Patrimônio, mudanças e memórias traumáticas: a Arqueologia da Repressão e da Resistência

Palavras-chave: Arqueologia. Ditaduras. Memórias difíceis. Novos atores.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo discutir a importância do domínio da Arqueologia da Repressão e da Resistência, em contexto brasileiro e latino-americano, contextualizando a emergência do campo a partir da sua conjuntura histórica e das discussões contemporâneas no âmbito dos Estudos Patrimoniais e da Arqueologia do Presente. Ressalta-se a importância conceitual da mudança no âmbito dos três campos abordados, como justificativa para a emergência de reivindicações de novos atores sociais e de novas interpretações acerca do Patrimônio, que colocam a discussão do estudo e patrimonialização de sítios relacionados a memórias traumáticas (POLLAK, 1989; JELIN, 2001) em lugar de protagonismo na busca por Justiça e Verdade na contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rita Juliana Soares Poloni, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS

Doutora em Arqueologia pela Universidade do Algarve (UAlg). Pós-doutorada em Arqueologia na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp); Pós-doutoranda (bolsa CAPES) na Universidade Federal de Pelotas (UFPel); Pelotas, RS, Brasil, e membra do ICArEHB (Ualg). Suas áreas de interesse incluem Ciência Colonial, Ciência e Fascismos, Nacionalismos, Etnogenealogias, Etnoarqueologia, Patrimônio, Ditaduras e Memórias traumáticas.

Pedro Paulo Abreu Funari, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP

Doutor em Arqueologia pela Universidade de São Paulo (USP). Professor Titular, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP, Brasil. Entre os temas de pesquisa a que se dedica destacam-se História Antiga e Arqueologia Histórica, Latim, Grego, Cultura Judaica, Cristianismo, Ambiente e Sociedade, Estudos Estratégicos, Turismo, Patrimônio, e Relações de Gênero.

Darlan de Mamann Marchi, Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, RS

Doutor em Memória Social e Patrimônio Cultural pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Pós-doutorando (bolsa CAPES/FAPERGS) na Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, RS, Brasil. Tem experiência com pesquisas em história, memória social, patrimônios mundiais, processos de patrimonialização e políticas públicas para o patrimônio cultural.

Referências

ALARCON JIMENEZ, Andres. Antropologia, Arqueologia e usos do passado durante a Guerra Fria. Regimes autocráticos, militares e pseudodemocráticos, o instituto colombiano de antropologia e seus modelos de colombiano, 1950-1966. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, v. 8, n. 2[10], p. 45-74 jan. 2014. Disponível em: https://bit.ly/2Fu5al0. Acesso em: 8 jan. 2018. https://doi.org/10.20396/rap.v8i2.8635638

ASSMANN, Jan. Das kulturellegedachtniss. Munich: C. H. Beck, 1992. https://doi.org/10.17104/9783406703409

AUGÉ, Marc. Los no lugares: Espacios del anonimato, una antropología de las obremodernidad. Barcelona: Gedisa, 2002 (1992).

BAHN, P. Archaeology: a very short introduction. Oxford: Oxford University press, 2000.

BARETTA, Jocyane Ricelly. Arqueologia e a construção de memórias materiais da Ditadura Militar em Porto Alegre/RS (1964/1985). 2015. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em História. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015. Disponível em: https://bit.ly/2AMGdND. Acesso em: 29 ago. 2018.

BERRY, D. The Computational Turn: Thinking About The Digital Humanities. Culture Machine, Brighton, v. 12, p. 1-22, 2011.

BERRY, David M. Post-digital humanities: computation and cultural critique in the arts and humanities. Educause, v. 49, n. 3, p. 22-26, 2014.

BIELOUS, Silvia Dutrénit. Los Equipos de Antropología forense en América Latina: Coadyuvantes en el camino de la verdad y la justicia. Red Universitaria sobre Derechos Humanos y Democratización para América Latina, ano 2, n. 3, p. 25-53, abr. 2012. Disponível em: https://bit.ly/1TJdEpp. Acesso em: 14 jan. 2019.

CONNERTON, Paul. Seven types of forgetting. Memory studies, v. 1, n. 1, p. 59-71, 2008. https://doi.org/10.1177/1750698007083889

DERRIDA, Jacques. Mal de Arquivo: uma impressão freudiana. Trad. Claudia de Moraes Rego. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

DÍAS-ANDREU, M.; CHAMPION, T. (org.). Nationalism and Archaeology in Europe. Colorado: Westview Press, 1996.

FERMÍN, Maguire, Pedro Pablo. Cantoria dos prisioneiros: documentos, materialidade e memórias dos campos de concentração de Muros, A Coruña. 2015. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em História. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: História da violência nas prisões. São Paulo: Ática, 2002[1975].

FOUCAULT, M. 2009 [1967]. “Los espacios otros”. Cuatro Tap Anteproyecto. Disponível em: http://twixar.me/JcR3. Acesso em: 3 jan. 2015.

FREUD, S. Psicologia das massas e análise do eu e outros textos (1920-1923). São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

FUNARI, Pedro Paulo A. Archaeology in Brazil: politics and scholarship at a crossroads. World Archaeological Bulletin, v. 5, p. 123-132, 1991.

FUNARI, Pedro Paulo A. Mixed features of archaeological theory in Brazil. In: UCKO, Peter (org.). Theory in archaeology: a world perspective. London: Routledge. 1995. p. 237-250.

FUNARI, Pedro Paulo A. Class interests in brazilian archaeology. International Journal of Historical Archaeology, [s. l.], v. 6, n. 3, p. 209-216, 2003.

FUNARI, Pedro Paulo A. Arqueologia. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2006.

FUNARI, Pedro Paulo A. Arqueologia e patrimônio. Erechin: Habilis, 2007.

FUNARI, Pedro Paulo A.; ZARANKIN, Andrés; REIS, José Alberioni (org.). Arqueologia da Repressão e da Resistência na América Latina na Era das Ditaduras (Década de 1960-1980). São Paulo: Annablume; Fapesp, 2008.

FUNARI, P. P. A.; PELEGRINI, S. Patrimônio Histórico e Cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2014.

FUNARI, P. P. A.; MOURAD, T. Stewards of empire: heritage as colonial booty. Herótodo, v. 2016, p. 36-53, 2016.

FUNARI, P. P. A.; POLONI, R. J. S. Nacionalismo e ciência: Arqueologia, imperialismo e Estado Novo em contexto lusobrasileiro. In: COSTA, Cléria Botêlho da; RIBEIRO, Maria do Espírito Santo Rosa Cavalcante. (org.). Fronteiras Móveis: Territorialidades, migrações. Belo Horizonte: Fino Traço, 2016. p. 283-300.

GALLO, Carlos Artur. A Comissão Nacional da Verdade e a reconstituição do passado recente brasileiro: uma análise preliminar da sua atuação. Estudos de Sociologia, Araraquara, v. 20, n. 39, p. 327-345, jan. 2015.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Tradução de Carlos Nelson Coutinho com a colaboração de Luiz Sergio Henriques e Marco Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. v. 5.

GONZALEZ-RUIBAL. A. Time to destroy. Current anthropology, Chicago, v. 49, n. 2, p. 247-79, 2008. https://doi.org/10.1086/526099

GURVEN, M.; HILL, K. Why Do Men Hunt?: A Reevaluation of “Man the Hunter” and the Sexual Division of Labor, Current Anthropology, [s. l.], v. 50, n. 1, p. 51-74, Feb. 2009. https://doi.org/10.1086/595620

GRUPO DE ESTUDOS JUSTIÇAS DE TRANSIÇÃO LATINO-AMERICANAS E CONSTITUCIONALISMO DEMOCRÁTICO – FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS (UFMG). Resistir sempre: ditadura nunca mais: 50 anos do Golpe de 64: justiça de transição. Belo Horizonte: Assembleia Legislativa de Minas, 2014. Disponível em: https://bit.ly/2VTfOqy. Acesso em: 8 jan. 2018.

HARTOG, F. Como escrever a história da França Hoje? História Social, Campinas, n. 3, p. 127-154, 1996.

HARTOG, F. Régimes d’historicité: Présentisme et expériences du temps. Paris: Le Seuil, 2003.

HARTOG, François. Temporality and patrimony. Varia história, Belo Horizonte, v. 22, n. 36, p. 261-273, 2006. https://doi.org/10.1590/S0104-87752006000200002

IGLESIAS-UTSET, M. Los Despaigneen Saint-Domingue y Cuba: narrativa micro histórica de una experienciaatlántica. Revista de Indias, Madrid, v. 71, n. 251, p. 77-108, 2011. https://doi.org/10.3989/revindias.2011.004

IZQUIERDO, Iván; BEVILAQUA, Lia RM; CAMMAROTA, Martín. A arte de esquecer. Estudos avançados, São Paulo, v. 20, n. 58, p. 289-296, 2006. https://doi.org/10.1590/S0103-40142006000300024

JELIN, Elizabeth. La lucha por elpasado. Buenos Aires: Siglo XXI Editores, 2017.

JELIN,Elizabeth. Los trabajos de la memoria. España: Siglo Veintiuno editores, 2001.

JEUDY, Henri-Pierre. Espelho das Cidades. São Paulo: Casa da Palavra, 2005.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

LATOUR, Bruno. Aramis, or The love of technology. Cambridge: Mass., and London: Harvard University Press, 1996.

LATOUR, Bruno. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: UNESP, 2000.

LATOUR, Bruno. A esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Bauru: EDUSC, 2001.

LATOUR, Bruno; WOOLGAR, Steve. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Rio de Janeiro: RelumeDumará, 1997.

LAVOREL, Marie. Patrimonialiser les mémoires sensibles. Héritage culturel et muséologie. Université d’Avignon. Tese (Doutorado em Museologia, Mediação e Patrimônio) – Escola de Ciências Sociais, Universidade de Quebec, Canadá, 2014. p. 10.

MACDONALD, Sharon. Memorylands: Heritage and identity in Europe today. Routledge, 2013.

MACHADO, Monica. A teoria da antropologia digital para as humanidades digitais. Revista Z Cultural (UFRJ), Rio de Janeiro, v. 02, p. 1-7, 2018.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifest der kommunistischespartei. Amsterdan: Metalibri, 1848 [2008]. Disponível em: https://bit.ly/2QQWZ3E. Acesso em: 15 jan. 2018.

MECHI, P. S. JUSTAMAND, M. Arqueologia em Contexto de Repressão e Resistência: a Guerrilha do Araguaia. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, v. 8, n. 2[10], 108-120, Jan. de 2014. Disponível em: https://bit.ly/2Fu5al0. Acesso em: 8 jan. 2018. https://doi.org/10.20396/rap.v8i2.8635642

MORAES, T. V. A preservação arqueológica e a redemocratização: um breve estudo de caso luso-brasileiro. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, v. 8, n. 2[10], p. 122-143, 2014. Disponível em: https://bit.ly/2Fu5al0. Acesso em: 8 jan. 2018. https://doi.org/10.20396/rap.v8i2.8635643

NORA, P. Les Lieux de mémoire. Paris, Gallimard, 1984.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Revista Estudos Históricos, v. 2, n. 3, 3-15, jun. 1989. Disponível em: https://bit.ly/1OAe3U5. Acesso em: 14 jan. 2019.

POLONI, R. J. S. Caminhos e descaminhos no Atlântico Científico: Arqueologia e Estado novo em contexto lusobrasileiro. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, v. 8, n. 2[10], p. 145-159, 2014. Disponível em: https://bit.ly/2Fu5al0. Acesso em: 8 jan. 2018. https://doi.org/10.20396/rap.v8i2.8635653

POLONI, R. J. S. A autoridade através dos vestígios: a arqueologia na Missão Antropológica de Timor, 1953. Anuário Antropológico, Brasília, p. 109-132, 2017. Disponível em: https://bit.ly/2RwlHLQ. Acesso em: 14 jan. 2019. https://doi.org/10.4000/aa.1944

POULOT, D. Naissance du monument historique. Revued’histoire moderne et contemporaine, [s. l.], T. 32e, n. 3, p. 418-450, jul. 1985. https://doi.org/10.3406/rhmc.1985.1326

POULOT, Dominique. “le patrimoine des musées: pour l’histoire d’une rhétorique révolutionnaire”. Genèses, [s. l.], n. 11, p. 25-49, 1993. https://doi.org/10.3406/genes.1993.1170

ROLLEMBERG, D. Resistência: memória da ocupação nazista na França e na Itália. São Paulo: Alameda, 2016.

SALADO, M. y FONDEBRIDER, L. “El desarrollo de la antropología forense en Argentina”. Cuadernos de Medicina Forense, [s. l.], v. 14, n. 53-54, p. 213-221, 2008. https://doi.org/10.4321/S1135-76062008000300004

SCHINDEL, Estela. Inscribir el pasado en el presente: memoria y espacio urbano. Política y cultura, Xochimilco, n. 31, p. 65-87, 2009.

SHANKS, M.; TILLEY, C. Re-constructing archaeology. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

SHIPMAN, P. Scavenging or Hunting in Early Hominids: Theoretical Framework and Tests. American Anthropologist, n. 88, p. 26-43, 1986. https://doi.org/10.1525/aa.1986.88.1.02a00020

SILBERMAN, N. Discovering Authenticity, Getting to the heart of places that matter. Disponível em: https://bit.ly/2W386dA. Acesso em: 10 mar. 2016.

SMITH, Laurajane. Uses of heritage. London e New York: Routledge, 2006. https://doi.org/10.4324/9780203602263

SOARES, V. P. S. Novas perspectivas para a arqueologia da repressão e da resistência no Brasil depois da Comissão Nacional da Verdade. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, v. 8, n. 2[10], p. 177-194, jan. 2014. Disponível em: https://bit.ly/2Fu5al0. Acesso em: 8 jan. 2018. https://doi.org/10.20396/rap.v8i2.8635655

SOUZA, P. P. Memória, objetos e edifícios: uma análise arqueológica sobre o edifício que sediou o Deops/SP. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, v. 8, n. 2[10], p. 195-212, jan. 2014. Disponível em: https://bit.ly/2Fu5al0. Acesso em: 8 jan. 2018. https://doi.org/10.20396/rap.v8i2.8635656

SOUZA, R. de A e. Arqueologia e a Guerrilha do Araguaia ou a Materialidade contra a não-narrativa. Revista de Arqueologia Pública, Campinas, v. 8, n. 2[10], p. 213-230, 2014. Disponível em: https://bit.ly/2Fu5al0. Acesso em: 8 jan. 2018. https://doi.org/10.20396/rap.v8i2.8635658

SPENCER, A. S.; KIRCHHOFF, Bruce A.; WHITE, Craig. Entrepreneurship, Innovation, and Wealth Distribution: The Essence of Creative Destruction. International Small Business Journal, [s. l.], v. 26, n. 1, p. 9-26, 2008. https://doi.org/10.1177/0266242607084657

TAUBER, C. Entre “vandalisme” et normalisation, L’abbé Grégoire et la politique culturel. Le Jacobine, Francia, n. 37, p. 465-481, 2010.

Publicado
2019-12-06
Como Citar
Poloni, R. J. S., Funari, P. P. A., & Marchi, D. de M. (2019). Patrimônio, mudanças e memórias traumáticas: a Arqueologia da Repressão e da Resistência. Estudos Ibero-Americanos, 45(3), 51-62. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2019.3.33044
Seção
Dossiê: Justiça de Transição, experiências autoritárias e democracia