A fundação do Partido Democrático Trabalhista (PDT) no exílio

  • Teresa Cristina Schneider Marques Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
  • Leandro Pereira Gonçalves Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Leonel Brizola. Trabalhismo. Exílio. Partido Democrático Trabalhista

Resumo

O presente artigo analisa a fase genética do Partido Democrático Trabalhista (PDT), um partido político de cunho nacional, mas fundado em Portugal por Leonel Brizola e outros brasileiros durante o exílio. A particular origem do PDT nos leva a refletir sobre o papel do exílio imposto às suas lideranças para a compreensão das primeiras escolhas que marcam a trajetória do partido. A pesquisa indicou que o contexto no qual o PDT foi criado – marcado pela redemocratização portuguesa e pelo jogo transnacional em que os exilados são inseridos ao deixar o país – influenciou as suas principais lideranças e criou as condições para o surgimento do chamado “socialismo moreno”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Teresa Cristina Schneider Marques, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Doutora em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com estágio doutoral em Relações Internacionais no Institut d'Études Politiques de Paris (Sciences Po). Professora adjunta do programa de pós-graduação em Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).
Leandro Pereira Gonçalves, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Professor Adjunto do Programa de Pós-Graduação em História da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PPGH/PUCRS) e Docente do Curso de Graduação em História. Com Pós-Doutorado pela Universidad Nacional de Córdoba (Centro de Estudios Avanzados/Argentina), é Doutor em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) com estágio (Junior Visiting Fellow) no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (ICS-UL).

Referências

ALVES, Maria Helena Moreira. Estado e oposição no Brasil (1964-1984). Bauru: Edusc, 2005.

ARRAES Brizola e Julião: os três mais famosos. Anistia, p. 41, São Paulo, abr. 1978.

BDIC, Archives. F Delta 1119 (1-2). Recueil: Répression et Droits de l’homme au Brésil. Documents divers: 1969-1986.

BATISTELLA, Alessandro. O trabalhismo getulista-reformista do antigo PTB e o “novo trabalhismo” do PDT: continuidades e descontinuidades. Aedos, v. 5, n. 12, p. 116-132, 2013.

CARTA de Lisboa. Lisboa, 17 de junho de 1979 <http://pdt12.locaweb.com.br/ memoria.asp?id=17> (15 jan. 2016).

CARVALHO, Thiago. O Brasil e o fim do império português. In: Miguel Bandeira Jerónimo; António Costa Pinto (orgs.). Portugal e o fim do colonialismo. Lisboa: Edições 70, 2014. p. 155-178.

CONSTITUINTE , abertura, novos partidos. Anistia. São Paulo, abr. 1978. p. 43. BDIC, Archives: F Delta 1119 (1-2). Recueil: Répression et Droits de l’homme au Brésil. Documents divers: 1969-1986.

D’ARAÚJO, Maria Celina. Sindicatos, carisma e poder: o PTB de 1945 a 1965. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, 1996.

DAHL, Robert. Poliarquia. São Paulo: Edusp, 1997.

DEVIN, Guillaume. Introduction: les solidarités transnationales, phénomène social à l’échelle mondiale. In: Guillaume Devin (org.). Les solidarités transnationales. Paris: L’Harmattan, 2004. p. 17-18.

EM LISBOA, semana de solidariedade com o Brasil. Anistia. São Paulo, abr. 1978. p. 07. BDIC, Archives: F Delta 1119 (1-2). Recueil: Répression et Droits de l’homme au Brésil. Documents divers: 1969-1986.

FORTI NETO, Octavio. Partidos políticos transnacionais: elementos para uma possível definição. In: IV Encontro Nacional da Associação Brasileira de Relações Internacionais (Abri). Anais... Belo Horizonte, 2013 (24 jan. 2016).

FREIRE, Américo. Ecos da estação Lisboa: o exílio das esquerdas brasileiras em Portugal. Sociologia, problemas e práticas, n. 64, p. 37-57, 2010 <10.7458/ SPP2010647783>.

GONÇALVES, Leandro Pereira. Entre Brasil e Portugal: trajetória e pensamento de Plínio Salgado e a influência do conservadorismo português. São Paulo, 2012. Tese de doutorado em História, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

JUBILUT, Liliana Lyra. O direito internacional dos refugiados e sua aplicação no ordenamento jurídico brasileiro. São Paulo: Método, 2007.

KAISER, Karl. Transnational politics: toward a theory of multinational politics. International Organization, v. 25, n. 4, p. 790-817, 1971 <1017/S0020818300017732>.

MARQUES, Teresa Cristina Schneider. Militância política e solidariedades transnacionais: a trajetória política dos exilados brasileiros no Chile e na França (1964-1979). Porto Alegre, 2011. Tese de doutorado em Ciência Política, Programa de Pós-Graduação em Ciência Política, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

MARQUES, Teresa Cristina Schneider. Ditadura, exílio e oposição: os exilados brasileiros no Uruguai (1964-1968). Cuiabá, 2006. Dissertação de mestrado em História, Programa de Pós-graduação em História, Universidade Federal de Mato Grosso.

NORONHA, Ricardo. Lutas sociais e nacionalizações (1974-75): A banca ao serviço do povo. In: Raquel Varela; Ricardo Noronha; Joana Dias Pereira. Greves e conflitos sociais em Portugal. Lisboa: Colibri, 2012. p. 225-236.

PANEBIANCO, A. Modelos de partido: organização e poder nos partidos políticos. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

PINTO, António Costa. A vida política. In: António Costa Pinta (org.). A busca da democracia: 1960-2000. Lisboa: Objectiva; Fundación Mapfre, 2015. p. 25-54.

REZOLA, Maria Inácia. 25 de Abril: mitos de uma revolução. Lisboa: Esfera dos Livros, 2011.

RIBEIRO, Pedro Floriano. Realismo e utopia em Michels. Revista Sociologia e Política, v. 20, n. 44, p. 31-46, 2012 <10.5380/rsp.v20i44.34418>.

RONIGER, Luis. Exílio massivo, inclusão e exclusão política no século XX. Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 53, n. 1, p. 91-123, 2010 <10.1590/ S0011-52582010000100004>.

SECCO, Lincoln. A Revolução dos Cravos e a crise do império colônia português: economias, espaços e tomadas de consciência. São Paulo: Alameda, 2004.

SENTO-SÉ, João Trajano. Um encontro em Lisboa: o novo trabalhismo do PDT. In: Jorge Ferreira; Daniel Aarão Reis (orgs.). Revolução e democracia (1964-...). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. p. 429-450.

SOARES, Mário. Depoimento. In: Refundação do trabalhismo. 25 maio 2011. (23 fev. 2016).

TILLY, Charles; TARROW, Sidney. Politique(s) du conflit: de la grève à la révolution. Paris: Presses de Sciences Po, 2008. Um comit ê pioneiro. Anistia. São Paulo, abr. 1978. p. 44. BDIC, Archives: F Delta 1119 (1-2). Recueil: Répression et Droits de l’homme au Brésil. Documents divers: 1969-1986.

VAINFAS, Ronaldo. A luz própria de Leonel Brizola: do trabalhismo getulista

ao socialismo moreno. In: Jorge Ferreira; Daniel Aarão Reis (orgs.). Revolução e democracia (1964-...). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. p. 479-502.

Publicado
2016-11-28
Como Citar
Marques, T. C. S., & Gonçalves, L. P. (2016). A fundação do Partido Democrático Trabalhista (PDT) no exílio. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 16(3), 399-416. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2016.3.23504
Seção
Estado e sociedade em tempos de transnacionalismo