Textualidade, currículo e investigação

  • Érika Virgílio Rodrigues da Cunha Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Hugo Heleno Camilo Costa Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Talita Vidal Pereira Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Currículo. Textualidade. Discurso.

Resumo

Este artigo é resultado de uma reflexão que focaliza as formas pelas quais se tem incorporado a ideia de texto como o tecido que compõe heterogeneamente múltiplas camadas de leitura, conforme proposto por Derrida, com a apropriação de Ernesto Laclau para pensar o social como texto. O objetivo é explicitar os pressupostos teóricos antirrealistas que sustentam a pesquisa no campo do currículo na perspectiva discursiva, assumindo, com Lopes e Macedo, Laclau e Derrida, que, na textualidade geral, nada pode estabilizar definitivamente a significação. Defende-se que todo esforço por impor um fundamento ao social com a pretensão de suturar a significação está, invariavelmente, fadado ao fracasso. A investigação da e na textualidade é sustentada como potente por abrir às remessas que perturbam o querer de toda objetividade, ao permitir demonstrar a contingência como o que instaura o momento de uma inscrição, de uma interpretação composta pela articulação de diferenças como a reinvindicação de uma presença ausente. Sustenta-se, nessa via, que toda formação discursiva, todo discurso de reparação social, se constitui implicado por uma radical indecidibilidade, jamais eliminada no jogo da significação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Érika Virgílio Rodrigues da Cunha, Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Possui graduação em Licenciatura Plena em Letras e mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso. É professora assistente na Universidade Federal de Mato Grosso e Doutora em Educação no Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Atua no Grupo de Pesquisa Políticas de Currículo e Cultura (www.curriculo-uerj.pro.br). Pesquisa políticas de currículo auto-denominadas democráticas. Trabalha com as disciplinas Didática e Currículo.
Hugo Heleno Camilo Costa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Possui graduação em Geografia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e mestrado em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação (ProPEd) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Atualmente, cursa o doutorado em Educação no ProPEd/UERJ. Compõe o Grupo de Pesquisa Políticas de currículo e Cultura e o Núcleo Interdisciplinar de estudos da Baixada Fluminense . É professor substituto da Faculdade de Educação da UERJ e tem experiência docente nas áreas de Pedagogia e Licenciaturas, especificamente nas disciplinas: Currículo, Didática, Avaliação, Estágio Supervisionado e Ensino de Geografia. Atua principalmente nos seguintes temas:Políticas de Currículo, Ensino de Geografia, Teoria do Discurso, Integração Curricular, Interdisciplinaridade, Educação básica.
Talita Vidal Pereira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Professora adjunta na Universidade do Estado do Rio de Janeiro/ Faculdade de Educação da Baixada Fluminense (FEBF), atuando no Departamento de Formação de Professores e como Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas. Integra os Grupos de Pesquisa Currículo, Formação e Educação em Direitos Humanos e Políticas de Currículo e Cultura. Doutora em Educação pela UERJ; Mestre em Educação pela UFRJ e Licenciada em Química pela UFRJ. Atuação na Educação Básica de 1985 a 2012. Participa da Rede Latino-americana de Teoria do Discurso, e do Grupo de Trabalho de Currículo (GT 12) da Anped. É sócia da Associação Brasileira de Currículo (ABdC). Produção acadêmica orientada principalmente para os seguintes temas: Currículo; Cultura; Conhecimento, Formação Docente e Práticas Pedagógicas. Orientadora de mestrado.

Referências

BIESTA, G. Say you want a revolution: suggestions for the impossible future of critical pedagogy. Educational theory, v. 48, n. 4, p. 499-510, 1998. Disponível em: www.periodicos.capes.gov.br. Acesso em: 27 jan. 2013.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais – introdução aos parâmetros curriculares nacionais (1ª a 4ª séries). Brasília: MEC/SEF, novembro, 1997.

COSTA, H. H. C.; PEREIRA, T. V. Sentidos de interdisciplinaridade articulados nas políticas de currículo: o caso das disciplinas ciências naturais e geografia. Cadernos de educação (FaE/PPGE/UFPel), n. 44, p. 293-318, 2013. Disponível em: http://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/caduc/article/view/2749. Acesso em: 7 nov. 2014.

DERRIDA, J. A farmácia de Platão. São Paulo: Iluminuras, 1991a.

DERRIDA, J. Margens da filosofia. Campinas, São Paulo: Papirus, 1991b.

DERRIDA, J. Limited Inc. Campinas: Papirus, 1991c.

DERRIDA, J. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 2008.

DERRIDA, J. A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva, 2011.

DERRIDA, J. El otro [autrui] es secreto porque es otro [autre]. Le monde de l’éducation, entrevista con Antoine Spire, n. 284, sept. 2000. Derrida en castellano. Disponível em: http://www.jacquesderrida.com.ar/textos/derrida_otro.htm. Acesso em: 10 jan. 2014.

LACLAU, E. Discourse. In.: GOODIN, R. A., PETTIT, P. (eds.). A companion to contemporary political philosophy. Oxford: Blackwell, v. 2, p. 431-437, 1995.

LACLAU, E. Emancipação e diferença. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011a.

LACLAU, E. La función retórica de las categorías psicoanalíticas. Diecisete: teoría crítica, psicanálisis, acontecimientos. Disponível em: http://www.diecisiete.mx/expedientes/psicoanalisis-y-politica/50-la-funcion-retorica-delas-categorias-psicoanaliticas.html. Acesso em: nov. 2011b.

LACLAU, E. La razón populista. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2010.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. Hegemonía y estrategia socialista: hacia una radicalización de la democracia. 3. ed. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2010.

LOPES, A. C. Discurso e representação na política de currículo: o caso do ensino médio (2003-2010). Projeto de Pesquisa UERJ/CNPq, 2011.

LOPES, A. C. Teorias pós-críticas, política e currículo. Educação, Sociedade & Culturas, n. 39, p. 7-23, 2013.

LOPES, A. C. Democracia nas políticas de currículo. Cadernos de Pesquisa, v. 42, n. 147, set./dez. 2012, p. 700-715. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/pdf>. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-z5742012000300003

LOPES, A. C.; MACEDO, E. Teorias de currículo. São Paulo: Cortez, 2011. MACEDO, E. Currículo: política, cultura e poder. Currículo sem Fronteiras, v. 6, n. 02, p. 98-133, jul./dez. 2006a. Disponível em: www.curriculosemfronteiras.org.

MACEDO, E. Currículo como espaço-tempo de fronteira cultural. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 32, maio/ago. 2006b.

MACEDO, E. Currículo e conhecimento: aproximações entre educação e ensino. Cadernos de Pesquisa, v. 42 n. 147, p. 716-737, set./dez., 2012. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742012000300004

MOREIRA, A. F. B.; CANDAU, V. Currículo, conhecimento e cultura. In: Indagações sobre currículo. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Brasília, DF, 2007, 48 p.

YOUNG, Michael; MULLER, Johan. Verdade e veracidade na sociologia do conhecimento educacional. Educação em Revista, Belo Horizonte, MG, v. 45, p. 159-196, jun. 2007.

Publicado
2016-09-06
Como Citar
Cunha, Érika V. R. da, Costa, H. H. C., & Pereira, T. V. (2016). Textualidade, currículo e investigação. Educação, 39(2), 185-193. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2016.2.19711
Seção
Artigos