O mecanismo de busca do Google e a relevância na relação sistema-usuário

  • Fátima Hassan Caldeira Universidade do Sul de Santa Catarina
Palavras-chave: Mecanismo de busca, Google, Ciberpragmática, Teoria da Relevância, Websemântica.

Resumo

Este artigo apresenta pesquisa teórica que tem como objeto de análise o mecanismo de busca do Google. Parte-se da hipótese, inaugurada por Yus através da Ciberpragmática, de que a Teoria da Relevância é capaz de dar uma explicação científica às atividades humanas na Net, já que, para este teórico, as pesquisas sobre os procedimentos cognitivos da mente humana em cenários físicos implicam necessariamente um paralelismo em ambientes virtuais. Assim sendo, em decorrência da diluição da fronteira entre o virtual e o real, a relevância, além de orientar a comunicação na Internet, também orienta qualquer atividade humana on-line. Dentre as atividades humanas na Net, a pesquisa privilegia a relevância procurada pelo sistema para o usuário como lugar de análise, pois é nessa área que se insere o resultado de um mecanismo de busca tal como o Google. Do ponto de vista operacional, defende-se a hipótese de que as ferramentas fornecidas pela Teoria da Relevância (Sperber e Wilson), aliadas aos achados da Ciberpragmática (Yus), são capazes de analisar e descrever o mecanismo de busca do Google. O estudo presume que o mecanismo de busca ‘metarrepresenta’ a meta de um usuário que utiliza sua interface de busca, maximiza a relevância do input (a consulta, a busca) para disponibilizar outputs (resultados do mecanismo de busca) que atendam à relevância de cada indivíduo, aumentando os efeitos cognitivos e diminuindo o esforço de processamento do usuário para que este alcance a meta que o levou à consulta no buscador. Para corroborar tal presunção, apresentamos os avanços tecnológicos operados no mecanismo de busca do Google, com a introdução de seu novo algoritmo - o Hummingbird – e da Web Semântica, o reconhecimento do comportamento do usuário na internet e a personalização dos resultados das buscas de tal modo a atender, de modo relevante, às necessidades e intenções dos usuários, numa tentativa de contextualizar a experiência do usuário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUIARI, Vinicius. Google implementará recursos de busca semântica este ano. INFO online. 15 mar. 2012. Disponível em: <http://info.abril.com.br/noticias/internet/googleprepara-nova-reforma-para-as-buscas-15032012-1.shl>. Acesso em: 03 jun. 2014.

ALGORITMO. Infopédia. Enciclopédia e Dicionários Porto Editora. Disponível em:

<http://www.infopedia.pt/$algoritmo(informatica);jsessionid=rxopIzQY8HQZTNVWuXwJNw__>. Acesso em: 03 jun. 2014.

ALVES, Anderson Fernandes; CERQUEIRA, Otto Silva. O design como incentivo à leitura na geração digital. 2013. 62 f. Monografia (Graduação). Curso de Desenho Industrial, Universidade São Judas Tadeu. São Paulo, 2013. Disponível em: <http://www.usjt.br/cursos/lacce/desenho_industrial/arquivos/tcc/2013/design-incentivo-leitura-geracaodigital.pdf>. Acesso em: 10 maio 2014.

ARAÚJO, Regina Borges de. Computação ubíqua: princípios, tecnologias e desafios. XXI Simpósio Brasileiro de Redes de Computadores. Natal, 19 a 23 de maio de 2003. p. 45-115. Disponível em: <http://www.professordiovani.com.br/rw/monografia_araujo.pdf>. Acesso em: 04 jun. 2014.

BREITMAN, Karin Koogan. Web semântica: a internet do futuro. Rio de Janeiro: LTC, 2005.

BUSCADOR do Google passará pela maior reformulação da história, diz jornal. Olhar Digital. 15 mar. 2012. Disponível em: <http://olhardigital.uol.com.br/noticia/buscadordo-google-passara-pela-maior-reformulacao-da-historia,-diz-jornal/24847>. Acesso em: 3 jun. 2014.

COM 85% de participação, o Google é o buscador mais usado no Brasil. G1. Tecnologias e Games. São Paulo. 16 jul. 2013. Disponível em: <http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2013/07/com-85-de-participacao-google-e-o-buscador-mais-usado-no-brasil.html>. Acesso em: 03 jun. 2014.

FERNANDES, Rogério Paulo Muller et al. Panorama atual do uso dos mecanismos de busca na Web. XIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação – XIII ENANCIB 2012. GT 8 Informação e Tecnologia. Comunicação oral. Disponível em: <http://www.uel.br/grupopesquisa/ciberespaco/doc/panor_atual_uso_busca_enancib2012.pdf>. Acesso em: 03 jun. 2014.

FIGUEIREDO, Dayana Ester Andrade. Recuperação da informação: uma análise sobre os sistemas de busca da Web. 2006. 64 f. Monografia (Graduação em Biblioteconomia) – Universidade de Brasília - Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Brasília, 2006.

FONSECA, João da. O que é o Hummingbird Update do Google e como revoluciona o SEO. Seomaster. 8 out. 2013. Disponível em: <http://www.seomaster.com.br/blog/o-que-eo- hummingbird-update-do-google-e-como-revoluciona-o-seo>. Acesso em: 03 jun. 2014.

GABRIEL, Martha. Sem e Seo: dominando o marketing de busca. 2. ed. São Paulo: Novatec Editora, 2012.

GABRIEL, Martha. Conversando com computadores: interfaces da voz na web. Pinhais: Editora Melo, 2011.

GABRIEL, Martha. Oráculo digital. Café Filosófico. Instituto CPFL/ Cultura. 23 ago. 2010. Disponível em: <http://www.cpflcultura.com.br/wp/2010/08/23/a-era-da-busca-oraculosdigitais-%E2%80%93-martha-gabriel-com-marcelo-tas/>. Acesso em: 19 jun. 2014.

GABRIEL, Martha. [email protected]: a (r)evolução digital na educação. São Paulo: Saraiva, 2013.

GASPARINI, Cláudia. Como será o mecanismo de busca do futuro? Exame.Com. 13 dez. 2013. Disponível em: <http://exame.abril.com.br/rede-de-blogs/digitos/2013/12/13/

como-sera-o-mecanismo-de-busca-do-futuro/>. Acesso em: 10 jun. 2014.

GOOGLE. Como funciona a busca: dos algoritmos às respostas. Disponível em: <http://www.google.com/insidesearch/howsearchworks/thestory/index.html>. Acesso em: 03 jun. 2014a.

GOOGLE. Googlebot. In: Ferramentas do Google para webmaster. Disponível em: <https://support.google.com/Webmasters/answer/182072?hl=pt-BR>. Acesso em: 13 jun. 2014b.

GOOGLE. Rastreamento e indexação. In: Por dentro da pesquisa. Disponível em: <http://www.google.com/intl/pt-BR/insidesearch/howsearchworks/crawling-indexing.html>. Acesso em: 12 jun. 2014c.

GOOGLE. O mapa do conhecimento. In: Por dentro da pesquisa. Disponível em: <http://www.google.com/intl/pt-BR/insidesearch/features/search/knowledge.html>. Acesso em: 14 jun. 2014d.

GOOGLE. Tipos de cookies usados pelo Google. In: Privacidade e termos. Disponível em:<http://www.google.com/intl/pt-BR/policies/technologies/types/>. Acesso em: 17 jun. 2014e.

GOOGLE search. Biografias e Coisas.com. 18 set. 2012. Disponível em: <http://desmanipulador.blogspot.com.br/2012/09/google-procura.html>. Acesso em: 03 jun. 2014.

GRIMALDO, Wilmer Arturo Moyano. Sociedad de la información: metadatos y futuro de la Internet en la recuperación de información de calidad. Bibliotecas & Tecnologías de La Información. 2004. Disponível em: <http://eprints.rclis.org/7010/1/Art%C3%ADculo_Sociedad_de_la_Informaci%C3%B3n_y_Metadatos.pdf>. Acesso em: 19 jun. 2014.

HUMMINGBIRD. Google: o que mudou? Internet Inovation. Blog. 24 fev. 2014. Disponível em: <http://www.internetinnovation.com.br/blog/hummingbird-google-o-que-mudou/>. Acesso em: 03 jun. 2014.

IVO, Diego. Codinome Hummingbird: receba mais visitas com atualização do Google. 12 out. 2013. Disponível em: <http://www.administradores.com.br/noticias/tecnologia/codinome-hummingbird-receba-mais-visitas-com-atualizacao-do-google/80859/>. Acesso em: 03 jun. 2014.

JUSTINO, Carlos. O Google está mudando conheça a nova busca semântica. Pub Marketing. 18 fev. 2014. Disponível em: <http://www.grupoipub.com.br/o-google-esta-mudandoconheca-nova-busca-semantica/>. Acesso em: 3 jun. 2014.

LIMA, Júlio César de; CARVALHO, Cedric Luiz. Uma visão da Web semântica. Instituto de Informática. Universidade Federal de Goiás. 2004. Disponível em: <http://www.inf.ufg.br/sites/default/files/uploads/relatorios-tecnicos/RT-INF_001-04.pdf>. Acesso: 18 jun. 2014.

MACEDO, Gustavo. Google Hummingbird: o impacto do novo buscador para seu negócio. 01 nov. 2013. Exame.com. Blog Performance. Disponível em: <http://exame.abril.com.br/rede-de-blogs/performance-digital/2013/11/01/google-hummingbird-o-impacto-donovo-buscador-para-seu-negocio/>. Acesso em: 03 jun. 2014.

MARCHI, Késsia Rita da Costa. Uma abordagem para personalização de resultados de busca na web. 2010. 141 f. Dissertação (Pós-Graduação em Ciência da Computação) - Universidade Estadual de Maringá, Maringá/PR, 2010.

MORAIS, Carlos Tadeu Queiroz de; LIMA, José Valdeni de; FRANCO, Sérgio Roberto K. Conceitos sobre internet e web. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2012. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/sead/publicacoes/documentos/livro-conceito-internet-e-web>. Acesso em: 20 maio 2015.

OPELBAUM, Polina. Os efeitos do Google Hummingbird nas buscas e no social. Blog PR Newswire – Brasil. 19 mar. 2014. Disponível em: <http://blogprnewswire.com/2014/03/19/>. Acesso em: 3 jun. 2014.

PARISER, Eli. O filtro invisível: o que a internet está escondendo de você. Tradução Diego Alfaro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2012. Disponível em: <http://books.google.com.br/books?id=R9zb5nAfsw8C&printsec=frontcover&dq=O+filtro+invis%C3%ADvel&hl=ptBR&sa=X&ei=A36kU6xc57KxBLekgfgK&ved=0CCYQ6AEwAA#v=onepage&q=O%20filtro%-20invis%C3%ADvel&f=false>. Acesso em: 19 jun. 2014.

PARISER, Eli. Tenha cuidado com os “filtros-bolha” online. TED. palestra. mar. 2011. Disponível em: <http://www.ted.com/talks/eli_pariser_beware_online_filter_bubbles?

language=pt-br>. Acesso em: 20 abr. 2015.

PEW INTERNET. Search engine use 2012. 9 mar. 2012. Disponível em: <http://www.pewinternet.org/files/old-media/Files/Reports/2012/PIP_Search_Engine_Use_2012.pdf>. Acesso em: 03 jun. 2014.

RAUEN, Fábio José. For a goal conciliation theory: ante-factual abductive hypotheses and proactive modelling. Linguagem em Discurso, LemD, Tubarão, SC, v. 14, n. 3, p. 595-615, set./dez. 2014.

SIMONI, Raphel. SEO e semântica web: uma nova revolução com a busca de entidades. iMaster.08 ago. 2013. Disponível em: <http://imasters.com.br/search/seo/seo-e-semantica-Web-uma-nova-revolucao-com-a-busca-de-entidades/>. Acesso em: 03 jun. 2014.

SPERBER, Dan et al. Epistemic vigilance. Mind & Language. 2010. p. 359–393. Disponível em: <http://www.dan.sperber.fr/wp-content/uploads/Epistemic-Vigilance-published.pdf>. Acesso em: 10 fev. 2014.

SPERBER, Dan; WILSON, Deirdre. Relevância: comunicação e cognição. Tradução de Helen Santos Alves. Lisboa: Fundação Calouste Gulbekian, 2001.

SPERBER, Dan; WILSON, Deirdre. Relevance: communication & cognition. 2. ed. Oxford: Blackwell, 1995. (1st ed. 1986).

WEBMASTER. Infopédia. Enciclopédia e Dicionários Porto Editora. Disponível em:

<http://www.infopedia.pt/lingua-portuguesa/Webmaster>. Acesso em: 13 jun. 2014.

YUS, Francisco. Putting relevance at centre stage in all research on human activity on the Internet. Artigo entregue para Relevance: Discourse and Translation. Warsaw/Polônia, set. 2012.

YUS, Francisco. Una aproximación discursiva a las identidades en línea. In: Language and Identity in the Spanish-Speaking World (6th International Conference of Hispanic Linguistics and 4th Biennial Meeting of the International Association for the Study of Spanish in Society). 2013. Birkbeck: University of London. Disponível em: <https://sites.google.com/site/franciscoyus/conferences>. Acesso em: 20 mar. 2014.

YUS, Francisco. Social media. In: The Routledge Handbook of Pragmatics. Eds. A. Barron, G. Steen and G. Yueguo. London: Routledge, 2014. Disponível em: <https://drive.google.com/g/?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnxmcmFuY2lzY295dXN8Z3g6NjgxNzE4NjljNDhlYWY1OA>. Acesso em: 15 set. 2014.

YUS, Francisco. En qué difieren los géneros electrónicos de los analógicos. En el Congreso Leer y Escribir en Español en la Red. Aprendizaje, Renovación y Propuestas. University of Comillas, Cantabria (Espanha), 2011. Disponível em: <https://sites.google.com/site/franciscoyus/conferences/texto%20para%20actas%20Yus.doc?attredirects=0&d=1>. Acesso em: 20 mar. 2014.

Publicado
2015-07-15
Como Citar
Caldeira, F. H. (2015). O mecanismo de busca do Google e a relevância na relação sistema-usuário. Letrônica, 8(1), 91-106. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2015.1.19616