Aspectos hipermodernos no conto “O importado vermelho de Noé”, de André Sant’anna

  • Paulo Ricardo Moura da Silva Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"
Palavras-chave: André Sant’Anna, Gilles Lipovetsky, Hipermodernidade, Narrativa brasileira contemporânea.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo primordial discutir criticamente o conto “O importado vermelho de Noé”, do escritor André Sant’Anna (2007), presente no livro Sexo e amizade, sob a perspectiva das reflexões de Gilles Lipovetsky (2004) sobre os aspectos fundamentais que constituem a hipermodernidade. Atentamo-nos em nossa leitura crítica para os diálogos possíveis entre o conto de André Sant’Anna e as discussões de Gilles Lipovetsky de modo a aproximá-los para verificar certos aspectos convergentes entre estes dois discursos, como, por exemplo, o consumo, a velocidade, bem como as ressignificações nas relações que os indivíduos hipermodernos estabelecem com o tempo.

Referências

CALENCA, Daniela. História social da moda. Tradução Renato Ambrosio. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2008.

FOSTER, H. The Return of the Real. Londres: AnOctober Book, 1996.

LIPOVETSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. Tradução Mário Vilela. São Paulo: Barcarolla, 2004.

MORICONI, Italo (Org.). Os cem melhores contos brasileiros do século. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

OLIVEIRA, Nelson de (Org.). Geração 90: os transgressores. São Paulo: Boitempo Editorial, 2003.

SALGUEIRINHO, Leandro. Abjeção em textos de André Sant’Anna. Viso: Cadernos de estética aplicada, Niterói, v. 3, n. 6, p. 71-84, jan.-jun. 2009.

SANT’ANNA, André. Sexo e amizade. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

SCHØLLHAMMER, Karl Erik. Ficção brasileira contemporânea. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

SCHØLLHAMMER, Karl Erik. Realismo afetivo: evocar realismo para além representação. Estudos de literatura brasileira contemporânea, Brasília, n. 39, p. 129-148, jan.-jun. 2012.

Publicado
2018-03-23
Como Citar
Moura da Silva, P. R. (2018). Aspectos hipermodernos no conto “O importado vermelho de Noé”, de André Sant’anna. Letrônica, 10(2), 826-836. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2017.2.26338