Interpretação de atos de fala

Metáforas e o papel da abdução

Palavras-chave: Interpretação, Atos de fala, Intencionalidade, Abdução, Metáforas

Resumo

Neste artigo apresentamos de forma breve uma teoria searliana de interpretação dos atos de fala. Mostramos através do exemplo das metáforas que, conforme proposta por Searle, a interpretação de atos de fala consistiria em reconhecer a intenção do falante. Esse processo se daria por meio do uso de regras convencionais da linguagem tanto pelo falante quanto pelo ouvinte. Contudo, as metáforas são um exemplo de que essa proposta de interpretação não é suficiente para descrever o processo pelo qual os agentes interpretam atos de fala. Argumentamos que se deve acrescentar a esse processo a noção de regras estratégicas. Seguindo Peirce, duas regras estratégicas são oferecidas: o princípio da coerência e o princípio da economia. Parece também satisfatório acrescentar o princípio da não-contradição. Embora estudos empíricos não sejam definitivos sobre o tema da interpretação, em especial sobre metáforas, os resultados apontam para a aplicação de regras estratégicas na interpretação. Finalmente, é sugerido que se Searle está certo ao dizer que interpretação é o reconhecimento da intenção do falante, então a interpretação depende do uso de regras convencionais e do uso de regras estratégicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bernardo Alonso, Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT), Cuiabá, MT, Brasil.

Doutor em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil e pela University of Hertfordshire (UF), Hertfordshire, Reino Unido; mestre em filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil; professor associado do Departamento de Filosofia da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT), em Cuiabá, MT, Brasil.

José Carlos Camillo, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, GO, Brasil.

Doutorando em Filosofia pela Universidade Federal de Goiás (UFG), em Goiânia, GO, Brasil; mestre em Filosofia pela Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT), em Cuiabá, MT, Brasil; bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de Goiás (FAPEG), em Goiânia, GO, Brasil.

Referências

ALONSO, Bernardo. A tese da veracidade na teoria da informação fortemente semântica de Floridi e o paradoxo de Bar-Hillel-Carnap. Veritas, Porto Alegre, v. 57, n. 2, p. 123-142, 2012.

COLSTON, Helbert; GIBBS, Raymond Jr. Metaphor processing. In: SEMINO, Elena; DEMJÉN, Zsófia. The Routledge handbook of metaphor and language. New York: Routledge, 2017. p. 457-472.

CHOMSKY, Noam. Estruturas sintáticas. Petrópolis: Vozes, 2018.

ECO, Umberto. Semiótica e filosofia da linguagem. Lisboa: Instituto Piaget, 1984.

FLORIDI, Luciano. In defense of the veridical nature of semantic information. European Journal of Analytic Philosophy, Rijeka, v. 3, n. 1, p. 31-41, 2007.

GENTNER, Dedre; BOWDLE, Brian. Metaphor as structure-mapping. In: GIBBS, Raymond. The Cambridge handbook of metaphor and thought. Cambridge: Cambridge University Press, 2008. p. 109-128.

GIORA, Rachel. Is metaphor unique? In: GIBBS, Raymond. The Cambridge handbook of metaphor and thought. Cambridge: Cambridge University Press, 2008. p. 141-160.

GLUCKSBERG, Sam. The psycholinguistics of metaphor. Trends in Cognitive Science, Amsterdam, v. 7, n. 2, p. 92-96, 2003.

GLUCKSBERG, Sam; GILDEA, Patricia; BOOKIN, Howard. On understanding nonliteral speech: can people ignore metaphors? Journal of Verbal Learning and Verbal Behavior, Amsterdam, v. 21, p. 85-98, 1982.

GLUCKSBERG, Sam; NEWSOME, Mary; GOLDVARG, Yevgeniya. Inhibition of the literal: filtering metaphor-irrelevant information during metaphor comprehension. Metaphor and Symbol, London, v. 16, n. 4, p. 277-293, 2001.

HASSON, Uri; GLUCKSBERG, Sam. Does understanding negation entail affirmation? Journal of Pragmatics, Amsterdam, v. 38, p. 1015-1032, 2006.

HINTIKKA, Jaakko. Socratic epistemology: explorations of knowledge-seeking by questioning. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

JOHNSON, Mark. Philosophy’s debt to metaphor. In: GIBBS, Raymond. The Cambridge handbook of metaphor and thought. Cambridge: Cambridge University Press, 2008. p. 19-52.

KATZ, Albert. Psycholinguistic approaches to metaphor acquisition and use. In: SEMINO, Elena.; DEMJÉN, Zsófia. The routledge handbook of metaphor and language. New York: Routledge, 2017. p. 457-471.

LAKOFF, George. The neural theory of metaphor. In: GIBBS, Raymond. The Cambridge handbook of metaphor and thought. Cambridge: Cambridge University Press, 2008. p. 17-38.

LAKOFF, George; JOHNSON, Mark. Metaphors we live by. Chicago: The University of Chicago Press, 2003.

MAGNANI, Lorenzo. Abductive cognition: the epistemological and eco-cognitive dimensions of hypothetical reasoning. Berlin: Springer, 2009.

MAITRA, Ishani. The nature of epistemic injustice. Philosophical books, New Jersey, v. 51, n. 4, p. 195-211, 2010.

PEIRCE, Charles Sanders. (CP) Collected Papers of Charles Sanders Peirce. 8 vols. Cambridge: Harvard University Press, 1931-1958. 8 v.

SEARLE, John R. Speech Acts: an essay in the philosophy of language. New York: Cambridge University Press, 1969.

SEARLE, John R. Expression and meaning: studies in the theory of speech acts. New York: Cambridge University Press, 1979.

SEARLE, John R. Intentionality: an essay in the philosophy of mind. New York: Cambridge University Press, 1983.

SEARLE, John R. Mind, language, and society: philosophy in the real world. New York: Basic Books, 1998.

VAN BERKUM, Jos. Understanding sentences in context: what brain waves can tell us. Current directions in Psychological Science, Thousand Oaks, v. 17, n. 6, p. 376-380, 2008.

Publicado
2022-06-30
Como Citar
Alonso, B., & Camillo, J. C. (2022). Interpretação de atos de fala: Metáforas e o papel da abdução. Veritas (Porto Alegre), 67(1), e40490. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2022.1.40490
Seção
Epistemologia & Filosofia da Linguagem