Ciência Política como vocação: profissionalização de doutores em Ciência Política no Brasil, 1996-2014

Palavras-chave: Doutores em Ciência Política. Oportunidades de carreira. Pós-graduação. Profissionalização. Ciência Política.

Resumo

O problema que orienta este texto consiste em analisar se a expansão da Ciência Política no Brasil – sob a forma de instituições acadêmicas, associações científicas, produção intelectual e formação de novas gerações de pesquisadores – foi acompanhada pela absorção dos novos doutores formados nessas instituições, no mercado profissional. Para isso, concentra o seu foco na observação sobre os doutores em Ciência Política e Relações Internacionais, titulados pelas instituições de pós-graduação nacionais entre 1996 e 2014. Busca-se analisar as oportunidades de profissionalização após a conclusão do doutorado, considerando emprego, renda, setores de atividade profissional e circulação geográfica entre mestrado/doutorado/ emprego.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Marenco, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Ufrgs, Porto Alegre, RS

Doutor em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs, Porto Alegre, RS, Brasil). Professor titular do departamento de Ciência Política e do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs, Porto Alegre, RS, Brasil).

Referências

ALMEIDA, Maria Hermínia Tavares de. Ciência Política no Brasil, avanços e desafios. In: MARTINS, Carlos Benedito (org.). Para onde vai a pós graduação em ciências sociais no Brasil. Bauru: Edusc, 2005. p. 81-103.

AVRITZER, Leonardo; MILANI, Carlos; BRAGA, Maria do Socorro (org.). A ciência política no Brasil: 1960-2015. Rio de Janeiro: FGV, 2016. https://doi.org/10.1590/0103-335220192908

BENZ, Jennifer K. Reflect, then prepare for a career outside the academy. PS: Political Science and Politics, Washington, v. 49, n. 3, p. 504-506, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1017/s1049096516000834. Acesso em: 22 out. 2019.

BULCOURF, Pablo; MÁRQUEZ, Enrique Gutiérrez; CARDOZO, Nelson. El desarrollo de la Ciencia Política en Argentina, Brasil y México: construyendo una mirada comparada. Anuario Latinoamericano: Ciencias Politicas y Relaciones Internacionales, [s. l.], v. 1, p. 155-184, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.17951/al.2014.1.0.155. Acesso em: 22 out. 2019.

BULCOURF, Pablo; VAZQUEZ, Juan Cruz. La ciencia política como profesión. Post Data, [s. l.], n. 10, p. 255-304, 2004.

CGEE. Mestres e doutores 2015: estudos da demografia da base técnico científica brasileira. Brasília: CGEE, 2016.

CLARK, Chelsea. I don’t want to be a professor. Now what? PS: Political Science and Politics, Washington, v. 49, n. 3, p. 507-509, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1017/s1049096516000846. Acesso em: 22 out. 2019.

CLAYPOOL, Vicki et al. Determinants of salary dispersion among Political Science Faculty: the differential effects of where you work (institutional characteristics) and what you do (negotiate and publish). PS: Political Science and Politics, Washington, v. 50, n. 1, p. 146-156, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1017/s104909651600233x. Acesso em: 22 out. 2019.

DURHAM, Eunice. A institucionalização da avaliação. In: DURHAM, Eunice; SCHWARTZMAN, Simon (org.). Avaliação do ensino superior. São Paulo: Edusp, 1992.

EASTON, David; GRAZIANO, Luigi; GUNNEL, John. The development of political science a comparative survey. London: Routledge, 1991.

FOWLER, James H.; GROFMAN, Bernard; MASUOKA, Natalie. Social networks in political science: hiring and placement of Ph.D.s, 1960-2002. PS: Political Science and Politics, Washington, v. 40, n. 4, p. 729-739, 2007. Disponível em: https://doi.org/10.1017/s104909650707117x. Acesso em: 22 out. 2019.

GOODIN, Robert; KLINGEMANN, Hans-Dieter. Political science: the discipline. In: GOODIN, Robert; KLINGEMANN, Hans-Dieter (org.). A new handbook of political science. Oxford: Oxford University Press, 1996. p. 3-49. Disponível em: https://doi.org/10.1017/s0048840200028999. Acesso em: 22 out. 2019.

GROFMAN, Bernard; FELD, Scott; MASUOKA, Natalie. Direct and indirect influence among political science departments. UC Irvine: Center for the Study of Democracy, 2005. Disponível em: https://escholarship.org/uc/item/5t1223d4. Acesso em: 22 out. 2019.

GUIMARÃES, Reinaldo. A diáspora: um estudo exploratório sobre o deslocamento geográfico de pesquisadores brasileiros na década de 90. Dados, Rio de Janeiro, v. 45, n. 4, p. 705-750, 2002. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0011-52582002000400006. Acesso em: 22 out. 2019.

GUNDERSEN, Adolf. Neither star, nor gypsy: how I found happiness outside academy, PS: Political Science and Politics, Washington, v. 49, n. 3, p. 513-515, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1017/S104909651600086X. Acesso em: 22 out. 2019.

GUNNEL, John G. Founding of the American Political Science Association: discipline, profession, political theory, and politics. The American Political Science Review, Baltimore, v. 100, n. 4, p. 479-483, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.1017/S0003055406062320. Acesso em: 23 out. 2019.

IBGE. Classificação nacional de atividades econômicas, versão 2.0. Brasília: IBGE, 2007.

KLARNER, Carl. Beyond the ivory tower: political science careers outside academia. PS: Political Science and Politics, Washington, v. 49, n. 3, p. 501-504, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1017/S1049096516000822. Acesso em: 22 out. 2019.

LEITE, Fernando; CODATO, Adriano; PERISSINOTTO, Renato. Midiendo el capital académico de la Ciencia Política y la Sociología Política producida en Brasil. Anuario Latinoamericano: Ciencias Políticas y Relaciones Internacionales, [s. l.], v. 5, p. 61-79, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.17951/al.2017.5.61. Acesso em: 22 out. 2019.

LEWIS, Gregory. Do political science majors succeed in the labor market? PS: Political Science and Politics, Washington, v. 50, n. 2, p. 467-472, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1017/S1049096516003012. Acesso em: 22 out. 2019.

MADEIRA, Rafael Machado; MARENCO, André. Os desafios da internacionalização: mapeando dinâmicas e rotas da circulação internacional. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, v. 19, p. 47 74, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0103-335220161903. Acesso em: 22 out. 2019.

MARENCO, André. The three Achilles’ heels of Brazilian political science. Brazilian Political Science Review, São Paulo, v. 8, n. 3, p. 3-38, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1981-38212014000100019. Acesso em: 22 out. 2019.

MARENCO, André. When institutions matter: Capes and political science in Brazil, Revista de Ciência Política, Santiago, v. 35, n. 1, p.33-46, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.4067/S0718-090X2015000100003. Acesso em: 22 out. 2019.

MASUOKA, Natalie; GROFMAN, Bernard; FELD, Scott L. The production and placement of Political Science Ph.D.s, 1902-2000. PS: Political Science and Politics, Washington, v. 40, n. 2, p. 361-366, 2007. Disponível em: https://doi.org/10.1017/S1049096507070576. Acesso em: 22 out. 2019.

MICELI, Sérgio. História das Ciências Sociais no Brasil. São Paulo: Sumaré, 1995.

OPRISKO, Robert; DOBBS, Kirstie; DIGRAZIA, Joseph. Honor, prestige, and the academy: a portrait of political science tenured and tenure: track faculty in Ph.D. granting institutions (2012-2013). In: ANNUAL MEETING OF THE AMERICAN POLITICAL SCIENCE ASSOCIATION, 2013, Chicago. Proceedings […]. Chicago: [s. n.], 2013.

RANNEY, Austin. Political Science: the state of the profession: a review article. Political Science Quarterly, New York, v. 80, n. 2, p. 277-287, 1965. Disponível em: https://doi.org/10.2307/2147743. Acesso em: 22 out. 2019.

SOMIT, Albert; TANENHAUS, Joseph. American political science: a profile of the discipline. New York: Atherton, 1964.

SOMIT, Albert; TANENHAUS, Joseph. The development of American political science: from Burgess to behavioralism. New York: Allyn and Bacon, 1967. https://doi.org/10.1177/106591296902200135

SOMIT, Albert; TANENHAUS, Joseph. Trends in American political science: some analytical notes. The American Political Science Review, Baltimore, v. 57, n. 4, p. 933-938, 1963. Disponível em: https://doi.org/10.2307/1952610 . Acesso em: 22 out. 2019.

VELHO, Lea. Formação de doutores no país e no exterior: estratégias alternativas ou complementares? Dados, Rio de Janeiro, v. 44, n. 3, p. 607-631, 2001. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0011-52582001000300005. Acesso em: 22 out. 2019.

Publicado
2019-12-13
Como Citar
Marenco, A. (2019). Ciência Política como vocação: profissionalização de doutores em Ciência Política no Brasil, 1996-2014. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 19(3), 523-544. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2019.3.32941
Seção
Dossiê: História, desenvolvimento e ensino da Ciência Política