A vida na rua como paradigma-matrioshka

Palavras-chave: Metodologia, Paradigma, Pobreza, Poder, Vida na rua.

Resumo

Este texto expõe uma posição metodológica. A vida na rua é menos interessante como objeto de estudo fechado sobre si mesmo do que como meio para aceder ao mundo em que existe. Enquanto objeto analítico, a vida na rua pode ser metodologicamente entendida como um paradigma (um exemplar) multidimensional cujo estudo permite compreender diversos dos fenómenos sociais mais relevantes no modelo societal moderno ocidental. Com este posicionamento em mente, a sociologia da vida na rua é substituída por uma sociologia que opera através da vida na rua, usando este fenómeno para abordar o universo de relações de poder que caracterizam este modelo societal. Sem pretender avançar uma lista exaustiva dos fenómenos que podem ser compreendidos através dela, entre as várias expressões do poder que são acessíveis pelo estudo da vida na rua, contemplam-se a pobreza, a vida do homo sacer na exceção permanente e o governo da alteridade desqualificada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Aldeia, Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra
Doutor em Sociologia pela Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, com o acolhimento científico do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.

Referências

ABADÍA, Óscar Moro. ¿Qué es un dispositivo? Empiria: revista de metodología de Ciencias Sociales, v. 6, p. 29-46, 2003 10.5944/empiria.6.2003.933.

AGAMBEN, Giorgio. O poder soberano e a vida nua: homo sacer. Lisboa: Presença, 1998.

AGAMBEN, Giorgio. What is a paradigm? In: Giorgio Agamben. The signature of all things: on method. New York: Zone Books, 2009a. p. 9-32.

AGAMBEN, Giorgio. O que é um dispositivo? In: Giorgio Agamben. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009b. p. 25-51.

AGAMBEN, Giorgio. Estado de excepção. Lisboa: Edições 70, 2010.

ALDEIA, João. Governar a vida na rua: ensaio sobre a bio-tanato-política que faz os sem-abrigo sobreviver. Coimbra: Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, 2016. Tese de doutorado em Sociologia.

BINKLEY, Sam. Psychological life as enterprise: social practice and the government of neo-liberal interiority. History of the Human Sciences, v. 24, n. 3, p. 83-102, 2011 10.1177/0952695111412877.

BENJAMIN, Walter. Theses on the Philosophy of History. In: Walter Benjamin. Illuminations: essays and reflections. New York: Schocken Books, 2007 [ed. orig.: 1950]. p. 253-264.

CANGUILHEM, Georges. The normal and the pathological. New York: Zone Books, 2007 [ed. orig.: 1966].

DELEUZE, Gilles. What is a dispositif? In: Timothy J. Armstrong (org.). Michel Foucault: philosopher. New York: Routledge, 1992. p. 159-168.

ESPOSITO, Roberto. Bios: biopolítica e filosofia. Lisboa: Edições 70, 2010a.

ESPOSITO, Roberto. Communitas: the origin and destiny of community. Stanford: Stanford University Press, 2010b.

ESPOSITO, Roberto. Immunitas: the protection and negation of life. Cambridge: Polity, 2011.

FOUCAULT, Michel. Truth and power. In: Colin Gordon (org.). Michel Foucault. Power/knowledge: selected interviews and other writings, 1972-1977. New York: Pantheon, 1980a. p. 109-133.

FOUCAULT, Michel. The confession of the flesh. In: Colin Gordon (org.). Michel Foucault. Power/knowledge: selected interviews and other writings, 1972-1977. New York: Pantheon Books, 1980b. p. 194-228.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade – I: a vontade de saber. Lisboa: Relógio D’Água, 1994.

FOUCAULT, Michel. Les anormaux: cours au Collège de France, 1974-1975. Paris: Ehess, Gallimard, Seuil, 1999.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Lisboa: Relógio D’Água, 2005.

FOUCAULT, Michel. É preciso defender a sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). Lisboa: Livros do Brasil, 2006.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. Lisboa: Edições 70, 2010 [ed. orig.: 2004].

FOUCAULT, Michel. Du gouvernement des vivants: Cours au Collège de France, 1979-1980. Paris: Ehess, Gallimard, Seuil, 2012.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. Lisboa: Guerra e Paz, 2009 [ed. orig.: 1962].

LAW, John. After method: mess in social science research. London: Routledge, 2004.

MOL, Annemarie. The body multiple: ontology in medical practice. Durham: Duke University Press, 2002.

RAFFNSØE, Sverre; GUDMAND-HØYER, Marius; THANING, Morten S. What is a dispositive? Foucault’s historical mappings of the networks of social reality. 2014.

http://openarchive.cbs.dk/bitstream/handle/10398/9077/Raffnsoe.pdf?sequence=1.

SCHMITT, Carl. Political Theology: four chapters on the concept of sovereignty. Chicago e London: University of Chicago Press, 2005 [ed. orig.: 1922].

SCHRAM, Sanford F. Return to politics: perestroika, phronesis, and post-paradigmatic political science. In: Sanford F. Schram; Brian Caterino (orgs.). Making political science matter: debating knowledge, research and method. New York: New York University Press, 2006. p. 17-32.

SIMMEL, Georg. The sociology of Georg Simmel. Glencoe: The Free Press, s. d. SIMMEL, Georg. Les pauvres. Paris: PUF, 2008 [ed. orig.: 1908].

Publicado
2019-02-27
Como Citar
Aldeia, J. (2019). A vida na rua como paradigma-matrioshka. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 19(1), 213-229. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2019.1.30051
Seção
Dossiê: Vida na rua – contribuições analíticas do campo das ciências sociais