Identidades em trânsito: uma análise da representação feminina nos contos “Os sapatinhos vermelhos” nas versões de Andersen e Caio Fernando Abreu

Palavras-chave: Conto clássico. Pós-modernidade. Paródia. Representação feminina.

Resumo

Este trabalho pretende apresentar uma análise comparativa sobre a representação feminina nos contos “Os sapatinhos vermelhos” de Hans Cristian Andersen e no conto homônimo de Caio Fernando Abreu. Verificaremos como os contos, publicados em diferentes épocas, representam e problematizam a condição da mulher frente a conflitos e interdições impostas socialmente. Buscaremos analisar como a narrativa de Caio Fernando Abreu revigora e atualiza o fantástico na pós-modernidade, especialmente ao representar o esfacelamento do sujeito, identidades marcadas pelo duplo, o esmaecimento dos afetos entre outras questões do cenário contemporâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Livia Maria Rosa Soares, Universidade do Estado de Rio Grande do Norte, Pau dos Ferros, RN / Instituto Federal do Maranhão, São Luís, MA

Mestra e doutoranda, Universidade do Estado de Rio Grande do Norte, Pau dos Ferros, RN, Brasil. Instituto Federal do Maranhão, São Luís, MA, Brasil.

Vilmaria Chaves Nogueira, Universidade do Estado de Rio Grande do Norte Pau dos Ferros, RN

Mestra e doutoranda, Universidade do Estado de Rio Grande do Norte Pau dos Ferros, RN, Brasil.

Referências

ABREU, Caio Fernando. Contos completos. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2018.

ANDERSEN, Hans Christian. Os sapatinhos vermelhos. Disponível em: http://www.4shared.com/file/60606773/b7a0e6cb/sapatinhos_vermelhos.html?s=1. Acesso em: 06 out. 2018. https://doi.org/10.5216/sig.v16i1.3751

BAUMAN, Z. Identidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

BOURDIEU, Pierre. O Poder simbólico. Trad. Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

CAMARANI, Ana Luisa S. A literatura fantástica: caminhos teóricos. Araraquara: Cultura Acadêmica, 2014. https://doi.org/10.12957/abusoes.2015.20993

CALVINO, Ítalo. Contos fantásticos do século XIX: O fantástico visionário e o fantástico cotidiano. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. 29. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2016.

CHIAMPI, I. O realismo maravilhoso: forma e ideologia no romance hispano-americano. São Paulo: Perspectiva, 1980. https://doi.org/10.5195/reviberoamer.1982.3719

COELHO, Nelly Novaes. Panorama histórico da literatura infantil juvenil: das origens indo-europeias ao Brasil contemporâneo. 4. ed. rev. São Paulo: Ática, 2003.

COMPAGNON, A. Os cinco paradoxos da modernidade. Belo Horizonte: UFMG 2003.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. Lisboa: Presença, 1989.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1993.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da paródia: ensinamentos das formas de arte do século XX. Trad. de Tereza Louro Pérez. Lisboa: Edições 70, 1985.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 10. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

JAMERSON, F. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. 2. ed. São Paulo: Ática, 2006.

LEAL; B. S. Caio Fernando Abreu: A Metrópole e a Paixão do Estrangeiro. São Paulo: Annablume, 2002.

MARÇAL, Márcia R. A tensão entre o fantástico e o maravilhoso. Fronteira Z: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária, São Paulo, n. 3, PUC-SP, 2009. https://doi.org/10.23925/1983-4373.2018i20p205-221

ROAS, David. A ameaça do fantástico: aproximações teóricas. Trad. Julián Fuks. São Paulo: Unesp, 2014.

SILVA, Antonia Marly M; Leite, Francisco G. Sob o domínio do duplo: um estudo comparativo de dois contos de Ignácio de Loyola Brandão. Estudos de literatura brasileira contemporânea, n. 54, p. 297-318, maio/ago. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/elbc/n54/2316-

-elbc-54-297.pdf. Acesso em: 5 jan. 2019. https://doi.org/10.1590/10.1590/2316-40185416

SOARES. Lívia Maria Rosa. Representações Femininas nos contos de fadas de Marina Colasanti. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Estadual do Piauí, Teresina, 2014.

VAGULA, Vânia K. B; SOUZA, Renata J. A morte na literatura infantil de Hans Christian Andersen. Revista Caderno Seminal Digital, ano 21, v. 1, n. 23, jan.-jun. 2015. https://doi.org/10.12957/cadsem.2015.14510

Publicado
2019-12-31
Como Citar
Soares, L. M. R., & Nogueira, V. C. (2019). Identidades em trânsito: uma análise da representação feminina nos contos “Os sapatinhos vermelhos” nas versões de Andersen e Caio Fernando Abreu. Letras De Hoje, 54(4), 466-474. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2019.4.33117
Seção
Formas e efeitos do descentramento na ficção contemporânea