Os migrantes e a hospitalidade

Um olhar transdisciplinar para a construção da paz, a partir de aspectos bíblicos e da legislação brasileira

Palavras-chave: Migrantes, Violência, Hospitalidade, Direitos Humanos, Cultura da Paz

Resumo

O estudo que propomos é um olhar sobre a realidade migratória de indivíduos ou de grupos que saem de seus habitats ou são expulsos pelas guerras, e buscam em outros lugares uma “tábua de salvação”, diante dos perigos e das dificuldades que vivem. No confronto com a Escritura Sagrada percebe-se que o ser humano, em lugar de ter a consciência de hóspede ou inquilino do Paraíso recebido pelo Criador, assumiu a condição de proprietário e, com isso, estabeleceu limites, territórios, divisões e fronteiras arbitrárias, via de regra, implantadas pela força das armas. Essa usurpação da violência faz surgir a realidade dos despejados, rejeitados ou expulsos de seus ambientes de origem, provocando os fenômenos migratórios. Nesse confronto, buscamos alguns princípios da legislação brasileira favoráveis aos migrantes e alguns princípios bíblicos para a construção de uma cultura da paz e da hospitalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isidoro Mazzarolo, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutor em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Pós-doutor em exegese bíblica pela École Biblique et Archéologique Française de Jerusalém (ÉCOLE BIBLIQUE), em Jerusalém, Israel. Professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Jonas da Silva Duarte, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Mestre em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Bacharel em Direito pela mesma instituição.

Referências

BARROS, M. Voltar ao primeiro amor, o compromisso da Igreja latino-americana e o bolivarianismo. Leitura Bíblica Latino-Americana a partir das culturas oprimidas. Estudos Bíblicos, Petrópolis, v. 31, n. 121, p. 11-21, 2014.

BAUER, W. Wörterbuch zum Neuen Testament. Berlin: Walter de Gruyter, 1971.

BIBLEWORKS 10. Nortfolk, 2018.

BONAZZI, B. Dizionario Greco-Italiano. Nuova edizione interamente rifatta. Napoli: Alberto Morano Editore, 1943.

BOUZON, E. Uma coleção de direito Babilônico pré-hammurabiano, Petrópolis, Vozes, 2001.

BOUZON, E. O Código de Hamurabi. Introdução, tradução do texto cuneiforme e comentários. Petrópolis: Vozes, 2001.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988. 21. ed. São Paulo: Vade Mecum Saraiva, 2019.

BRASIL. Lei nº 13.445, de 24 de maio de 2017. Institui a Lei de Migração. Brasília, DF: Presidência da República, [2017]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13445.htm. Acesso em: 16 nov. 2021.

BRASIL. Decreto nº 50.215, de 28 de janeiro de 1961. Promulga a Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados, concluída em Genebra, em 28 de julho de 1951. Brasília, DF: Presidência da República, [1961]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1950-1969/d50215.htm. Acesso em: 16 nov. 2021.

BRASIL. Decreto no 70.946, de 7 de agosto de 1972. Promulga o Protocolo sobre o Estatuto dos Refugiados. Brasília, DF: Presidência da República, [1972]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1970-1979/D70946.htm. Acesso em: 16 nov. 2021.

BRASIL. Decreto no 99.757, de 29 de novembro de 1990. Retifica o Decreto n° 98.602, de 19 de dezembro de 1989, que deu nova redação ao Decreto n° 50.215, de 28 de janeiro de 1961, que promulgou a Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados. Brasília, DF: Presidência da República, [1990]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/D99757.htm. Acesso em: 16 nov. 2021.

BRASIL. Lei nº 9.474, de 22 de julho de 1997. Define mecanismos para a implementação do Estatuto dos Refugiados de 1951, e determina outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, [1997]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9474.htm. Acesso em 16 nov. 2021.

BRASIL. Decreto nº 4.246, de 22 de maio de 2002. Promulga a Convenção sobre o Estatuto dos Apátridas. Brasília, DF: Presidência da República, [2002]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/d4246.htm. Acesso em: 16 nov. 2021.

BRASIL. Decreto nº 4.388, de 25 de setembro de 2002. Promulga o Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional. Brasília, DF: Presidência da República, [2002]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/d4388.htm. Acesso em: 16 nov. 2021.

CARTER, W. O Evangelho de São Mateus; Comentário sociopolítico e Religioso a partir das margens. São Paulo: Paulus, 2002.

De VAUX, R. Le Istituzioni dell´Antico Testamento. Torino: Marietti, 1977.

FERNANDES, L. A. A base Veterotestamentária da imitação de Deus em Lc 6,36-38. In: FERNANDES, L. A. (org.). Traços da misericórdia de Deus segundo Lucas. São Paulo: Academia Cristã, p. 11-48, 2016.

FERREIRA, J. A.; MESQUITA, I. N. Os escravos de Corinto e os escravos análogos do Brasil. Leitura Bíblica Latino- Americana a partir das culturas oprimidas. Estudos Bíblicos, Petrópolis, v. 31, n. 121, p. 22-37, 2014.

FRIEDRICH, J. H., xsenos. In: BALZ, H.; Schneider, G. (org.). Exegetisches Wörterbuch zum Neuen Testament, Band II, Stuttgart: W. Kohlhammer GmbH, p. 1190-1191, 1981.

GARMUS, L. A. “Pegada Ecológica” dos Impérios do Médio Oriente nas denúncias proféticas. Ética e sustentabilidade. Estudos Bíblicos, Petrópolis, v. 30, n. 117, p. 21-32, 2013.

GOMÁ, I. C. El Evangelio Según San Mateo. Madrid: Ediciones Marova, 1976. v. II.

GONZAGA, W. “Um Cristo compassivo e misericordioso (Lc 15,1-32)”. In: FERNANDES, L. A. (org.). Traços da misericórdia de Deus segundo Lucas, São Paulo: Academia Cristã, p. 92-111, 2016.

GREEN, J. B. The Gospel of Luke. Grand Rapids: Willian B. Eerdmans Publishing Company, 1997.

GÜNTER, W. Phileô. In: COENEN, L.; BROWN, C. Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento. São Paulo: Vida Nova, 2000. v. 1, p. 121-123.

MAZZAROLO, I. Lucas, a Antropologia da Salvação. 3. ed. Rio de Janeiro: Mazzarolo editor, 2013.

MAZZAROLO, I. Primeira & Segunda Cartas a Timóteo e Tito. Rio de Janeiro: Mazzarolo editor, 2014.

MAZZAROLO, I. A misericórdia exige proximidade e aproximação: uma leitura da superação do puro e do impuro em Lc 7,11-17; 10,29-37; 15,11-32. In: FERNANDES, L. A. (org.). Traços da misericórdia de Deus segundo Lucas. São Paulo: Academia Cristã; 2016. p. 73-91.

MAZZAROLO, I. Evangelho de Mateus; Ouvistes o que foi dito aos antigos...? Eu, porém, vos digo! Coisas velhas e coisas novas. 2. ed. Rio de Janeiro: Mazzarolo editor, 2016.

MAZZAROLO, I. Gênesis 1 – 11, e assim tudo começou. 2. ed. Rio de Janeiro: Mazzarolo editor, 2013.

LAUDATO SI. PAPA FRANCISCO. Sobre a casa comum. Roma: Libreria Editrice Vaticana, 2015.

FRATELLI TUTTI. PAPA FRANCISCO. Roma: Libreria Editrice Vaticana, 2020.

NEON ORGRAFICON HERMENUTIKON LEXICON. Paroikos Atenas: Giobanês, 1969.

PEREIRA, G. de L. Direitos Humanos & Migrações forçadas: Introdução ao Direito Migratório e ao Direito dos Refugiados no Brasil e no Mundo. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2019.

SEPTUAGINTA. Id est Vetus Testamentum graece iuxta LXX, edidit Alfred Rahlfs, Editio Minor. Stuttgart: Deusche Bibelgeseschaft, 1979.

ZABATIERO, J. P. T. M. Comprai e comei; comprai, sem dinheiro e sem pagar, vinho e leite (Is 55,1-2). Fome e alimento na Bíblia. Estudos Bíblicos, Petrópolis v. 35, n. 37, p. 34-44, 2018.

Publicado
2021-12-30
Seção
Dossiê - Educação para a Paz