Violência e medo na fundação do Estado-Nação

  • Ruth M. Chittó Gauer

Resumo

O artigo trata das fronteiras entre tradição e a modernidade na construção do Estado-Nação no Brasil. A partir dos relatos das falas proferidas pelos deputados constituinte de 1823, é possível apreender o mito fundacional, o qual revela a imutabilidade, reifica a crença de que a pacificidade, a cordialidade e a generosidade do povo brasileiro são os princípios que constituem a unidade da população e por extensão da Nação, permite afirmar o quanto a tradição brasileira, avessa a qualquer radicalismo, manifesta-se através de uma dualidade. A memória política teve papel primordial na construção da idéia de identidade. A luta travada permitiu um contágio semântico que chegou a extremos. Essa construção retrata o quanto a violência constituiu-se na exaltação de uma pacificidade inexistente. Palavras-chave: Estado-Nação; identidade; tradição; modernidade; mito fundacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2007-05-03
Como Citar
Gauer, R. M. C. (2007). Violência e medo na fundação do Estado-Nação. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 1(2), 79-98. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2001.2.77
Seção
Artigos