“O artista invasor” e os códigos do jornalismo cultural

  • Geísa Mattos Universidade Federal do Ceará
  • Nardélia Martins Universidade de Fortaleza
Palavras-chave: Jornalismo cultural, arte contemporânea, rotinas jornalísticas

Resumo

O presente artigo tem o objetivo de apontar perspectivas para o entendimento de como o fictício artista japonês Souzousareta Geijutsuka ganhou vida nos dois principais jornais de Fortaleza (CE). Inicia-se com uma discussão acerca do papel do release nas rotinas jornalísticas atuais. Analisa a linguagem e a estrutura deste release a fim de buscar desvendar os elementos que contribuíram para que uma invenção fosse lida como verdade pelos jornalistas que receberam e publicaram a informação com destaque nos cadernos de cultura. A partir deste foco se procura compreender os códigos do jornalismo cultural e os papéis desempenhados pelos diversos agentes que contribuem nos processos de legitimação dos sentidos da arte na contemporaneidade. O trabalho é referido, em termos teóricos, às reflexões de Pierre Bourdieu sobre estrutura e funcionamento do campo artístico, autor que teria inspirado também Yuri Firmeza na sua iniciativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geísa Mattos, Universidade Federal do Ceará
Professora no Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal do Ceará.
Nardélia Martins, Universidade de Fortaleza
Pós-graduanda em Assessoria de Comunicação na Universidade de Fortaleza.

Referências

ARTAUD, Antonin. O teatro e seu duplo. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

______. Livre troca. Diálogos entre ciência e arte. São Paulo: Bertrand Brasil, 1995.

______. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2003.

______. A Distinção. Crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2008.

BUITONI, Dulcília. “Entre o consumo rápido e a permanência: jornalismo de arte e cultura. In: MARTINS, Maria Helena (Org.). Outras leituras: literatura, televisão, jornalismo de arte e cultura, linguagens interagentes. São Paulo: Senac; Itaú Cultural, 2000.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche e a Filosofia. Rio de Janeiro: Editora Rio, 1976.

DUARTE, Jorge (Org.). Assessoria de imprensa e relacionamento com a mídia. São Paulo: Atlas, 2003.

FIRMEZA, Yuri (Org.). Souzousareta Geijutsuka. Fortaleza: Expressão Gráfica Editora, 2007.

HALL, Stuart et. al. A produção social das notícias: o "mugging” dos media. In: TRAQUINA, Nelson (Org.). Jornalismo: questões, teorias e estórias. Lisboa: Vega, 1999.

LIMA, Gerson. Releasemania: uma contribuição para o estudo do press release no Brasil. São Paulo: Summus, 1985.

MARTINS, Nardélia. Caso Souzousareta Geijutsuka. O release como estratégia contra a imprensa. Monografia (Conclusão do curso de graduação em Jornalismo) – Universidade de Fortaleza, 2007.

MELO, José Marques de. Jornalismo opinativo: gêneros opinativos no jornalismo brasileiro. São Paulo: Mantiqueira, 2003.

MOLOTCH, Harvey; LESTER, Marilyn. As notícias como procedimento intencional: acerca do uso estratégico de acontecimentos de rotina, acidentes e escândalos. In: TRAQUINA, Nelson (Org.). Jornalismo: questões, teorias e estórias. Lisboa: Vega, 1999.

PIZA, Daniel. Jornalismo cultural. São Paulo, Contexto, 2003.

RAMOS, Alexandre Dias. Mídia e arte: aberturas contemporâneas. Porto Alegre: Zouk, 2006.

SANTANA, Adriana. CTRL + C CTRL + V: o release nos jornais pernambucanos. Disponível em: http://www.ppgcomufpe.com.br/arquivos/teses/dissertação_adriana%20santana.pdf Acesso em: 12 jan. 2011.

SOUZA, Ana Cecília. “Quebra de padrão”: Um estudo da crítica de arte e suas mudanças na contemporaneidade. 2008.

Monografia (Conclusão do curso de graduação em Jornalismo) – Universidade de Fortaleza, Fortaleza, 2008.

Como Citar
Mattos, G., & Martins, N. (2011). “O artista invasor” e os códigos do jornalismo cultural. Revista FAMECOS, 18(2), 408-430. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2011.2.9467