Princípios da cognição situada e as diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores

  • Raquel Gomes de Oliveira FCT-Unesp
  • Cristiano Amaral Garboggini Di Giorgi FCT-Unesp
Palavras-chave: cognição situada, formação de professores, prática pedagógica

Resumo

Este artigo busca mostrar que o conceito de cognição situada pode ser fecundo para processos de formação de professores; portanto; para a prática pedagógica dos cursos de licenciatura. Assim, apresentamos os aportes teóricos trazidos por esse conceito, para, então, apontarmos que as diretrizes nacionais para a formação de professores da Educação Básica, estipuladas tanto pelo Parecer CNE/CP 09/2001 quanto pela Resolução CNE/CP 01/2002, podem ser mais ricamente operacionalizadas quando se consideram os mencionados aportes teóricos. Trazemos ainda exemplos de experiências de práticas pedagógicas que sugerem como essa operacionalização pode acontecer na prática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Gomes de Oliveira, FCT-Unesp
Doutora em Educação- Professora do Departamento de Educação da FCT-Unesp de Presidente Prudente-SP.
Cristiano Amaral Garboggini Di Giorgi, FCT-Unesp
Doutor em Educação- Professor do Departamento de Educação da FCT-Unesp de Presidente Prudente-SP.
Publicado
2011-10-04
Como Citar
Oliveira, R. G. de, & Di Giorgi, C. A. G. (2011). Princípios da cognição situada e as diretrizes curriculares nacionais para a formação de professores. Educação, 34(3). Recuperado de https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/8011