, de um participante dos acontecimentos narrados, não reduz a força do discurso referencial direto e imediato: aquele que nomeia, comunica, enuncia e representa, não permitindo que as vozes das demais personagens se manifestem de maneira autônoma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sabrina Schneider, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)
Doutoranda em Letras, área de concentração em Teoria da Literatura, na PUCRS
Publicado
2010-12-21
Como Citar
Schneider, S. (2010). Narrar para compreender: o relato como forma de organizar a experiência em Domingo à tarde, de Fernando Namora. Letrônica, 3(1), 404-411. Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/letronica/article/view/7069