Interseccionalidade e lugar de fala

Uma articulação lógico-operatória com base no conceito de mundo estratificado setorial

Palavras-chave: Interseccionalidade, Lugar de fala, Lógica de Hegel, Mundo de gênero, Mundo do espírito

Resumo

Este artigo traz, desde uma perspectiva lógico-hegeliana, uma proposta de articulação operatória das noções de interseccionalidade e lugar de fala, com as quais, muitas vezes, se realizam análises de discursos e de situações sociais. O fundamento da proposta é a sequência de silogismos de ideias que, derivados da Lógica de Hegel, estratificam a noção de mundo em três níveis: mundo do sujeito, mundo do gênero e mundo do espírito. O artigo complementa esse fundamento introduzindo duas operações, particionamento de ideias e superposição de partições de ideias, com as quais é derivado o conceito geral mundo setorial. O artigo mostra, então, como as noções de interseccionalidade e lugar de fala podem ser articuladas operatoriamente pelas três formas particulares e estratificadas desse conceito geral: mundo do sujeito setorial, mundo do gênero setorial e mundo do espírito setorial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antônio Carlos da Rocha Costa, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutor em Ciência da Computação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil; doutorando do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil; professor aposentado da Universidade Federal do Rio Grande (FURG), em Rio Grande, RS, Brasil.

Referências

AKOTIRENE, C. Interseccionalidade. São Paulo: Pólen, 2019.

AMARAL, M. F. Lugares de Fala: Um conceito para Abordar o Segmento Popular da Grande Imprensa. Contracampo, Niterói, v. 12, p. 103-114, jan./jul., 2005.

COSTA, A. C. R. Situated Ideological Systems: A Formal Concept, a Computational Notation, some Applications. Axiomathes, Cham, v. 27, p. 15-78, 2017.

COSTA, A. C. R. Para uma Leitura Operatória da Lógica de Hegel – Experimentos Iniciais. Porto Alegre: Editora Fi, 2019.

COSTA, A. C. R. Derivaçã o do Silogismo Sujeito-Gênero- Espírito que está Implícito na Noçã o de Vida da Ciência da Lógica de Hegel. Revista Ágora Filosófica, Boa Vista, v. 20, n. 3, p. 25-82, 2020a.

COSTA, A. C. R. A Derivaçã o da Noçã o de Objeto na “Ciência da Lógica” de Hegel: Uma apresentaçã o esquemática. Revista Opinião Filosófica, Porto Alegre, v. 11, n. 1E, p. 1-15, 2020b. (Dossiê: Teoria do Objeto na Lógica de Hegel).

COSTA, A. C. R. Estruturalismo e Finitude, Pós-Estruturalismo e Progressão Infinita: Uma Análise Lógico-Hegeliana da Apresentação do Estruturalismo e do Pós-Estruturalismo por James Williams. Artigo apresentado em 16/09/2021 na XXI Semana Acadêmica do PPGFil da PUCRS, 2021a. No prelo.

COSTA, A. C. R. O conceito Hegeliano de Objetividade ideal e a Noção Contemporânea de Modelo Matemático. Porto Alegre: PPGFil/PUCRS, 2021b. Submetido à publicação.

COLLINS, P. H. Comment on Hekman’s “Truth and Method: Feminist Standpoint Theory Revisited”: Where’s the Power? Signs, Chicago, v. 22, n. 2, p. 375-381,1997.

COLLINS, P. H. & BILGE, S. Interseccionality. Cambridge: Polity Press, 2016.

CRENSHAW, K, Demarginalizing the Intersection of Race and Sex: A Black Feminist Critique of Antidiscrimination Doctrine, Feminist Theory and Antiracist Politics. University of Chicago Legal Forum, Chicago, n. 1, p. 139-167, 1989.

HARAWAY, D. Saberes Localizados: A Questão da Ciência para o Feminismo e o Privilégio da Perspectiva Parcial. Cadernos Pagu, Campinas, v. 5, p. 7-41, 1995.

HARDING, S. Whose science? Whose knowledge? Thinking from women’s lives. Ithaca: Cornell University Press, 1991.

HEGEL, G. W. F. Fenomenologia do Espírito. Petrópolis: Vozes, 2002.

HEGEL, G. W. F. Enciclopédia das Ciências Filosóficas em Compêndio – Volume I: A Ciência da Lógica. São Paulo: Loyola, 2012.

HEGEL, G. W. F. Ciência da Lógica - Doutrina do Ser. Petrópolis: Vozes, 2016.

HEGEL, G. W. F. Ciência da Lógica - Doutrina do conceito. Petrópolis: Vozes, 2018.

HOLLANDA, H. B. Interseccionalidades: Pioneiras do Feminismo Negro Brasileiro. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

MARCONDES, M. M.; PINHEIRO, L.; QUEIROZ, C.; QUERINO, A. C.; VALVERDE, D. (org.). Dossiê Mulheres Negras – Retrato das Condições de Vida da Mulheres Negras no Brasil. Brasília: IPEA, 2013.

MARX, K.; ENGELS, F. A Ideologia Alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

MOMBAÇA, J. Notas estratégicas quanto aos usos políticos do conceito de lugar de fala. In: Buala. Lisboa, 19 jul. 2017. Disponível em: https://www.buala.org/pt/corpo/notas-estrategicas-quanto-aos-usos-politicos-do-conceito-de-lugar-de-fala. Acesso em: 14 nov. 2021.

NG, K. Hegel’s Concept of Life: Self-Consciousness, Freedom, Logic. Oxford: Oxford University Press, 2020.

PINHEIRO, L. S.; LIMA Jr., A. T.; FONTOURA, N. O.; SILVA, R (org.). Mulheres no Trabalho: Breve Análise do Período 2004-2014. Brasília: IPEA, 2016. (Nota Técnica, n. 24).

RIBEIRO, D. Lugar de Fala. São Paulo: Pólen Livros, 2019.

ROLIN, K. Standpoint Theory as a Methodology for the Study of Power Relations. Hypatia, Cambridge, v. 24, n. 4, p. 218-226, 2009.

SILVA, M. Z. A. Vida e Finalismo na Ciência da Lógica. Campinas: Editora Phi, 2018.

Publicado
2022-08-24
Como Citar
Costa, A. C. da R. (2022). Interseccionalidade e lugar de fala: Uma articulação lógico-operatória com base no conceito de mundo estratificado setorial. Veritas (Porto Alegre), 67(1), e39787. https://doi.org/10.15448/1984-6746.2022.1.39787
Seção
Epistemologia & Filosofia da Linguagem