Desigualdades na elite da Ciência Política brasileira

Palavras-chave: Ciência Política. Gênero. Raça. Desigualdades. História.

Resumo

O objetivo deste artigo é examinar um aspecto frequentemente negligenciado nos estudos sobre a Ciência Política no Brasil: as desigualdades internas à comunidade científica. Para tal, começamos por localizar nossa contribuição na literatura especializada. Em seguida, analisamos os perfis de gênero, raça e região geográfica dos docentes de todos os programas de pós-graduação da área reconhecidos pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Os resultados mostram que a disciplina apresenta assimetrias de gênero e severa desigualdade racial, o que não pode ser totalmente explicado pelas diferenças regionais do país. A fim de observar o dado em perspectiva mais ampla, comparamos as características da Ciência Política às da Sociologia e da Antropologia e concluímos que a primeira é mais desigual em ambas as dimensões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcia Rangel Candido, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Uerj, Rio de Janeiro, RJ

Doutoranda em Ciência Política no Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj, Rio de Janeiro, RJ, Brasil). Bolsista de doutorado da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

João Feres Júnior, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Uerj, Rio de Janeiro, RJ
Doutor em Ciência Política pela City University of New York (Nova Iorque, USA). Diretor do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj, Rio de Janeiro, RJ, Brasil). Bolsista produtividade do CNPq, bolsista Cientista do Nosso Estado da Faperj, membro do INCT Instituto da Democracia e da Democratização da Comunicação.
Luiz Augusto Campos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Uerj, Rio de Janeiro, RJ

Doutor em Sociologia pelo Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj, Rio de Janeiro, RJ, Brasil). Professor nos Programas de Pós-Graduação em Sociologia e em Ciência Política do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj, Rio de Janeiro, RJ, Brasil). Bolsista produtividade do CNPq, bolsista Jovem Cientista do Nosso Estado da Faperj e bolsista Procientista da Uerj.

Referências

ANDRADE, Rodrigo de Oliveira. Maternidade no currículo: projeto de pesquisadoras estima impacto das atividades como mãe na carreira científica. Pesquisa Fapesp, São Paulo, ed. 269, 2018. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/2018/07/19/maternidade-no-curriculo/. Acesso em: 16 out. 2019.

ARDS, Sheila; WOODARD, Maurice C. African Americans in the political science profession. PS: Political Science & Politics, Washington, v. 25, n. 2, p. 252-259, 1992. Disponível em: https://doi.org/10.2307/419719. Acesso em: 16 out. 2019.

ÁVALOS, Manuel. The status of Latinos in the profession: problems in recruitment and Retention. PS: Political Science & Politics, Washington, v. 24, n. 2, p. 241-246, 1991. Disponível em: https://doi.org/10.2307/419943. Acesso em: 16 out. 2019.

AVRITZER, Leonardo; MILANI, Carlos; BRAGA, Maria do Socorro (org.). A ciência política no Brasil: 1960-2015. Rio de Janeiro: FGV, 2016.

BASTOS, João Luiz et al. Diferenças socioeconômicas entre autoclassificação e heteroclassificação de cor/raça. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 42, n. 2, p. 324-334, 2008. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102008005000005. Acesso em: 16 out. 2019.

BENEDICT, Robert C.; NELSON, Dalmas H.; SCHWARTZ-SHEA, Peregrine. The challenge of recruiting women and minority faculty members in political science: a case study in methods. PS: Political Science & Politics, Washington, v. 18, n. 4, p. 789-793, 1985. Disponível em: https://doi.org/10.1017/S1049096500022721. Acesso em: 16 out. 2019.

BRINGEL, Breno. Nota editorial: política e fluxo editorial da Dados. Dados, Rio de Janeiro, v. 59, n. 2, p. 311-321, 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/00115258201678. Acesso em: 16 out. 2019.

CAMPOS, Luiz Augusto. Socialismo moreno, conservadorismo pálido? Cor e recrutamento partidário em São Paulo e Rio de Janeiro nas eleições de 2012. Dados, Rio de Janeiro, v. 58, n. 3, p. 689-719, 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/00115258201556. Acesso em: 16 out. 2019.

CARPIUC, Cecília Rocha. Women and diversity in Latin American Political Science. European Political Science, [s. l.], v. 15, n. 4, p. 457-475, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1057/s41304-016-0077-4. Acesso em: 16 out. 2019.

FERNÁNDEZ, María de los Ángeles. Mujer y ciencia política en Chile ¿Algo nuevo bajo el sol? Política: Revista de Ciência Política, Santiago, v. 46, p. 261-289, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.5354/0716 1077.2006.17015. Acesso em: 16 out. 2019.

GRANT, Linda; WARD, Kathryn B. Gender and publishing in sociology. Gender and Society, Newbury Park, v. 5, n. 2, p. 207-223, 1991. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/189485. Acesso em: 16 out. 2019.

GOMES, Darcilene et al. V Pesquisa do perfil socioeconômico e cultural dos estudantes de graduandos das Instituições Federais de Ensino Superior Brasileiras. Uberlândia: [s. n.], 2019.

KANTOLA, Johanna. Why do all the women disappear? Gendering processes in a Political Science department. Gender, Work and Organization, Oxford, v. 15, n. 2, p. 202-225, 2008. Disponível em: https://doi.org/10.1111/j.1468-0432.2007.00376.x. Acesso em: 16 out. 2019.

KÖNIG, Thomas; ROPERS, Guido. Gender and editorial outcomes at the American Political Science Review. PS: Political Science & Politics, Washington, v. 51, n. 4, p. 849-853, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1017/S1049096518000604. Acesso em: 16 out. 2019.

KUHN, Thomas. The structure of scientific revolutions. Chicago: University of Chicago Press, 1962.

LANGAN TEELE, Dawn; THELEN, Kathleen. Gender in the journals: publication patterns in political science. PS: Political Science & Politics, Washington, v. 50, n. 2, p. 443-447, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1017/S1049096516002985. Acesso em: 16 out. 2019.

LEITE, Fernando; CODATO, Adriano. Autonomização e institucionalização da Ciência Política brasileira: o papel do sistema Qualis-Capes. Agenda Política, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 1-21, 2013. Disponível em: http://www.agendapolitica.ufscar.br/index.php/agendapolitica/article/view/10/8. Acesso em: 16 out. 2019.

MACHADO, Marcell; EURÍSTENES, Poema; FERES JÚNIOR, João. Políticas de ação afirmativa nas universidades estaduais: levantamento das políticas de ação afirmativa GEMAA. Rio de Janeiro: Iesp-Uerj, 2017. Disponível em: http://gemaa.iesp.uerj.br/wpcontent/uploads/2018/10/Lev-Estaduais-2017.pdf. Acesso em: 16 out. 2019.

MARENCO, André. Cinco décadas de Ciência Política no Brasil: institucionalização e pluralismo. In: AVRITZER, Leonardo; MILANI, Carlos; BRAGA, Maria do Socorro (org.). A ciência política no Brasil: 1960-2015. Rio de Janeiro: FGV, 2016. p. 141-163.

MARENCO, André. The three Achilles’ heels of Brazilian political science. Brazilian Political Science Review, São Paulo, v. 8, n. 3, p. 3-38, 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1981-38212014000100019. Acesso em: 16 out. 2019.

MARENCO, André. When institutions matter: Capes and political science in Brazil. Revista de Ciência Política, São Paulo, v. 35, n. 1, p. 33-46, 2015. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/141336. Acesso em: 16 out. 2019.

MENEZES, Djacir. Political science in Brazil during the last thirty years. In: UNESCO (org.). Contemporary political science: a survey of methods, research and teaching. Paris: Unesco, 1950. p. 228-232.

MICHETTI, Heloísa Helena; MICELI, Maria Teresa. A situação do ensino e pesquisa de ciência política no Brasil. Revista de Ciência Política, [s. l.], v. 2, n. 4, p. 89-110, 1969.

MONFORTI, Jessica Lavariega; MICHELSON, Melissa R. Diagnosing the leaky pipeline: continuing barriers to the retention of Latinas and Latinos in political science. PS: Political Science & Politics, Washington, v. 41, n. 1, p. 161-166, 2008. Disponível em: https://doi.org/10.1017/S1049096508080232. Acesso em: 16 out. 2019.

MONROE, Kristen Renwick; CHIU, William F. Gender equality in the academy: the pipeline problem. PS: Political Science & Politics, Washington, v. 43, n. 2, p. 303-308, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1017/S104909651000017X. Acesso em: 16 out. 2019.

MUNIZ, Jerônimo O. Preto no branco? Mensuração, relevância e concordância classificatória no país da incerteza racial. Dados, Rio de Janeiro, v. 55, n. 1, p. 251-282, 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0011-52582012000100007. Acesso em: 16 out. 2019.

PETERSON, David A. M. Author gender and editorial outcomes at political behavior. PS: Political Science & Politics, Washington, v. 51, n. 4, p. 866 869, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1017/S104909651800063X. Acesso em: 16 out. 2019.

PINHEIRO, Dimitri. Jogo de damas: trajetórias de mulheres nas ciências sociais paulistas (1934-1969). Cadernos Pagu, Campinas, n. 46, p. 165 196, 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/18094449201600460165. Acesso em: 16 out. 2019.

RODRIGUES, Cristiano; MONAGREDA, Johanna; PORTO, Nathália. Estudos sobre raça, racismo e etnicidade na Ciência Política brasileira: uma análise do campo a partir de seu estado da arte. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 41., 2017, Caxambu. Anais [...]. Caxambu: ANPOC, 2017.

SAMUELS, David. Gender and editorial outcomes at comparative political studies. PS: Political Science & Politics, Washington, v. 51, n. 4, p. 854 858, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1017/S1049096518000616. Acesso em: 16 out. 2019.

SILVA, Dimitri Pinheiro. Da política à ciência política, da ciência política à política: a trajetória acadêmica de Paula Beiguelman (1949-1969). 2008. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Programação de Pós-Graduação em Sociologia, Departamento de Sociologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

SILVA, Nelson do Valle. Morenidade: modos de usar. In: HASENBALG, Carlos; SILVA, Nelson do Valle; LIMA, Márcia (org.). Cor e estratificação social. Rio de Janeiro: Contra Capa, 1999. p. 86-106.

SPIRANDELLI, Claudinei Carlos. Professoras, cátedras e o ensino de sociologia na USP: anos 1940-1960. Revista Brasileira de Sociologia, São Cristóvão, v. 2, n. 3, p. 151-180, 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.20336/rbs.67. Acesso em: 16 out. 2019.

TUDOR, Carissa; YASHAR, Deborah. Gender and the editorial process: world politics, 2007-2017. PS: Political Science & Politics, Washington, v. 51, n. 4, p. 870-880, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1017/S1049096518000641. Acesso em: 16 out. 2019.

UNESCO. Contemporary political science: a survey of methods, research and teaching. Paris: Unesco, 1950.

Publicado
2019-12-13
Como Citar
Candido, M. R., Júnior, J. F., & Campos, L. A. (2019). Desigualdades na elite da Ciência Política brasileira. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 19(3), 564-582. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2019.3.33488
Seção
Dossiê: História, desenvolvimento e ensino da Ciência Política