A nova gestão pública: alguns impactos nas políticas educacionais e na formação de professores

  • Maria de Fátima Cóssio Universidade Federal de Pelotas
Palavras-chave: Nova Gestão Pública. Governança. Políticas educacionais. Formação de professores

Resumo

Este artigo visa a analisar o contexto em que emergem as políticas educacionais, sobretudo aquelas voltadas à formação de professores. Defende-se a tese de que as reformas educacionais dos últimos anos, asseveradas recentemente, fazem parte das transformações do papel do Estado, em que se situa a Nova Gestão Pública (NGP) e o atual modelo de globalização neoliberal. Com vistas à modernização da gestão pública, superando a administração burocrática, considerada ineficiente, a NGP implica, entre outros fatores, introduzir na máquina pública princípios e práticas do setor privado (gerencialismo). Ao mesmo tempo em que propõe as parcerias com outros setores/entes para a execução de ações antes exclusivas do Estado (governança). O argumento é que o Estado, entendido como monolítico e centralizado, também não atende aos desafios da sociedade. Esse cenário se torna adequado à nova privatização na/da educação (princípios privados no setor público) em todos os níveis e etapas da educação.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria de Fátima Cóssio, Universidade Federal de Pelotas

Departamento de Ensino

Área de Políticas de Educação

Referências

AMARAL, Nelson Cardoso. A hora da verdade para as universidades federais brasileiras: metas do PNE (2014- 2024) e 10 mitos a serem debatidos e desvendados, 2017.

BALL, Stephen. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em educação. Currículo sem Fronteiras, v. 1, n. 2, p. 99-116, jul./dez. 2001.

BALL, Stephen. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 126, p. 539-564, set./dez. 2005.

BALL, Stephen. Educação global S.A.: novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Ponta Grossa: Uepg, 2014.

BANCO MUNDIAL. Estratégia 2020 para a educação do Grupo Banco Mundial. Resumo executivo. Aprendizagem para todos: investir nos conhecimentos e competências das pessoas para promover o desenvolvimento. Washington, DC: Banco Mundial, 2011.

BANCO MUNDIAL. Um ajuste justo: análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil. Banco Mundial, 2017.

CARNEIRO, Ricardo; MENICUCCI, Telma Maria. Gestão pública no século XXI: as reformas pendentes. In: A saúde no Brasil em 2030: prospecção estratégica do sistema de saúde brasileiro: desenvolvimento, Estado e políticas de saúde, v. 1. Rio de Janeiro: Fiocruz/Ipea/Ministério da Saúde, 2013.

CÓSSIO, Maria de Fátima. Base Nacional Comum: uma discussão para além do currículo. In: Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 1570-1590, out./dez. 2014.

CÓSSIO, Maria de Fátima. Agenda transnacional e governança nacional: as possíveis implicações na formação e no trabalho

docente. In: Revista e-Curriculum, São Paulo, 2015.

DASSO JÚNIOR, Aragon. Em busca de um modelo alternativo de administração pública: críticas à hegemonia do gerencialismo. Anais I ENEPCP – Encontro Nacional de Ensino e Pesquisa do

Campo de Públicas. Brasília/DF, 2015. p. 1-15.

FREITAS, Luiz Carlos. Qualidade negociada: avaliação e contra-regulação na escola pública. Educação e Sociedade, v. 26, n. 92, 2005, p. 911-933.

HOOD, Christopher. Racionalismo económico en la gestión pública ¿De la administración pública progresiva a la nueva administración pública? In: Lecturas en Gestión Pública. Madrid: Ministerio de Administraciones Públicas, 1996. p. 447-467.

MAROY, Christian. Em direção a uma regulação pós-burocrática dos sistemas de ensino na Europa? In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; DUARTE, Adriana. Políticas públicas e educação: regulação e conhecimento. Belo Horizonte: Fino Traço, 2011.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. As políticas públicas em educação e a pesquisa acadêmica. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; DUARTE, Adriana (Orgs.). Políticas públicas e educação: regulação e conhecimento. Belo Horizonte: Fino Traço, 2011.

PERONI, Vera. Diálogos sobre as redefinições no papel do Estado e nas fronteiras entre o público e o privado. São Leopoldo: Oikos, 2015.

REIS, Isaura. Governança e regulação da educação: perspectiva e conceitos. In: Educação, Sociedade e Culturas, n. 39, 2013.

ROBERTSON, Susan. As implicações em justiça social da privatização nos modelos de governança da educação: um relato relacional. Educação e Sociedade, v. 34, n. 34, jul.-set. 2013.

SECCHI, Leonardo. Modelos organizacionais e reformas da administração pública. In: Rev. Adm. Púb, Rio de Janeiro, v. 43, n. 2, mar./abr. 2009.

SHIROMA, Eneida Oto. Redes de políticas públicas e governança da educação: pesquisando a convergência das políticas para docentes nas agendas para a próxima década. Relatório de Pesquisa, Florianópolis: UFSC, 2016.

Publicado
2018-05-29
Como Citar
Cóssio, M. de F. (2018). A nova gestão pública: alguns impactos nas políticas educacionais e na formação de professores. Educação, 41(1), 66-73. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2018.1.29528
Seção
Dossiê: A construção de profissionalidade: a pessoa em formação