Foco prosódico e clivagem no processamento de elipses no português brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15448/1984-4301.2023.1.44425

Palavras-chave:

Processamento de frases, Elipses, Foco Prosódico, Clivagem

Resumo

Este trabalho investiga a influência da marcação de foco prosódico contrastivo e do que chamamos de “foco sintático” por meio da clivagem, na resolução de ambiguidades em estruturas elípticas replacive: “Durante o ensaio da orquestra, (foi) o violinista (que) impressionou o maestro, não o solista”. Esta pesquisa foi inspirada em Carlson (2015), que investigou sentenças similares em inglês. Conduzimos duas atividades experimentais com uma combinação de 7 condições experimentais de clivagem e foco prosódico. Após ouvirem as sen­tenças, os participantes (N=66) respondiam perguntas como: “O que aconteceu em...?”. A resposta podia ser uma interpretação de objeto: “Ninguém impressionou o solista”; ou uma interpretação de sujeito: “O solista não impressionou ninguém.” Os resultados apontam que ambas as estratégias de focalização (foco prosódico e clivagem) influenciaram o aumento da interpretação de sujeito. Quando as pistas de focalização são conflitivas, a clivagem exerceu um papel decisivo na interpretação final. Nossos resultados estão alinhados com os de Carlson (2015) para o inglês. O foco prosódico desempenha um importante papel na resolução de ambiguidades, como em Schafer et al. (1996). No entanto, conforme Kiss (1998), a clivagem transmite um foco contrastivo e exaustivo para a sentença, sendo, portanto, uma pista de desambiguização mais efetiva do que outras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Alves Fonseca, Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Letras, MG, Brasil.

Professora adjunta do Departamento de Letras e do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Doutora em Estudos Linguísticos pela UFMG (2012). Realizou pesquisa de pós-doutorado multicentro na Universidade Federal do Rio de Janeiro e na Morehead State University, EUA (2018/2019). É pesquisadora membro do Núcleo de Estudos em Aquisição da Linguagem e Psicolinguística (NEALP/UFJF) e colaboradora no Laboratório de Psicolinguística Experimental (LAPEx/UFRJ).

Andresa Christine Oliveira da Silva, Universidade do Estado de Minas Gerais, Departamento de Educação, Linguística e Letras, MG, Brasil.

Doutora em Linguística pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). É professora de Língua Inglesa do Departamento de Educação, Linguística e Letras da Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG). Coautora do capítulo “Os estudos da interface sintaxe-prosódia na Psicolinguística”, publicado no livro Psicolinguística: diversidades, interfaces e aplicações, da editora Contexto.

Júlia Greco Carvalho, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG, BR.

Licenciada em Letras/Português e Italiano pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e mestranda em Linguística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), na linha de pesquisa “Linguagem, mente e cérebro”. Em 2021, publicou em conjunto com Aline Fonseca e Samara Zanella o artigo “Atividades experimentais em tempos de pandemia”, pela revista Texto livre, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Marcella Campos e Souza, Universidade Federal de Juiz de Fora, Faculdade de Letras, MG, Brasil.

Graduada em Letras/Português e respectivas literaturas pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em 2023. Atualmente, é mestranda no Programa de Pós-Graduação em Linguística pela UFJF, onde é bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG). Tem interesse na área de Linguística, com destaque em Psicolinguística e Prosódia.

Referências

ARIEL, Mira. Accessing noun-phrase antecedents. Lon¬don: Routledge, 1990.

BAAYEN, Rolf Harald; DAVIDSON, Doug; BATES, Dou¬glas. Mixed-effects modeling with crossed random effects for subjects and items. Journal of Memory and Language, [s. l.], v. 59, n. 4, p. 390-412, 2008.

CARLSON, Katy. Clefting, parallelism, and focus in ellipsis sentences. In: FRAZIER, Lyn; GIBSON, Edward (ed.). Explicit and implicit prosody in sentence proces¬sing: studies in honor of Janet Dean Fodor. New York: Springer, 2015. p. 63-83.

CARLSON, Katy. Parallelism and prosody in the proces¬sing of ellipsis sentences. New York: Routledge Taylor & Francis Group, 2002. (Outstanding Dissertations in Linguistics).

CARLSON, Katy; TYLER, Joseph. Accents, not just prosodic boundaries, influence syntactic attachment. Language and Speech, [s. l.], v. 61, n. 2, p. 246-276, 2018.

CRAENENBROECK, Jeroen van; TEMMERMAN, Tanja (ed.). The Oxford Handbook of Ellipsis. Oxford: Oxford University Press, 2018.

FONSECA, Aline Alves. Pesquisa em psicolinguística: explorando o processamento de frases. In: OLIVEIRA, Candido Samuel Fonseca; SÁ, Thaís Maira Machado (org.). Psicolinguística em Minas Gerais. Contagem: CEFET-MG, 2020. p. 95-112.

FONSECA, Aline Alves; CARLSON, Katy; SILVA, An¬dressa. Prosodic effects on attachment in Brazilian Portuguese. In: ANNUAL CUNY CONFERENCE ON HUMAN SENTENCE PROCESSING, 32., 2019, Boulder. [Poster]. Disponível em: www.colorado.edu/event/cuny2019/sites/default/files/attached-files/a7_fon-seca_etal.pdf. Acesso em: 11 set. 2023.

FORSTER, Kenneth; FORSTER, Jonathan. DMDX: a Windows display program with millisecond accuracy. Behavior Research Methods, Instruments, & Computers, [s. l.], v. 35, p. 116-124, 2003.

FRAZIER, Lyn. On comprehending sentences: syntactic parsing strategies. 1979. Thesis (PhD) – University of Connecticut, Storrs, 1979.

FRAZIER, Lyn; FODOR, Janet Dean. The sausage ma¬chine: a new two-stage parsing model. Cognition, [s. l.], v. 6, n. 4, p. 291-325, 1978.

GANDÓN-CHAPELA, Evelyn; PÉREZ-GUERRA, Javier. Ellipsis: licensing, structure and identity. The Linguistic Review, [s. l.], v. 33, n. 4, p. 445-452, 2016.

GORDON, Peter; HENDRICK, Randall; JOHNSON, Mar¬cus. Memory interference during language processing. Journal of Experimental Psychology: Learning, Memory, and Cognition, [s. l.], v. 27, n. 6, p. 1411-1423, 2001.

HOEKS, John; REDEKER, Gisela; HENDRIKS, Petra. Fill the gap! Combining pragmatic and prosodic. Journal of Psycholinguistic Research, [s. l.], v. 38, n. 3, p. 221-235, 2009.

KISS, Katalin. Identificational focus vs. information focus. Language, [s. l.], v. 74, n. 2, p. 245-273, 1998.

MERCHANT, Jason. Ellipsis: a survey of analytical appro¬aches. In: CRAENENBROECK, Jeroen van; TEMMERMAN, Tanja (ed.). The Oxford Handbook of Ellipsis. Oxford: Oxford University Press, 2018. p. 19-45.

NESPOR, Marina; VOGEL, Irene. Prosodic phonology. Foris: Dordrecht, 1986.

PHILIPS, Colin; PARKER, Dan. The psycholinguistics of ellipsis. Lingua, [s. l.], v. 151, p. 78-95, 2014.

PSYCHOLOGY SOFTWARE TOOLS. E-Prime 3.0. PST Product Service and Support, [s. l.], 2016. Disponível em: https://support.pstnet.com/. Acesso em: 9 set. 2023.

R CORE TEAM. R: A language and environment for statis¬tical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, 2022. Disponível em: https://www.R-project.org/. Acesso em: 9 set. 2023.

ROOTH, Mats. A theory of focus interpretation. Natural Language Semantics, Amsterdam, v. 1, n. 1, p. 75-116, 1992.

SCHAFER, Amy et al. Focus in relative clause construal. Language & Cognitive Processes, [s. l.], v. 11, n. 1-2, p. 135-164, 1996.

WARREN, Paul. Introducing Psycholinguistics. Cambri¬dge: Cambridge University Press, 2013.

WARREN, Tessa; GIBSON, Edward. The influence of referential processing on sentence complexity. Cog¬nition, [s. l.], v. 85, n. 1, p. 79-112, 2002.

WINKLER, Susanne. Ellipsis. In: BROWN, Keith (ed.). The Encyclopedia of Language and Linguistics. 2. ed. Oxford: Elsevier, 2006. p. 109-113.

ZEHR, Jérémy; SCHWARZ, Florian. PennController for Internet Based Experiments (IBEX). OSF, [s. l.], 15 mar. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.17605/OSF.IO/MD832. Acesso em: 2 jan. 2021

Downloads

Publicado

2023-11-21

Como Citar

Alves Fonseca, A., Oliveira da Silva, A. C., Greco Carvalho, J., & Campos e Souza, M. (2023). Foco prosódico e clivagem no processamento de elipses no português brasileiro. Letrônica, 16(1), e44425. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2023.1.44425

Edição

Seção

PSICOLINGUÍSTICA E NEUROLINGUÍSTICA EM INTERFACES