A educação estética da Nação e a “Campanha do Bom Gosto” de António Ferro (1940-1949)

  • Carla Ribeiro Escola Superior de Educação do Politécnico do Porto
Palavras-chave: António Ferro, “Campanha do Bom Gosto”, Estado Novo, Secretariado de Propaganda Nacional, Estética

Resumo

A “Campanha do Bom Gosto” foi colocada em marcha por António Ferro, director do Secretariado de Propaganda Nacional, em 1940, no seguimento das Comemorações Centenárias então realizadas, constituindo uma iniciativa cultural cujo propósito assumido era o de criar uma consciência estética entre os portugueses. Abarcando intervenções e iniciativas muito diversas, procurou instituir um modelo estético que criasse uma fachada para a Nação, apresentando-a como um país civilizado, por oposição a um país de revoluções, simultaneamente moderno e tradicional. Este artigo procura analisar essa campanha, fruto de um contexto político autoritário e ditatorial, o Estado Novo, saber quais as suas origens, formatos e intenções e descobrir que marcas deixou no Portugal democrático do século XXI e na sua identidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Ribeiro, Escola Superior de Educação do Politécnico do Porto
Doutora em História Contemporânea, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, com a tese “Imagens e representações de Portugal. António Ferro e a elaboração identitária da Nação”. Docente na área de Estudos Culturais e Sociais na Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto. Investigadora do CEPESE (Centro de Estudos da População, Economia e Sociedade, UP) e do InED (Centro de Investigação e Inovação em Educação, ESEP), na área da História cultural do século XX, com enfoque no período do Estado Novo. Tem-se dedicado ao estudo das políticas e organismos culturais do Estado Novo, com enfoque no SPN/SNI; aos estudos folcloristas portugueses nos séculos XIX e XX, em ligação com questões da identidade nacional; ao cinema português no Estado Novo, e, ultimamente, às questões do turismo no século XX.

Referências

ACCIAIUOLI, Margarida. O duplo jogo da arte e do poder. In: Acciaiuoli, Margarida; Leal, Joana Cunha; Maia, Maria Helena (Coord.). Arte e Poder. Lisboa: Instituto de História de Arte/Estudos de Arte Contemporânea, 2008. p. 13-24.

______. António Ferro. A Vertigem da Palavra. Retórica, política e propaganda no Estado Novo. Lisboa: Editorial Bizâncio, 2013.

AGUIAR, Filipa. Turismo e Propaganda Política: o Estado Novo e as ditaduras contemporâneas (1930-1950). 2008. Dissertação (Mestrado em História Contemporânea) – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2008.

ALMEIDA, Paulo. Favor, Recompensa e Controlo Social: Os Bairros de Casas Económicas do Porto (1935-1965). 2010. Dissertação (Mestrado em História Contemporânea) – Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto, 2010.

ALVES, Vera Marques. Camponeses estetas no Estado Novo: Arte Popular e Nação na Política Folclorista do Secretariado da Propaganda Nacional. 2007. Tese (Doutoramento em Antropologia) – Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa do Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa, 2007.

BARRETO, José. António Ferro: Modernism and Politics. In: Dix, Steffen; Pizarro, Jerónimo (Ed.). Portuguese Modernisms: Multiple Perspectives on Literature and the Visual Arts. London: Legenda, 2011. p. 135-154.

BÁRTOLO, Carlos. The doctrines of Good Taste. In: Lena Farias , Priscila; Calvera , Anna; Braga , Marcos da Costa; Schincariol , Zuleica (Ed.). Design Frontiers: Territories, Concepts, Technologies. ICDHS 2012 – 8th Conference of the International Committee for Design History & Design Studies. São Paulo: Blucher, 2012. p. 268-272.

BILLIG, Michael. Banal Nationalism. London: Sage Publications, 1995.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 4. ed. Lisboa: Difel, 1989.

CADAVEZ, Cândida. Nationalist Cultural Identity and Tourism during the Portuguese Estado Novo. In: Kozak, Metin; Kozak , Nazmi (Org.). Sustainability of Tourism: Cultural and Environmental Perspectives. Newcastle upon Tyne: Cambridge Scholars Publishing, 2011. p. 135-154.

CANELAS, Lucinda. O Portugal do tempo em que António Ferro, moderno e salazarista, viveu. In: Público, 9 dez. 2012. Disponível em: https://www.publico.pt/culturaipsilon/jornal/oportugal- do-tempo-em- que-antonio-ferro-moderno-e-salazaristaviveu- 25724227. Acesso em: 21 jul. 2016.

CITI, Centro de Investigação para Tecnologias Interactivas. António de Oliveira Salazar. Disponível em: http://www.citi.pt/cultura/politica/25_de_abril/salazar.html. Acesso em: 17 jul. 2016.

FERRO, António. As Grandes Trágicas do Silêncio. Conferência de Arte realizada no Salão Olímpia. Lisboa: Monteiro e Cia., 1917.

______. Viagem à volta das ditaduras. Lisboa: Empresa do Diário de Notícias, 1927.

______. Salazar, o Homem e a sua Obra. Lisboa: Empresa Nacional de Publicidade, 1933.

______. A Política do Espírito e os Prémios Literários do S.P.N. Lisboa: SPN, 1935.

______. Dez Anos de Política do Espírito: 1933-1943. Lisboa: SPN, 1943.

______. Artes Decorativas. Lisboa: SNI, 1949a.

______. Arte Moderna. Lisboa: SNI, 1949b.

______. Turismo. Fonte de Riqueza e de Poesia. Lisboa: SNI, 1949c.

______. Prémios Literários: 1934-1947. Lisboa: SNI, 1950.

______. D. Manuel II, o Desventurado. Lisboa: Bertrand, 1954. FRANÇA, José-Augusto. Os Anos 40 na Arte Portuguesa. In: AAVV. Os anos 40 na Arte Portuguesa. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1982. Vol. 1. p. 23-42.

______. Modernismo/Futurismo. In: Rosas, Fernando; Brito , José Maria Brandão de (Dir.). Dicionário de História do Estado Novo. Lisboa: Círculo de Leitores, 1996. Vol. II. p. 611-613.

______. António Ferro, de Lisboa Anos 20 a Portugal Anos 40. Boca do Inferno: revista de cultura e pensamento, Cascais, n. 2, p. 13-35, 1997.

GRAÇA, Fernando Lopes. Bailados Verde Gaio. Seara Nova, Lisboa, n. 855, p. 325, jan. 1944.

HENRIQUES, Raquel Pereira. António Ferro. Estudo e Antologia. Lisboa: Publicações Alfa, 1990.

HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

LEAL, Ernesto Castro. António Ferro. Espaço Político e Imaginário Social (1918-32). Lisboa: Edições Cosmo, 1994.

______. O imaginário de Lisboa no jovem António Ferro. Notas de investigação antológica (1918-1923). CLIO – Revista do Centro de História da Universidade de Lisboa, Lisboa, Nova Série, n. 8, p. 103-116, 2003.

MELO, Daniel. Salazarismo e Cultura Popular (1933-1958). Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2001.

______. A Cultura Popular no Estado Novo. Coimbra: Angelus Novus, 2010.

Museu Música Portuguesa. Fernando Lopes Graça. Biografia.Disponível em: http://mmp.cm-cascais.pt/museumusica/flg/flg/. Acesso em: 17 jul. 2016.

NEWMUSEUM Marcas de Ferro. Disponível em: http://www.newsmuseum.pt/pt/propaganda/marcas-de-ferro. Acesso em: 21 jul. 2016.

REBELO, José. Formas de legitimação do poder no Salazarismo. Lisboa: Livros e Leitura, 1998.

ROSMANINHO, Nuno. António Ferro e a propaganda nacional antimoderna. In: Torgal , Luís Reis; Paulo , Heloisa (Coord.). Estados autoritários e totalitários e suas representações. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2008. p. 289-299.

SANTOS, Graça. “Política do Espirito” – O Bom Gosto Obrigatorio para Embelezar a Realidade. Paris: Université de Paris X – Nanterre, 2008.

TRINDADE, Luís. O Jornalismo como Modernismo. Quotidiano, escrita e massificação. In: Pita , António Pedro; Trindade, Luís (Coord.). Transformações estruturais do campo cultural português, 1900-1950. Coimbra: Ariadne Editora/CEIS20, 2005. p. 217-232.

ZÚQUETE, José Pedro. In search of a new society: an intellectual between modernism and Salazar. Portuguese Journal of Social Sciences, Lisboa, v. 4, n. 1, p. 39-59, 2005. https://doi.org/10.1386/pjss.4.1.39/1

Fontes Hemerográficas, Arquivísticas e Legislativas

As aldeias portuguesas e os pavilhões da vida popular foram inauguradas ontem com o maior êxito. Diário de Notícias, Lisboa,3 jul.1940, p. 1-2.

A festa do Maio Florido. O Comércio do Porto, Porto, 9 abr. 1947, p. 2.

A homenagem do Porto a António Ferro. Diário de Notícias, Lisboa, 7 dez. 1949, p. 5.

A inauguração da delegação do S.N.I. na capital do Norte. Diário de Notícias, Lisboa, 5 jul. 1945, p. 1-4.

ANTT. Secretariado Nacional de Informação, Relatório da actividade dos Serviços de Turismo e Técnica, 4ª repartição, da delegação no Porto do SNI, cx. 2457, jan. 1947.

Concurso dos Jardins dos Bairros Económicos. Diário de Notícias, Lisboa, 12 maio 1947, p. 5.

Concurso das Tintas e Flores. O Comércio do Porto, Porto, 17 jul. 1945, p. 6.

Decreto-lei nº 23 054, 25 set. 1933. Diário do Governo, I Série, n. 218.

Decreto nº 30 251, 30 dez. 1939. Diário do Governo, I Série, Suplemento, n. 304.

FERRO, António. Vida. Diário de Notícias, Lisboa, 7 maio 1932, p. 1.

______. Ditador e a Multidão. Diário de Notícias, Lisboa, 31 out. 1932, p. 1.

______. Política do Espírito. Diário de Notícias, Lisboa, 21 nov.1932, p. 1.

______. Portugal. Diário de Notícias, Lisboa, 29 abr. 1934, p. 1.

______. A Fachada. Diário de Notícias, Lisboa, 18 out. 1938, p. 1.

______. Política do Espírito. Diário de Notícias, Lisboa, 17 fev. 1938, p. 1.

Janelas floridas. Diário de Notícias, Lisboa, 24 jun. 1944, p. 1.

Janelas Floridas. O Comércio do Porto, Porto, 23 abr. 1946, p. 5.

Maio Florido. O Comércio do Porto, Porto, 4 abr. 1946, p. 1 e 7.

O que será o Secretariado da Propaganda Nacional. Diário de Notícias, Lisboa, 12 out. 1933, p. 1-2.

O Porto é alta cidade da pátria. O Comércio do Porto, Porto, 2 mar. 1945, p. 1 e 5.

Política do Espírito. Diário de Notícias, Lisboa, 5 ago. 1933, p. 1.

Propaganda Nacional. Diário de Notícias, Lisboa, 25 set. 1933, p. 1.

Ronda das ‘Pequenas Cidades’ do Porto. Diário do Norte, Porto, 10 dez. 1949, p. 1 e 5.

SEGURADO, Jorge. Através da confusão estética. Panorama, Revista Portuguesa de Arte e Turismo, Lisboa, I série, n. 14, s/p., abr. 1943.

Turismo como factor político. Diário de Notícias, Lisboa, 22 nov. 1939, 1.

Uma curiosa exposição de montras promovidas pelo S.P.N. Diário de Notícias, Lisboa, 13 jun. 1940, 1-2.

Publicado
2017-06-05
Como Citar
Ribeiro, C. (2017). A educação estética da Nação e a “Campanha do Bom Gosto” de António Ferro (1940-1949). Estudos Ibero-Americanos, 43(2), 289-302. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2017.2.24663
Seção
Dossiê: História, cotidiano e memória social: a vida comum sob as ditaduras no século XX