Diferença, diversidade e formação docente: contribuições da psicanálise à discussão da inclusão

  • Margareth Diniz Universidade Federal de Minas Gerais
  • Cláudia Itaborahy Ferraz Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Oficio docente. Psicanálise. Subjetividade. Diferença.

Resumo

A escrita aqui construída se faz como fragmento de um caleidoscópio de ideias e inquietações advindas da teoria psicanalítica que interroga a educação e seus processos no contexto brasileiro atual. Trata-se de reflexões sobre o papel, lugar, atuação do(a) professor(a) em meio às urgências da contemporaneidade e sobre as causas e os efeitos disso – tal como o mal-estar docente –, pensando no alinhavo dentro e fora das paredes das escolas que tão necessariamente têm se rodeado de questões que compõem outra partitura conceitual e também de ofício, que é atravessada pela diversidade, pela inclusão e pelas práticas educativas. Nessa costura, pode-se pensar que a linha que tece a maior parte desses processos, se não ele todo, é a formação docente, que, não de forma diferente, tem em seus retalhos partes distintas de uma construção que é também social, histórica e política, detectadas através de conversações e discursos de um somatório de sujeitos mergulhados em subjetividade e diferenças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRÉ, Marli. A produção acadêmica sobre formação de professores: um estudo comparativo das dissertações e teses defendidas nos anos 1990 e 2000. Formação Docente. Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação Docente, v. 1, n. 1, p. 41-56, ago./dez. 2009.

ASSUNÇÃO, Madalena. Magistério primário. 1994. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1994.

BIRMAN, Joel (Org.). Feminilidades. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2002.

BRASIL. Decreto nº 6.755, de 29 de janeiro de 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica, disciplina a atuação da Capes no fomento a programas de formação inicial e continuada e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, 30 jan. 2009a. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6755.htm>. Acesso em: 12 mar. 2012.

BRASIL. Secretaria de Educação fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: apresentação dos temas transversais, ética. Brasília: MEC/SEF, 1996.

BRASIL. Decreto n° 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n° 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei n. 10.098, de 19 de dez. 2000. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm>. Acesso em: 12 mar. 2012.

BUTLER, Judith. Fundamentos contingentes: o feminismo e a questão do pós-modernismo. Cadernos Pagu, n. 11, p. 11-42, 1998.

DINIZ, Margareth. De que sofrem as mulheres professoras. In: LOPES, Eliane Marta Teixeira. A Psicanálise escuta a educação. Belo Horizonte, 1997.

DINIZ, Margareth. O método clínico na investigação da relação com o saber para quem ensina: a tensão entre conhecer e saber. Belo Horizonte: FAE-UFMG, 2005.

DINIZ, Margareth. Inclusão de pessoas com deficiência e/ou necessidades específicas. Avanços e desafios. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2012.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Foucault e a análise do discurso em educação. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 114, p. 197-223, nov. 2001.

FREUD, Sigmund. O mal-estar na civilização. In: FREUD, Sigmund. Obras completas. v. 21. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

GARCIA, Carlos Marcelo. Formação de professores. Para uma mudança educativa. Porto: Porto Editora, 1999.

GENOVESI, Giovanni. La escuela como narratividad. In: BENITO, Agustini Escolano; DÍAZ, José Ontr Hernández. La memória y el deseo: cultura de la escuela y educación deseada. Valencia: Tirant, 2002. p. 245-263.

GOMES, Nilma (Org.). Um olhar além das fronteiras: educação e relações raciais. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

KEHL, Maria Rita. A mínima diferença: masculino e feminino na cultura. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

LACAN, Jacques. O seminário, livro 18: de um discurso que não fosse semblante. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1992.

LACAN, Jacques. O seminário, livro 17: o avesso da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1992.

LOPES, Eliane Marta Teixeira (Org.). A psicanálise escuta a educação. Belo Horizonte: Autêntica, 1998.

LOURO, Guacira Lopes. Teoria Queer: uma política pósidentitária para a educação. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 542-553, 2001.

MARCELO, Carlos. A identidade docente: constantes e desafios. Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação Docente, Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 109-131, ago./dez. 2009.

MICHELS, Maria Helena. O instrumental, o gerencial e a formação à distância: estratégias para a reconversão docente na perspectiva da educação inclusiva. Florianópolis: UFSC, Mimeo, 2009.

MILLER, Jacques Alain. O percurso de Lacan. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 2003.

MILLER, Jacques Alain. La pareja y el amor: conversaciones clínicas con Jacques-Alain Miller en Barcelona. Instituto Del Campo Freudiano. Barcelona: Paidós, 2002.

MILLER, Judith. Apresentação: Judith Miller nos diz o que é o Cien. Revista Cien Digital. Escola Brasileira de Psicanálise, Belo Horizonte, n. 2, p. 62-69, dez. 2007. Disponível em: <http://www.institutopsicanalise-mg.com.br/ciendigital/pdf/CIEN-Digital02.pdf>. Acesso em: 10 fev. 2012.

MIRANDA, Margarete Parreira. O mal-estar do professor em face da criança considerada problema. Belo Horizonte: FAE/UFMG, 2010.

MISKOLCI, Richard. Reflexões sobre normalidade e desvio social. Estudos de Sociologia. Araraquara, v. 13, n. 14, p. 109-216, 2002-2003.

NÓVOA, António; FINGER, Mathias. O método (auto) biográfico e a formação. Lisboa: MS/DRHS/CFAP, 1988.

PERRENOUD, Philippe. Práticas pedagógicas, profissão docente e formação: perspectivas sociológicas. Lisboa: Nova Enciclopédia, 1993.

PEREIRA, Marcelo Ricardo. A impostura do mestre. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2008.

SANTOS, Lucíola Licínio de Castro Paixão. Formação docente: políticas e processos. In: Seminário redestrado: nuevas regulaciones en América Latina, 7, 2008, Buenos Aires. Anais eletrônicos... Buenos Aires: Redestrado, 2008. Disponível em:<http://www.fae.ufmg.br/estrado/cdrom_seminario_2008/textos/ponencias/Ponencia%20Luc%C3%ADola%20Licinio%20Santos.pdf>. Acesso em: 15 mar. 2012.

SOUZA, Eliseu Clementino de. A arte de contar e trocar experiências: reflexões teórico-metodológicas sobre história de vida em formação. Revista Educação em Questão, Natal, v. 25, n. 11, p. 22-39, jan./abr. 2006.

TORRES, Rosa Maria. Tendências da formação docente nos anos 90. In: WARDE, M. J. et al. Novas políticas educacionais: críticas e perspectivas. São Paulo: PUC/SP, 1998.

Publicado
2015-11-10
Como Citar
Diniz, M., & Ferraz, C. I. (2015). Diferença, diversidade e formação docente: contribuições da psicanálise à discussão da inclusão. Educação, 38(2), 185-192. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2015.2.20044
Seção
Dossiê - Educação Especial e Psicanálise