A brincadeira como promotora da habilidade de comunicação intencional infantil: uma revisão sistemática

Palavras-chave: brincadeira, comunicação, intencionalidade

Resumo

Esse estudo apresenta de uma revisão sistemática de pesquisas que abordam a atividade de brincadeira conjunta em interações mãe-bebê como favorecedora da habilidade de comunicação intencional infantil. Essa revisão seguiu as recomendações metodológicas do Preferred Reporting Items for Systematic reviews and Meta-Analyse/ PRISMA e teve as buscas realizadas nas bases de dados Web of Science, Pubmed, Pepsic, Scielo, Indexpsi, PsycInfo e Lilacs e também na Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações (BDTD). Os descritores utilizados foram “mother”, “baby”, “communication”, “intentionality” e “play”. A análise permitiu incluir 10 artigos e uma tese de doutorado que foram publicados entre 2008 e 2018. A pesquisa permitiu identificar a necessidade de ampliar os estudos sobre o tema com pesquisas que investiguem estilos interativos de bebês com adultos em diferentes grupos sociais, contextos diversos de aprendizado, e tipos de brincadeira que podem fomentar o desenvolvimento de habilidades de comunicação intencional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cristina Ramos Costa, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB.

Mestra em Psicologia Social pelo Programa de Pós-graduação em Psicologia Social da Universidade Federal da Paraíba UFPB, João Pessoa, PB.

Vanessa Porto Alexandrino,  Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB.

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Psicologia Social da Universidade Federal da Paraíba UFPB, João Pessoa, PB.

Jéssica Andrade de Albuquerque, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB.

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Psicologia Social da Universidade Federal da Paraíba UFPB, João Pessoa, PB.

Fabíola de Sousa Braz Aquino, Universidade Federal da Paraíba (UFPB), João Pessoa, PB.

Doutora em Psicologia Social pelo Programa de Pós-graduação em Psicologia Social da Universidade Federal da Paraíba (UFPB, João Pessoa, PB, Brasil), docente do Departamento de Psicologia da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e do Programa de Pós-graduação em Psicologia Social (UFPB) em João Pessoa, PB.

Referências

Almeida, C. P. B., & Goulart, B. N. G. (2017). Como minimizar vieses em revisões sistemáticas de estudos observacionais. Revista CEFAC, 19(4), 551-555. https://dx.doi.org /10.1590/1982-021620171941117.

Aquino, F.S.B., & Salomão, N. M. R. (2011a). Habilidades sociocomunicativas de bebês no primeiro ano de vida: um estudo longitudinal. Paidéia, 21(50), 335-344. (DOI INEXISTENTE).

Aquino, F. S. B., & Salomão, N. M. R. (2011b). Intencionalidade comunicativa e atenção conjunta: uma análise em contextos interativos mãe-bebê. Psicologia: Reflexão e Crítica, 24(1), 107-115. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722011000100013.

Bourdais, C., Danis, A., Bacle, C., Santolini, A., & Tijous, C. (2013). Do 10- and 13-month-old infants provide informative gestures for their mothers in a hiding game? Infant Behavior & Development, 36, 94– 101. http://dx.doi.org/10.1016/j.infbeh.2012.11.006.

Camargo, J. F., Salomão, N. M. R., Aquino, F. S., & Nunes, L. L. (2015). Os gestos na comunicação mãe-bebê: um estudo longitudinal. Estudos e pesquisas em psicologia, 15 (2), 652-670. (DOI INEXISTENTE).

Chang, L., de Barbaro, K., & Deák, G. O. (2016). How do infants’ actions affect when parents name objects? Developmental Neuropsychology, 41, 342–361. https://doi.org /10.1080 /87565641.2016.1274313.

Cypel, S. (org) (2011) Fundamentos do desenvolvimento infantil: da gestação aos 3 anos. São Paulo: Fundação Maria Cecília Souto.

Dessen, M.A. (1995). Tecnologia de vídeo: registro de interações sociais e cálculos de fidedignidade em estudos observacionais. Psicologia: Teoria e Pesquisa, (11) 3, 223-227. (DOI INEXISTENTE).

Fawcett C., Liszkowski U. (2012). Observation and initiation of joint action in infants. Child Dev. 83 (1), 434–441. DOI: 10.1111/j.1467-8624.2011.01717.x

Fuertes, M., Castro, S., Alves, M.J., Faria, A., Osório, B., & Sousa, O. (2017). Interação e linguagem dirigida a crianças de quinze meses. Psicologia USP, 28(3), 346-357. http://dx.doi.org/10.1590/0103-656420160154.

Fuertes, M., Faria, A., Soares, H., & Oliveira-Costa, A. (2010). Momentos de interação em que as emoções se apre(e)ndem: estudo exploratório sobre a prestação materna e infantil em jogo livre. Psicologia USP, 21(4), 833-857. (DOI INEXISTENTE).

Hall, S., Rumney, L., Holler, J., Kidd, E. (2013). Associations among play, gesture and early spoken language acquisition. First Language, 33(3) 294–312. https://doi.org/10.1177/0142723713487618.

Hamann K, Warneken F, Tomasello M. (2012). Children's developing commitments to joint goals. Rev. Child Dev. 83(1). 137-45. DOI:10.1111/j.1467-8624.2011.01695.x

Kuchirko, Y., Tafuro, L. & LeMonda, C.S.T. (2017). Becoming a Communicative Partner: Infant Contingent Responsiveness to Maternal Language and Gestures. Infancy, 1–19. DOI: 10.1111/infa.12222.

Lopes. A. C. & Costa, H. H. C. (2012). A produção bibliográfica em coautoria na área de educação. Revista Brasileira de Educação, 17 (51). 717-152. http://dx.doi.org /10.1590 /S1413-24782012000300013.

Mendes, D. M.L.F. & Seidl-de-Moura, M. L. (2004). Desenvolvimento da brincadeira e linguagem em bebês de 20 meses. Rev. Psicologia Teoria e Pesquisa. Set-Dez, 20(3), pp. 215-222. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722004000300002.

Moher, D., Liberati, A., Tetzlaff, J., Altman, D.G. & The Prisma Group (2015). Preferred reporting items for systematic reviews and meta-analyses: the PRISMA statement. Epidemiol. Serv. Saúde, 24(2), 335-342 DOI: 10.5123/S1679-49742015000200017

Nogueira, S. E. (2009). A gênese da comunicação gestual e o desenvolvimento cognitivo: um estudo longitudinal. Tese de Doutorado. Programa de Pós-graduação em Psicologia Social. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Papaeliou, C. F. & Trevarthen, C. (2006). Prelinguistic pitch patterns expressing ‘communication’ and ‘apprehension’. Journal of Child Language, 33, 163-178. DOI: 10.1017/S0305000905007300

Queiroz, N. L. N., Maciel, D. A. & Branco, A. U. (2006). Brincadeira e desenvolvimento infantil: um olhar sociocultural construtivista. Rev. Paidéia 16(34), 169-179. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2006000200005.

Rivero, M. (2003). Los inícios de la comunicación: la intencionalidad comunicativa y el significado como procesos graduales. Anuário de Psicologia, 34(3), 337-356. (DOI INEXISTENTE).

Rochat, P. (2007). Intentional action arises from early reciprocal exchanges. Acta Psychologica, 124, 8-25. http://dx.doi.org/10.1016/j.actpsy.2006.09.004

Sarriá, E. (1991). Observacion de la comunicacion intencional preverbal: um sistema de codificacion basado em el concepto de categoria natural. Psicotema, 3(2), 359-380. (DOI INEXISTENTE).

Smirnova, E. O. & Riabkova, i. A. (2016). Psychological Features of the Narrative-Based Play of Preschoolers Today. Journal of Russian & East European Psychology, 53(2), pp. 40–55. https://doi.org/10.1080/10610405.2016.1230993

Striano, T. & Vaish, A. (2006). Seven-to-9-month-old infants use facial expression to interpret others’ actions. British Journal of Developmental Psychology, 24, 753-760. DOI: 10.1348/026151005X70319

Teodoro, W. L. G. (2013) O desenvolvimento infantil de 0 a 6 a vida pré-escolar. Uberlândia, 114p

Tomasello, M. (2003). Origens culturais da aquisição do conhecimento humano. (C. Berliner, Tad.). São Paulo: Martins Fontes. (Coleção Tópicos)

Tomasello, M. & Carpenter, M. (2007). Shared intentionality. Development Science, 10(1), 121-125. DOI: 10.1111/j.1467-7687.2007.00573.x

Vigotsky, L. S. (2004). Teoria e método em Psicologia. São Paulo-SP: Ed. Martins Fontes, 3º ed.

Villachan-Lyra, P., Queiroz, E, F. F. Moura, R. B. & Gil, M. (2017). Entendendo o desenvolvimento infantil: contribuições das neurociências e o papel das relações afetivas para pais e educadores. Recife: Editorial Artêra. 50 p.

Publicado
2020-02-12
Como Citar
Costa, A. C. R., Alexandrino, V. P., Albuquerque, J. A. de, & Braz Aquino, F. de S. (2020). A brincadeira como promotora da habilidade de comunicação intencional infantil: uma revisão sistemática. Psico, 51(2), e32844. https://doi.org/10.15448/1980-8623.2020.2.32844
Seção
Revisão Sistemática