Risco nutricional em pacientes com câncer do trato gastrointestinal: métodos diagnósticos

  • Ingrid Schweigert Perry Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS
  • Luana Stangherlin Universidade do Extremo Sul Catarinense
  • Taíse Pedroso de Barros Universidade do Extremo Sul Catarinense
  • Angela Martinha Bongiolo Universidade do Extremo Sul Catarinense
  • Marco Antonio da Silva Universidade do Extremo Sul Catarinense
  • Kamila Castro Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Luciane Bisognin Ceretta Universidade do Extremo Sul Catarinense
  • Ingrid Schweigert Perry Universidade do Extremo Sul Catarinense
Palavras-chave: neoplasia, desnutrição, avaliação nutricional, trato gastrointestinal.

Resumo

Introdução: O câncer é um problema de saúde pública impactante, especialmente em países em desenvolvimento.
Objetivo: Avaliar o risco de desnutrição em pacientes com câncer do Trato Gastrointestinal e a efetividade de métodos de diagnóstico comparativamente à Avaliação Subjetiva Global Produzida pelo Paciente.
Materiais e Métodos: Estudo transversal, com 148 pacientes internados no hospital São José, Criciúma, Santa Catarina e avaliados pela Avaliação Subjetiva Global, Questionário Nutricional Simplificado de Apetite, Índice de Massa Corporal, prega cutânea tricipital, circunferência do braço e área muscular do braço.
Resultados: Pela avaliação subjetiva, 47,3% apresentaram risco de desnutrição e 20,9% desnutrição grave. O índice de massa corporal foi significativamente maior nos pacientes classificados como bem nutridos de ambos os sexos; a área muscular do braço foi menor nos pacientes classificados como desnutridos; a circunferência do braço mostrou capacidade discriminatória para os pacientes bem nutridos; não houve diferença nas médias da prega cutânea triciptal entre as classificações da avaliação subjetiva global; o questionário do apetite apresentou escores menores em pacientes do sexo masculino desnutridos, relativamente aos pacientes em risco de desnutrição e bem nutridos.
Conclusão: À exceção da prega cutânea triciptal, conclui-se que há capacidade discriminatória relativa às classificações bem nutrido e desnutrido e, entre bem nutrido e em risco nutricional em todos os outros métodos (circunferência e área muscular do braço, índice de massa corporal e questionário do apetite). Entre as três classificações (bem nutrido, em risco nutricional e desnutrido) há capacidade discriminatória pelo índice de massa corporal, circunferência do braço e questionário do apetite.

Biografia do Autor

Ingrid Schweigert Perry, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, RS

Possui graduação em Nutrição pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1980), especialização em Nutrição Clínica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, aperfeiçoamento pela Justus Liebig Universität Giessen, RFA, especialização em Gerontologia Social pela Pontifícia Universidade Católica/RS, mestrado em Ciências Biológicas (Bioquimica) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e doutorado em Ciências Biológicas (Bioquimica) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Foi professor da Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS de 1983 a 2007 e professor Adjunto da Universidade Federal do Rio Grande do Sul até 2012. Coordenou o Centro de Estudos em Alimentação e Nutrição HCPA/UFRGS de 2009 a 2013. É professor do Mestrado em Saúde Coletiva da Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC. Tem experiência na área de Nutrição, com ênfase em Nutrição Clínica, atuando principalmente nos seguintes temas: metabolismo, desnutrição, nutrição e doenças neurologicas/neusopsiquiátricas, nutrição no paciente crítico.

Referências

Instituto nacional de câncer – INCA. Coordenação de prevenção e vigilância estimativa 2016: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2015.

De Melo MM, Nunes LC, Leite ICG. Relação entre fatores alimentares e antropométricos e neoplasias do trato gastrointestinal: investigações conduzidas no Brasil. Rev Bras Cancerol. 2012;58(1):85-95.

Jemal A, Bray F, Center MM, Ferlay J, Ward E, Forman D. Global cancer statistics. CA Cancer J Clin. 2011;61(2):69-90.

https://doi.org/10.3322/caac.20107

von Haehling S, Anker SD. Cachexia as a major underestimated and unmet medical need: facts and numbers. J Cachexia Sarcopenia Muscle. 2010;1:159–67.

https://doi.org/10.1007/s13539-010-0002-6

Fruchtenicht AVG, Poziomyck AK, Kabke GB, Loss SH, Antoniazzi JL, Steemburgo T, Moreira LF. Nutritional risk assessment in critically ill cancer patients: systematic review. Rev Bras Ter Intensiva. 2015;27(3):274-83.

https://doi.org/10.5935/0103-507X.20150032

Do Prado CD, Campos JADB. Malnutrition in patients with gastrointestinal cancer: effectiveness of different diagnostic methods. Nutr Hosp. 2015;32(1):182-8.

Oliveira FP, Santos A, Viana MS, Alves JL, Pinho NB; Reis PF. Nutritional status of patients with cancer of the oral cavity in antineoplastic pretreatment. Rev Bras Cancerol. 2015;61(3):253-9.

Instituto nacional de câncer - INCA. Consenso nacional de nutrição oncológica. Rio de Janeiro: INCA; 2009.

Yates JW, Chalmer B, Mckegney FP. Evaluation of patients with advanced cancer using the Karnofsky performance status. Cancer. 1980;15(8):2220-4.

https://doi.org/10.1002/1097-0142(19800415)45:8<2220::AID-CNCR2820450835>3.0.CO;2-Q

Gonzalez MC, Borges LR, Silveira DH, Assunção MCF, Orlandi SP. Validação da versão em português da avaliação subjetiva global produzida pelo paciente. Rev Bras Nutr Clin. 2010;5(2):102-8.

World Health Organization - WHO. Physical status: The use and interpretation of anthropometry. Geneva: WHO; 1995.

Lipschitz DA. Screening for nutritional status in the elderly. Primary Care. 1994;21(1):55-67.

Durnin JV, Womersley J. Body fat assessed from body density and its estimation from skinfold thickness: measurements on 481 men and women aged from 16 to 72 years. Br J Nutr. 1974;32:77-97.

https://doi.org/10.1079/BJN19740060

Frisancho AR. Anthropometric standards for the assessment of growth and nutritional status. Ann Arbor, MI: University of Michigan Press; 1990.

https://doi.org/10.3998/mpub.12198

Sties SW, Gonzales AI, Viana MS, Brandt R, Bertin RL, Goldfeder R, Ulbrich AZ, Andrade A, Carvalho T. Questionário nutricional simplificado de apetite (QNSA) para uso em programas de reabilitação cardiopulmonar e metabólica. Rev Bras Med Esporte. 2012;18(5):313-7.

https://doi.org/10.1590/S1517-86922012000500006

Brito LF, Silva LS, Fernandes DD, Pires RA, Nogueira ADR, Souza CL, Cardoso LGV. Perfil Nutricional de Pacientes com Câncer Assistidos pela Casa de Acolhimento ao Paciente Oncológico do Sudoeste da Bahia. Rev Bras Cancerol. 2012;58(2):163-71.

Moreno M, Conte B, Menegat E. Diferenças clínico-epidemiológicas entre pacientes masculinos e femininos com diagnóstico de melanoma cutâneo no oeste de Santa Catarina. Rev Bras Cancerol. 2015;61(1):15-21.

Do Vale IAV, Bergmann RB, Duval PA, Pastore CA, Borges LR, Abib RT. Avaliação e indicação nutricional em pacientes oncológicos no início do tratamento quimioterápico. Rev Bras Cancerol. 2015;61(4):367-72.

Fonseca DA, Garcia RRM, Stracieri APM. Perfil nutricional de pacientes portadores de neoplasias segundo diferentes indicadores nutrir gerais. Rev Dig Nutr. 2009;3(5):444-61.

Maurício SF. Relação entre avaliação nutricional e escore prognóstico de Glasgow em pacientes com câncer de cólon e reto [dissertação]. Belo Horizonte: UFMG; 2012.

Poziomyck AK, Weston AC, Lameu EB, Cassol OS, Coelho LJ, Moreira LF. Preoperative nutritional asses¬sment and prognosis in patients with foregut tumors. Nutr Cancer. 2012;64(8):1174-81.

https://doi.org/10.1080/01635581.2012.721157

Poziomyck AK, Fruchtenicht AVG, Kabke GB, Volkweis BS, Antoniazzi JL, Moreira LF. Confiabilidade da avaliação nutricional em pacientes com tumores gastrointestinais. Rev Col Bras Cir. 2016;43(3):189-97.

https://doi.org/10.1590/0100-69912016003006

Publicado
2018-12-30
Seção
Artigos Originais