Pedagogia: para quê? Desafios contemporâneos à formação para afirmação da diversidade humana

  • Andressa Silva Pereira Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
  • Allan Rocha Damasceno Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Educação inclusiva. Educação Especial. Formação do(a) pedagogo(a).

Resumo

O movimento atual da educação inclusiva considera essencial a todos os(as) estudantes a experiência do convívio das diferenças no mesmo espaço escolar, sendo possível assumir como centralidade do trabalho pedagógico as diferenças
humanas. Quanto a isso, é importante ressalvar que a formação do(a) pedagogo(a) se encontra diante desse desafio. Este artigo tem por objetivo refletir sobre os impactos das atuais políticas públicas de educação inclusiva no âmbito da
modalidade Educação Especial, nos cursos de licenciatura em Pedagogia, na contemporaneidade, a fim de contribuir para a possibilidade de emancipação e autorreflexão crítica da diversidade humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andressa Silva Pereira, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Andressa Silva Pereira é atualmente mestranda do curso do Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc/UFRRJ) com orientação do professor Dr. Allan Rocha Damasceno. É graduada no curso de Licenciatura em Pedagogia pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), foi bolsista de iniciação científica do PROIC/PROPPG pela UFRRJ (Agosto/ 2011 a Julho/2012) e também foi bolsista do PIBIC pelo CNPQ (Agosto/2012 a Julho/2014), ambas com orientação do professor Dr. Allan Rocha Damasceno. Atualmente, participa do grupo de pesquisa: Laboratório de Estudos e Pesquisas em Educação, Diversidade e Inclusão (LEPEDI) ? UFRRJ, coordenado pelo docente Dr. Allan Rocha Damasceno. Seus interesses na pesquisa aprofundam-se na área da educação especial realizando estudos sobre políticas públicas na perspectiva da educação inclusiva.
Allan Rocha Damasceno, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro
Allan Damasceno têm sua área de formação inicial em Licenciatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é Especialista em Educação Especial pela Universidade Federal Fluminense, Orientador Educacional e Supervisor Escolar, atuando na perspectiva da constituição da escola democrática/inclusiva. Mestre e Doutor em Educação, com ênfase na modalidade de ensino Educação Especial, pela Universidade Federal Fluminense. É Professor Adjunto do Instituto de Educação da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), onde está vinculado institucionalmente ao recém criado Departamento de Educação do Campo, Movimentos Sociais e Diversidade (DECAMPD), sendo seu atual vice-chefe. Coordena o Laboratório de Estudos e Pesquisas em Educação, Diversidade e Inclusão (LEPEDI). Integra o Observatório Nacional de Educação Especial (ONEESP), uma rede formada por parceiros colaborativos (pesquisadores de 26 universidades brasileiras distribuídas por 18 estados) que se reuniram com a perspectiva de produzir evidências científicas para o suporte a definição de prioridades e estratégias de pesquisa e formação no âmbito da Educação Especial no Brasil. Atua no Programa de Pós-graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc) na linha de pesquisa "Desigualdades Sociais e Políticas Educacionais", e no Programa de Pós-graduação em Educação Agrícola (PPGEA) na linha de pesquisa "Gestão e Educação do Ensino Agrícola", ambos da UFRRJ. É Membro da Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial (ABPEE) e do Observatório de Educação Especial do Rio de Janeiro (OEERJ). Seus interesses em pesquisa concentram-se na área de Educação Especial, com ênfase nas Políticas Públicas em Educação, Organização do Trabalho Escolar, Formação de Professores e Políticas de Formação, realizando estudos acerca da(o): inclusão em educação; organização na/para diversidade; indivíduo, escola e preconceito; Teoria Crítica e democratização escolar; experiências instituintes em educação.

Referências

ADORNO, Theodor Wiesengrund. Educação para emancipação. São Paulo: Paz e Terra, 1995.

______. Palavras e sinas: modelos críticos 2. Petropólis, RJ: Vozes, 1995a.

______. Teoria da semicultura. In: Educação e Sociedade, Campinas, n. 56, p. 388-411, dez. 1996.

______. Minima moralia. Trad. de Luiz Eduardo Bicca. 2. ed. São Paulo: Ática, 1993.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988.

______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9394/96, de 20 de dezembro de 1996.

______. Câmara da Educação Básica. Resolução CNE/CEB nº 2, de 11 de setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília, DF, 2001.

______. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, Licenciatura. Brasília, DF, 2006.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/Seesp, 2008.

______. Ministério da Educação. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências.

BARRETO, Maria Aparecida Santos Corrêa. As políticas de formação do professor e a construção de processos educativos inclusivos: dilemas e possibilidades. In: BAPTISTA, Claudio Roberto; JESUS, Denise Meyrelles de (Org.). Avanços em políticas de inclusão: o contexto da educação especial no Brasil e em outros países. 2. ed. Porto Alegre: Mediação, 2009. p. 175-189.

COSTA, Valdelúcia Alves da. Formação e teoria crítica da Escola de Frankfurt: trabalho, educação, indivíduo com deficiência. Niterói, Eduff, 2005.

______. Os processos de inclusão dos alunos com necessidades educativas especiais: políticas e sistemas. Rio de Janeiro: Unirio/Cead, 2007.

______. Formação de professores e sua relação com a educação inclusiva: desafios à experiência teórica na práxis pedagógica. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 28, n. 52, p. 405-416, maio/ago. 2015. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.5902/1984686X9628>. Acesso em: 15 fev. 2016.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. A Declaração de Bolonha e o sistema de graus no ensino superior. Bolonha, 2002. Disponível em: <https://dre.pt/application/file/1817968>. Acesso em: 15 mar. 2015.

AMASCENO, Allan Rocha. Educação inclusiva e organização da escola: projeto pedagógico na perspectiva da teoria crítica. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, 2010.

______. Educação inclusiva e a organização da escola: perspectivas críticas e desafios políticos do projeto pedagógico. Rio de Janeiro: Abrace um aluno escritor/Capes, 2015.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 23. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FIGUEIREDO, Rita Vieira de. A formação de professores para a inclusão dos alunos no espaço pedagógico da diversidade. In: MANTOAN, Maria Teresa Égler (Org.). O desafio das diferenças nas escolas. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.p. 141-145.

LIBÂNEO, José Carlos; PIMENTA, Selma Garrido. Formação dos profissionais da educação: visão crítica e perspectivas de mudança. In: PIMENTA, Selma Garrido (Org.). Pedagogia e pedagogos: caminhos e perspectivas. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

PEÇAS, Américo. Uma escola acolhedora, uma educação inclusiva. In: LINHARES, Célia; TRINDADE, Maria Nazaret (Org.). Compartilhando o mundo com Paulo Freire. São Paulo: Cortez, 2003.

SANTOS, Boaventura de Souza. Por que é tão difícil construir uma teoria crítica? In: Revista Crítica de Ciências Sociais, aculdade de Economia da Universidade de Coimbra e Centro de Estudos Sociais. n. 54, jun. 1999. Disponível em: <http://www.boaventuradesousasantos.pt/pages/pt/artigos-emrevistas-científicas.php>. Acesso em: 29 ago. 2014.

UNESCO. Declaração de Salamanca e suas linhas de ação sobre necessidades educacionais especiais. Brasília: Corde, 1994.

Publicado
2017-05-31
Como Citar
Pereira, A. S., & Damasceno, A. R. (2017). Pedagogia: para quê? Desafios contemporâneos à formação para afirmação da diversidade humana. Educação, 40(1), 31-40. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2017.1.24299
Seção
Outros Temas