Tecnologias digitais e estratégias comunicacionais de surdos: a inclusão digital numa perspectiva bilíngue

  • Daniel de Queiroz Lopes UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Centro de Ciências Humanas, Área de Conhecimento e Aplicação de Educação.
  • Nelson Goettert Universidade do Vale do Rio dos Sinos
Palavras-chave: Estratégias comunicacionais. Surdos. Tecnologias digitais. Bilinguismo. Língua de sinais.

Resumo

O tema da inclusão digital quase sempre é tomado a partir dos problemas relacionados à apropriação tecnológica. No caso das pessoas com necessidades especiais, além da apropriação, o desenvolvimento tecnológico é focado na ideia de deficiência e tomado como possibilidade para a normatização. O presente artigo problematiza o tema da inclusão digital e das tecnologias assistivas em relação aos tensionamentos que se produzem a partir de uma perspectiva bilíngue. Com base numa pesquisa exploratória com pessoas surdas, são apresentadas algumas estratégias adotadas por surdos que revelam o potencial que as tecnologias da informação e da comunicação possuem para o desenvolvimento da língua portuguesa escrita como segundo idioma. O resultado aponta para a perspectiva bilíngue e das TICs como esquema de transformação capaz de nortear as políticas de inclusão digital orientadas pela potência comunicativa própria do povo surdo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel de Queiroz Lopes, UNISINOS - Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Centro de Ciências Humanas, Área de Conhecimento e Aplicação de Educação.
Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1994), mestrado em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2000) e doutorado em Informática na Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2008). Atualmente é professor/pesquisador no Programa de Pós-graudação em Educação e do curso de Pedagogia da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), faz parte do Grupo de Pesquisa em Educação Digital (GPe-du/UNISINOS/CNPq), do Grupo de Pesquisa em Ecologias e Políticas Cognitivas (PPGPSI/UFRGS/CNPq), e do Laboratório de Ambientes Virtuais de Aprendizagem - Lavia (PPGEDU/UCS/CNPq). É pesquisador colaborador no Laboratório de Estudos Cognitivos (Inst. de Psicologia/UFRGS), e membro do comitê de ética em pesquisa do Hospital Mãe de Deus em Porto Alegre. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em aprendizagem, psicologia do desenvolvimento humano e tecnologias na educação, atuando principalmente nos seguintes temas: criatividade, epistemologia genética, cultura digital, emancipação digital, projetos de vida e escolarização, ecologias e políticas cognitivas, robótica educacional. (Texto informado pelo autor)
Nelson Goettert, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Mestre em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (São Leopoldo, RS, Brasil) e professor na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Porto Alegre, RS, Brasil).

Referências

BARROS, Diana P. A comunicação humana. In: FIORIN, José Luiz (Org.). Introdução à linguística I: objetos teóricos. São Paulo: Contexto, 2011. p. 25-53.

BRASIL. Subsecretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Comitê de Ajudas Técnicas. Tecnologia assistiva. Brasília: CORDE, 2009. 138 p.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. 13 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

LEMOS, André. Bodynet e netcyborgs: sociabilidade e novas tecnologias na cultura contemporânea. In: BENTZ, Ione; RUBIM, Albino; PINTO, José Milton (Org.). Comunicação e sociabilidade nas culturas contemporâneas. Petrópolis: Vozes, 1999. p. 9-26.

LIRA, Guilherme de Azambuja. Educação do surdo, linguagem e inclusão digital. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2003.

MORAES, Roque. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, v. 9, n. 2, p. 191-210, 2003.

MORAES, Roque; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Ciência & Educação, v. 12, n. 1, p. 117-128, 2006.

PETTER, Margarida. Linguagem, língua, linguística. In: FIORIN, osé Luiz (Org.). Introdução à linguística I: objetos teóricos. São Paulo: Contexto, 2011. p. 10-24.

QUADROS, Ronice Müller de. O ‘BI’ em bilinguismo na educação de surdos. In: FERNANDES, Eulalia (Org.). Surdez e bilinguismo. Porto Alegre: Mediação, 2010. p. 27-37.

QUADROS, Ronice Müller; KARNOPP, Lodenir Becker. Língua de Sinais Brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Editora ArtMed, 2004.

QUADROS, Ronice Müller de; PERLIN, Gladis (Org.). Estudos surdos II. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2007.

REICHERT, André Ribeiro. Mídia televisiva sem som. 2006. 100 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

REIS, Flaviane. Professor surdo: a política e a poética da transgressão pedagógica. 2006. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

SELVATICI, Carolina. Panorama do closed caption no Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DE TRADUTORES & ENCONTRO INTERNACIONAL DE TRADUTORES, 10., 4., 2009, Ouro Preto. Anais... Ouro Preto: ABRAPT-UFOP, 2009. p. 943-954. Disponível em: <http://www.ichs.ufop.br/anaisdoentrad/images/stories/ 77Selvatici.pdf>. Acesso em: 01 jun. 2015.

STRÖBEL, Karin Lilian. Surdos: vestígios culturais não registrados na historia. 2008. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Ciências da Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

Publicado
2016-03-01
Como Citar
Lopes, D. de Q., & Goettert, N. (2016). Tecnologias digitais e estratégias comunicacionais de surdos: a inclusão digital numa perspectiva bilíngue. Educação, 38(3), 358-368. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2015.3.21780
Seção
Dossiê - In/exclusão Digital e Educação