Arthur Ramos e a rotinização da Antropologia através de seu ensino

Palavras-chave: Arthur Ramos. Ensino de Antropologia. Ensino de Ciências Sociais. Antropologia brasileira. Pensamento social brasileiro.

Resumo

Arthur Ramos (1903-1949) foi um dos mais relevantes antropólogos brasileiros do século 20, não apenas devido à sua inestimável contribuição ao debate acerca das culturas afro-brasileiras, como também pelo seu papel no processo de institucionalização da Antropologia no Brasil, com destaque para a fundação em 1941 da Sociedade Brasileira de Antropologia e Etnologia (SBAE). Apesar do crescente interesse pelo seu legado intelectual, os esforços de revisita a seu trabalho pouco têm se dedicado ao processo de rotinização do conhecimento antropológico por ele desempenhado, principalmente a partir de sua atuação na Faculdade Nacional de Filosofia. Proponho-me neste trabalho analisar a rotinização do conhecimento antropológico a partir da atuação de Arthur Ramos como docente, partindo do exame de seus planos de curso, orientações para alunos etc., disponíveis para consulta no acervo da Biblioteca Nacional (BN). Trata-se de uma abordagem sobre a história da Antropologia brasileira que visa compreendê-la a partir de seu ensino, e não simplesmente a partir dos resultados das pesquisas desenvolvidas e das publicações daí resultantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amurabi Oliveira, Universidade Federal de Santa Catarina, Ufsc, Florianópolis, SC.

Doutor em Sociologia pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE, Recife, PE, Brasil). Professor do departamento de Sociologia e Ciência Política da Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc, Florianópolis, SC, Brasil).

Referências

ARQUIVO, Arthur Ramos. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 2004.

AZEREDO, Paulo Roberto. Antropólogos e pioneiros: a história da Sociedade Brasileira de Antropologia e Etnologia. São Paulo: Edusp, 1986.

BARROS, Luitgarde Oliveira Cavalcanti (org.). Arthur Ramos. Rio de Janeiro: Fundação Miguel de Cervantes, 2011.

BARROS, Luitgarde Oliveira Cavalcanti (org.). Arthur Ramos e as dinâmicas sociais de seu tempo. Maceió: Edufal, 2008.

BOURDIEU, Pierre. Homo academicus. Florianópolis: Edufsc, 2011.

CAMPOS, Maria José. Arthur Ramos: luz e sombra na antropologia brasileira. Rio de Janeiro: Edições Biblioteca Nacional, 2004.

CORRÊA, Mariza. Cartas marcadas: Arthur Ramos e o campo das relações raciais no final dos anos trinta. Anais da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, n. 119, p. 35-58, 1999.

CORRÊA, Mariza. Dona Heloisa e a pesquisa de campo. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 40, n. 1, p. 11-54, 1997. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-77011997000100002. Acesso em: 22 out. 2019.

CORRÊA, Mariza. Ilusões de liberdade: a escola Nina Rodrigues e a antropologia no Brasil. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2013. https://doi.org/10.7476/9788575415696

FÁVERO, Maria de Lourdes. Faculdade Nacional de Filosofia: o corpo docente – matizes de uma proposta autoritária. Rio de Janeiro: UFRJ, 1989.

FREYRE, Gilberto. Como e porque sou e não sou sociólogo. Brasília: UnB, 1968.

KEULLER, Adriana Tavares do Amaral Martins. Os estudos físicos de antropologia no Museu Nacional do Rio de Janeiro: cientistas, objetos, ideias e instrumentos (1876-1939). 2008. Tese (Doutorado em Ciências) – Programa de Pós-Graduação em História Social, Departamento de História, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. https://doi.org/10.11606/t.8.2008.tde-18092008-161852

MEUCCI, Simone. Artesania da Sociologia no Brasil: contribuições e interpretações de Gilberto Freyre. Curitiba: Appris, 2015.

MEUCCI, Simone. Institucionalização da sociologia no Brasil: primeiros manuais e cursos. São Paulo: Hucitec, 2011.

MICELI, Sergio. Condicionantes do desenvolvimento das ciências sociais. In: MICELI, Sérgio (org.). História das ciências sociais no Brasil. São Paulo: Vértice, 1989. v. 1, p. 72-110. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i169p421-426

MOTTA, Roberto. Arthur Ramos, sincretismo e mentalidade pré-lógica em O negro brasileiro. In: BARROS, Luitgarde Oliveira Cavalcanti (org.). Arthur Ramos. Rio de Janeiro: Fundação Miguel de Cervantes, 2011. p. 30-80.

OLIVEIRA, Lúcia Maria Lippi. As ciências sociais no Rio de Janeiro. In: MICELI, Sérgio (org.). História das ciências sociais no Brasil. São Paulo: Sumaré, 1995. v. 2, p. 233-307.

RAMOS, Arthur. A aculturação negra no Brasil. Rio de Janeiro: Companhia Editora Nacional, 1942.

RAMOS, Arthur. A criança problema. São Paulo: Casa do Estudante do Brasil, 1950.

RAMOS, Arthur. Os grandes problemas da antropologia brasileira. Mana, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 195-212, 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0104-93132015v21n1p195. Acesso em: 22 out. 2019.

RIBEIRO, Adélia Maria Miglievich. Marina de Vasconcellos e as ciências sociais cariocas: a perspectiva dos círculos sociais. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 15, p. 17-41, 2008. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702008000500002. Acesso em: 22 out. 2019.

WEBER, Max. Economia e sociedade. Brasília: UnB, 1999. v. 1.

Publicado
2019-12-13
Como Citar
Oliveira, A. (2019). Arthur Ramos e a rotinização da Antropologia através de seu ensino. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 19(3), 659-674. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2019.3.28480