Reunir, festejar e comunicar: as relações família-escola no Programa de Residência Pedagógica

Palavras-chave: Formação de professores. Estágio supervisionado. Relação família-escola.

Resumo

Na atualidade, as políticas públicas educacionais têm amplamente divulgado a importância da participação das famílias na escola e tal relação tem sido cada vez mais estudada por pesquisadores interessados nos processos de escolarização de crianças. Nessa perspectiva, este trabalho buscou analisar uma experiência do Programa de Residência Pedagógica em Educação Infantil realizado em Universidade Pública Federal, articulando as características específicas dessa organização de estágio curricular obrigatório às percepções dos residentes acerca das relações estabelecidas entre as famílias e as escolas no âmbito da escolarização da primeira infância. Os dados recolhidos foram organizados em categorias de análises que permitiram conhecer e analisar os modos pelos quais as instituições engendram suas relações no cotidiano escolar, especialmente as estabelecidas nas festas escolares, nos momentos de reuniões pedagógicas e na comunicação escrita entre as duas instituições.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Marcílio Cândido, Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), São Paulo, SP
Possui graduação em Pedagogia pela Universidade de São Paulo (2003), Mestrado em Educação (2007) de Doutorado em Educação (2012) pela mesma universidade. Atualmente é docente da Universidade Federal de São Paulo, responsável pela unidade curricular "Introdução ao campo da Educação" e "Residência Pedagógica" para o curso de Pedagogia e é Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da mesma universidade.
Edna Martins, Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), São Paulo, SP
Graduação em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1993), mestrado em Psicologia da Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1998) e doutorado em Educação (Psicologia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2003). É professora da Universidade Federal de São Paulo - Campus Guarulhos - Unifesp, professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da mesma Universidade. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Práticas educativas, família, institucionalização de crianças e relações étnico-raciais.

Referências

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2003.

AZANHA, J. M. P. Alain ou a Pedagogia da dificuldade. In: Reflexões sobre a educação. São Paulo: Saraiva, 1978, p. 01-50.

BARBOSA, M. C. S. Práticas Cotidianas na Educação Infantil – Bases para a reflexão sobre as orientações Curriculares. Brasília: MEC, 2009.

BECKMAUM, J. Festas escolares. Revista de Ensino, v. 7, n. 4, p. 35-36, dez. 1908.

BOURDIEU, P. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: BOURDIEU, P; NOGUEIRA, M. A. Escritos de Educação. 6. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2004. p. 39-64.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL, Lei de Diretrizes e Bases. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998. 3 v. 1

CÂNDIDO, R. M. A máquina de festejar: seus usos e configurações nas escolas primárias brasileiras e portuguesas (1890-1930). 2012. 309 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, FEUSP, São Paulo, 2012.

CARVALHO, M. M. C. A escola e a República. São Paulo: Brasiliense, 1989.

CATANI, D. Educadores à meia-luz. Bragança Paulista: Editora da Universidade São Francisco, 2002.

DAHBERG, G.; MOSS, P.; PENCE, A. Qualidade na educação da primeira infância: perspectivas pós-modernas. Porto Alegre: ARTMED, 2003.

GALLEGO, R. de C. Tempo, temporalidades e ritmos nas escolas públicas primárias em São Paulo (1846-1890): heranças e negociações. 2008. 387f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, FEUSP, São Paulo, 2008.

GARCIA, H. H. G. de O.; MACEDO, L. de. Reuniões de Pais na Educação Infantil: Modos de gestão. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. 142, p. 208-227, jan./abr. 2011.

Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742011000100011. Acesso em: 18 mar. 2019.

LAHIRE, B. Sucesso escolar nos meios populares: as razões do improvável. São Paulo: Ática, 2004.

MANUAL DO PROGRAMA DE RESIDÊNCIA PEDAGÓGICA, Unifesp, 2010.

MARCONDES, K. H. B.; SIGOLO, S. R. R. L. Comunicação e envolvimento: possibilidades de interconexões entre família-escola? Paidéia, Ribeirão Preto, v. 22, n. 51, p. 91-99, abr. 2012.

Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2012000100011. Acesso em: 18 mar. 2019.

MARTINS, E. Família e escola no contexto de um programa de residência pedagógica: um estudo a partir do enfoque histórico-cultural. Educação, Sociedade & Culturas, Porto, n. 37, p. 89-107, 2012. ISSN: 0872-7643.

Disponível em: https://www.fpce.up.pt/ciie/sites/default/files/ESC37_E_Martins.pdf. Acesso em: 18 mar. 2019.

MORETTI, V. D.; MARTINS, E. Atividade de ensino, Mediação e Aprendizagem da docência na Residência Pedagógica: uma Análise a partir da Teoria Histórico-Cultural. Contrapontos, Itajaí, v. 15, p. 394-411, 2015.

Disponível em: http://dx.doi.org/10.14210/contrapontos.v15n3.p394-411. Acesso em: 18 mar. 2019.

NOGUEIRA, Maria Alice. Família e escola na contemporaneidade: os meandros de uma relação. Educação e realidade, Porto Alegre, v. 31, n. 2, p. 155-170, jul./dez. 2006. ISSN 0100-3143 (impresso) e 2175-6236 (online).

Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/6850. Acesso em: 18 mar. 2019.

NOGUEIRA, M. A.; ROMANELLI, G. & ZAGO, N. (Orgs.). Família e Escola: trajetórias de escolarização em camadas médias e populares. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

OLIVEIRA, L. de C. F. Escola e família numa rede de (des)encontros: Um estudo das representações de pais e professores. São Paulo: Cabral, 2002.

PARO, V. H. Gestão democrática da escola pública. 2. ed. São Paulo: Ática, 2001.

PATTO, M. H. S. A família pobre e a escola pública: anotações sobre um desencontro. In: PATTO, M. H. S. (Org.). Introdução à Psicologia Escolar. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2006. p. 281-296.

PATTO, M. H. S. A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2008.

SARAIVA-JUNGES, L. A.; WAGNER, A. Os estudos sobre a Relação Família-Escola no Brasil: uma revisão sistemática. Educação, Porto Alegre, v. 39, n. 4, p. 114-124, 2016.

Disponível em: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2016.s.21333. Acesso em: 18 mar. 2019.

OLIVEIRA, C. B. E.; MARINHO-ARAÚJO, C. M. A relação família-escola: intersecções e desafios. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 27, n. 1, p. 99-108, jan./mar. 2010.

Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2010000100012. Acesso em: 18 mar. 2019.

PORTES, E. A. O trabalho escolar das famílias populares. In: NOGUEIRA, M. A et al. (Orgs.). Família e Escola: trajetórias de escolarização em camadas médias e populares. Petrópolis: Vozes, 2011. p. 61-80.

Publicado
2019-05-06
Como Citar
Cândido, R. M., & Martins, E. (2019). Reunir, festejar e comunicar: as relações família-escola no Programa de Residência Pedagógica. Educação, 42(1), 44-55. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2019.1.28468
Seção
Outros Temas