Os sentidos da expressão “Quem lacra não lucra” em um filme publicitário do Burger King

Palavras-chave: Círculo de Bakhtin, Outvertising, Lacrar, Comunidade LGBTQIA

Resumo

O crescente engajamento de empresas em relação à causa LGBTQIA+ defronta-se com uma força conservadora, da qual nasce a expressão “Quem lacra não lucra”. Para compreendermos mais sobre esse embate discursivo, objetivamos analisar como essa expressão é (re)construída, em termos de sentido, em um anúncio publicitário veiculado, em 26/06/2020, pela filial brasileira da franquia Burguer King. Como sustentação teórica, apoiamo-nos em escritos do Círculo de Bakhtin e no conceito publicitário de outvertising (MOZDZENSKI, 2019). Os resultados da análise mostram que a expressão é trazida, a priori, pela voz e valoração dos conservadores, mas, em confronto com algumas estratégias textuais e discursivas, vai sendo enfraquecida até que, por fim, é ressignificada como um discurso de apoio à comunidade LGBTQIA+.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Vitória Alves, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá, PR, Brasil.

Doutorando em Estudos Linguísticos na Universidade Estadual de Maringá (UEM), em Maringá, PR, Brasil; analista educacional na Pixeon, em Florianópolis, SC, Brasil.

Edson Carlos Romualdo, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá, PR, Brasil.

Doutor em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), em Assis, SP, Brasil; professor do Departamento de Teorias Linguísticas e Literárias (DTL) e do Programa de Pós-graduação em Letras (PLE) da Universidade Estadual de Maringá (UEM), em Maringá, PR, Brasil.

Referências

ALVES, M. F. Olhares cruzados: o Pink Money e o movimento LGBT. 2019. 70 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Comunicação Social) – Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, 2019.

BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BAKHTIN, M. M. Problemas da Poética de Dostoiévski. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

BAKHTIN, M. M. Questões de literatura e estética: a teoria do romance. São Paulo: Hucitec, 2010.

BARROSO, R. R. Pajubá: o código linguístico da comunidade LGBT. 2017. 152 f. Dissertação (Mestrado em Letras e Artes) – Universidade do Estado do Amazonas, Manaus, 2017.

BENISTE, J. Dicionário Yorubá-Português. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

BENITES, S. A. L. Contando e fazendo a história: a citação no discurso jornalístico. São Paulo: Arte & Ciência: Núcleo Editorial Proleitura, 2002.

BORTONI-RICARDO, S. M. Postulados do paradigma interpretativista. In: BORTONI-RICARDO, S. M. (org.). O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial, 2008. p. 31-40.

DIAS, M. M. Pink money e comunicação: análise das narrativas publicitárias e das interações em pontos de vendas no consumo LGBTI na cidade de Belém. 2019. 88 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2019.

FARACO, C. A. A ideologia no/do Círculo de Bakhtin. In: PAULA, L. de; STAFUZZA, G. B. (org.). Círculo de Bakhtin: pensamento interacional. Campinas, São Paulo: Mercado de Letras, 2013. p. 167-182.

FARACO, C. A. Linguagem & diálogo: as ideias do Círculo de Bakhtin. Curitiba: Criar Edições, 2003.

GRUNKRAUT, A. Grandes marcas respondem: quem lacra, lucra? [Entrevista cedida a] Leonardo Araújo. PROPMARK, 29 mar.2019. Disponível em: https://propmark.com.br/mercado/grandes marcas-respondem-quem-lacra-lucra/. Acesso em: 8 set. 2021.

KATCHBORIAN, P. “Lacrou”: qual é a origem desse termo? Youpix, 2014. Disponível em: https://bit.ly/3yV5hxl. Acesso em: 8 set. 2021.

MOZDZENSKI, L. P. Outvertising – a publicidade fora do armário: Retóricas do consumo LGBT e Retóricas da publicidade lacração na contemporaneidade. 2019. 311 f. Tese (Doutorado em Comunicação) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2019.

PERES, N. da C. Uso e apropriação do bajubá na construção de uma identidade LGBT. 2017. 55 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Letras) – Universidade Federal do Pampa, Jaguarão, 2017.

PORTO, F. M. S; ANDRADE, S. K. A gíria de grupo na comunidade LGBTT de Palmas. In: SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, 9., 2013, Palmas. Anais eletrônicos [...]. Palmas: UFT, 2013. Disponível em: http://eventos.uft.edu.br/index.php/sic/IX/paper/viewFile/753/278. Acesso em: 8 set. 2021.

RODRIGUES, L. Bolsonaro sobre veto à propaganda do Banco do Brasil: “A linha mudou”. Metrópoles, 2019. Disponível em: https://www.metropoles.com/brasil/bolsonaro-sobre-veto-a-propaganda-do-banco-do-brasil-a-linha-mudou. Acesso em: 8 set. 2021.

O NOVO ÁLBUM da Britney chicoteia as inimigas. [S. l.: s. n.], 2013. 1 vídeo (7 min 12 seg). Publicado pelo canal Romagaga. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=NDABMdXQySw. Acesso em: 8 set. 2021.

ROSALVO, C. L. A questão da ideologia no Círculo de Bakhtin: e os embates no discurso de divulgação científica da revista Ciência Hoje. São Paulo: Ateliê Editorial, 2017.

SILVA FILHO, M. R. De Bajubá em Bajubá, onde será que vai dar? apropriações, classificações e relações de poder em Belém-PA. In: ENCONTRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE SOCIOLOGIA DA REGIÃO NORTE, 2., Belém, 2010. Anais [...]. Belém: UFPA, 2010.

VIEIRA, T. D. Filme publicitário e(m) dialogização: processos de refração no projeto de dizer de um gênero híbrido. 2019. 233 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2019.

VIP, A; LIBI, F. Aurélia, a Dicionária da Língua Afiada. São Paulo: Editora da Bispa, 2006.

VOLÓCHINOV, V. N. Marxismo e Filosofia da linguagem: Problemas Fundamentais do Método Sociológico na Ciência da Linguagem. São Paulo: Editora 34, 2017.

Publicado
2021-12-31
Como Citar
Alves, R. V. ., & Romualdo, E. C. (2021). Os sentidos da expressão “Quem lacra não lucra” em um filme publicitário do Burger King. Letras De Hoje, 56(3), 639-653. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2021.3.40338
Seção
Dossiê: Estudos Bakhtinianos Contemporâneos