Entre a modernidade e a pós-modernidade: discurso e ensino

  • Maria José Rodrigues Faria Coracini Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Departamento de Lingüística Aplicada.
Palavras-chave: Ensino-aprendizagem de línguas. Escrita de si. Pós-modernidade. Subjetividade.

Resumo

Este artigo tem por objetivo principal discutir o ensino de línguas, hoje, no contexto da chamada pós-modernidade, a partir de dois filmes e da obra O mestre ignorante, de Jacques Rancière. Num primeiro momento, discute rapidamente o contexto atual da pós-modernidade, para, em seguida, discutir uma possibilidade de ensino em geral e de línguas em particular. Propõe-se refletir sobre o mestre que ignora o que o aluno sabe, mas confia nas capacidades desse aluno, posição diferente da do “mestre transmissor de conhecimentos”, cujo ensino se pauta na racionalidade e se centra no professor. O mestre ignorante não indicia a falta de conhecimento na área em que atua, mas a abertura deixada por ele para que o aluno se posicione, se enganche em seu saber; o professor passa a funcionar, então, como “sujeito suposto saber”, como aquele que abre espaço para o desejo do aluno, para seus interesses, para a busca de conhecimento. Não seria essa uma boa maneira de instaurar a “verdadeira” aprendizagem, aquela que passa pelo corpo e se faz corpo, tornando do sujeito o que vem do outro, transformado pela singularidade de cada um? Nesse sentido, talvez não seja possível ensinar uma língua, mas é sempre possível criar condições para que a aprendizagem ocorra, com base na escrita de si.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria José Rodrigues Faria Coracini, Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Departamento de Lingüística Aplicada.
Sou graduada em Letras: Francês-Português pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (1972), mestre em Letras (Língua Francesa) pela Universidade de São Paulo (1981), doutora em Ciência: Lingüística Aplicada pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1988), Livre Docente (2000) e professora titular (2007) em Lingüística Aplicada na Área de Ensino/Aprendizagem de Língua Estrangeira pela Unicamp (2000). Tenho pós-doutorado junto ao Centre Inter-universitaire en Analyse du Discours et Sociocritique des Textes (Ciadest) e ao grupo de pesquisa Marges (Marginalisation et Marginalité dans les discours), em Montréal, Canadá (1992-3). Mais recentemente, fiz um estágio pós-doutoral junto à Université de Paris 3 (Sorbonne Nouvelle), Sylled (abril-junho 2006), e junto à Universidade de Lisboa (Faculdade de Ciências da Psicologia e Educação), também em 2006, por três meses. Atualmente, sou professor titular MS-6 na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Com experiência em Lingüística Aplicada, atuo principalmente, nos seguintes tópicos: ensino-aprendizagem (LM e LE), discurso de/sobre novas tecnologias,discurso de/sobre a pobreza, discurso científico, discurso pedagógico, tradução, identidade, leitura, escrita, subjetividade. Do ponto de vista teórico, trabalho no espaço movediço e escorregadio das fronteiras opacas e difusas entre discurso, psicanálise e desconstrução, na tentativa de compreender sempre mais as subjetividades em travessia: entre línguas-culturas, entre si e o outro - o outro de si... (Texto informado pelo autor). <http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?metodo=apresentar&id=K4783099Y7>

Referências

ANDRÉ, Serge. Le transfert de Lacan. Bruxelles: Le Bord de l’Eau, 2014.

BAUMAN, Zigmunt [1998]. Globalização: as consequências humanas. Trad. de Marcus Penchel. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

BAUMAN, Zigmunt. Modernidade líquida. Trad. de Plínio Detzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BAUMAN, Zigmunt [2004]. Identidade. Trad. de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

BIRMAN, Joel. Subjetividade, contemporaneidade e educação. In: CANDAU, Vera Maria (Org.). Cultura, linguagem e subjetividade no

ensinar e aprender. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

CHARLES, Sébastien O individualismo paradoxal: introdução ao pensamento de Gilles Lipovetsky. In: LIPOVETSKY, Gilles; CHARLES, Sébastien. Os tempos hipermodernos. Trad. de Mário Vilela. São Paulo: Barcarolla, 2004. p. 13-48.

CORACINI, Maria José. Um fazer persuasivo: o discurso subjetivo da ciência. Campinas: Pontes; São Paulo: EDUC, 1991.

CORACINI, Maria José. O discurso da linguística aplicada e a questão da identidade: entre a modernidade e a pós-modernidade. In:

CORACINI, Maria José; BERTOLDO, Ernesto S. (Org.). O desejo da teoria e a contingência da prática: discursos sobre e na sala de aula. Campinas: Mercado de Letras, 2003. p. 87-115.

CORACINI, Maria José. A escrita de si na internet: histórias ao acaso e o acaso das histórias. In: SCHONS, Carme R.; RÖSING, Tânia M. K. (Org.). Questões de escrita. Passo Fundo: UPF Editora, 2005. p. 42-

CORACINI, Maria José. Entre adquirir e aprender uma língua: subjetividade e polifonia. Bakhtiniana – Revista de Estudos do Discurso, v. 9, n. 2. p. 4-24 (port.); p. 5-27 (Engl.), 2014.

DERRIDA, Jacques [1972]. A farmácia de Platão. Trad. de Rogério da Costa. São Paulo: Illuminuras, 1991.

DERRIDA, Jacques. Le monolinguisme de l’autre. Paris: Galillée, 1996.

DERRIDA, Jacques. [1972]. Posições. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

DERRIDA, Jacques. Papel-máquina. São Paulo: Estação Liberdade, 2003.

FOUCAULT, Michel. L’ordre du discours. Paris: Gallimard, 1971.

FOUCAULT, Michel. Surveiller et punir. Paris: Gallimard, 1975.

FOUCAULT, Michel. A escrita de si. In: FOUCAULT, Michel. O que é um autor? Lisboa: Passagens. 1992. p. 129-160.

FOUCAULT, Michel (Coord.). Eu, Pierre Rivière, que degolei minha mãe, minha irmã e meu irmão: um caso de parricídio do século XIX

apresentado por Michel Foucault. Trad. de Denize Lezau de Almeida. Rio de Janeiro: Graal, 1997.

FREUD, Sigmund [1920]. Além do princípio do prazer. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. 2. ed. Rio de Janeiro: Imago, 1987.

FREUD, Sigmund. [1930] O mal-estar na civilização. Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1987. v. 18.

HUTCHBY, Ian. Conversation and technology: from telephone to the internet. Cambridge: Polity Press, 2001.

KUPFER, Maria Cristina Machado. Freud e a educação: o mestre do impossível. 2.. ed. São Paulo: Scipione, 1992. (Coleção: Mestres da Educação).

LACAN, Jacques [1966]. O estádio do espelho como formador da função do eu. In: LACAN, Jacques. Escritos. Trad. de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998a.

LACAN, Jacques. [1966]. A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud. In: LACAN, Jacques. Escritos. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998b. p. 496-533.

LACAN, Jacques. [1969-1970]. Seminário 17: o avesso da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1992.

LACAN, Jacques. [1971]. Seminário 18: de um discurso que não fosse semblante. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

LACAN, Jacques. [1975-1976]. Seminário 23: o sinthoma. Trad. de Sérgio Laia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

LEVENTHAL, Robert S. Jean François Lyotard, the differend: phrases in dispute. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1991. Disponível em: http://www2.iath.virginia.edu/holocaust/lyotarddiff.html - Acesso em: 17 nov. 2014.

LIPOVETSKY, Gilles. Metamorfoses da cultura liberal. Trad. de Juremir Machado da Silva. Porto Alegre: Sulina, 2004.

LIPOVETSKY, Gilles; SÉBASTIEN, Charles. Os tempos hiper-

modernos. Trad. de Mário Vilela. São Paulo: Barcarolla, 2004.

LYOTARD, Jean-François. La condition postmoderne: rapport sur le savoir. Paris: Minuit, 1979.

MASCIA, Márcia A. Amador. Investigações discursivas na pós-modernidade: uma análise das relações de poder-saber do discurso político educacional de língua estrangeira. São Paulo: Fapesp; Campinas: Mercado de Letras, 2003.

MELMAN, Charles. L’homme sans gravité. Paris: Denoël, 2002.

O ESTADO DE SÃO PAULO, 10 out. 2005.

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante. 3. ed. Trad. de Lílian do Valle. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

USHER, Rubin; EDWARDS, Richard. Postmodernism and education. London; New York: Routledge, 1994.

Publicado
2014-12-15
Como Citar
Coracini, M. J. R. F. (2014). Entre a modernidade e a pós-modernidade: discurso e ensino. Educação, 37(3), 400-411. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2014.3.18148
Seção
Dossiê - Educação, pesquisa e linguagem: encontros e atravessamentos