Midiativismo e participação política

A discursividade de coletivos midiáticos brasileiros nas redes sociais digitais

Palavras-chave: Midiativismo, Participação política, Mídia Ninja, Jornalistas Livres, Análise de Discurso

Resumo

Este artigo analisa estratégias discursivas da Mídia Ninja e dos Jornalistas Livres, coletivos midiáticos com ampla capilaridade nas redes sociais online, para caracterizar a participação dos grupos no processo eleitoral brasileiro de 2018 e delinear, indutivamente, a relação entre midiativismo e participação política. Enunciados postados no Facebook são interpretados com base num entrelaçamento entre as Análises do Discurso Textualmente Orientada e Crítica do Discurso, considerando oito categorias (formatos, ethos, gêneros textuais, intertextualidade e interdiscursividade, caracterização dos candidatos, tematização, participação e midiativismo). Os resultados indicam que a relação entre midiativismo e participação é profícua e positiva para a democracia, quando busca justiça social e defesa dos direitos humanos. Assuntos, movimentos e grupos marginalizados nos debates públicos encontram representatividade no midiativismo, multiplicando possibilidades de participação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raul Ramalho, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Natal, RN, Brasil.

Doutor, sob o regime de cotutela, em Estudos da Mídia, na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em Natal, RN, Brasil, e em Ciências da Comunicação, na Universidade da Beira Interior (UBI), em Covilhã, Portugal. 

Referências

ALMADA, P. O negacionismo na oposição de Jair Bolsonaro à Comissão Nacional da Verdade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 36, n. 106, p. 1-21, 2021.

ATTON, C. Alternative Media. London: Sage Publications, 2002.

BARABÁSI, A.-L. Linked: a nova ciência dos networks. São Paulo: Leopardo Editora, 2009.

BARONAS, R.; COSTA, J.; PONSONI, S. Os tecnografismos a partir da hashtag #EleNão. Discurso e sociedade, Barcelona, v. 13, n. 3, p. 515-533, 2019.

BENKLER, Y. The wealth of networks: how social production transforms markets and freedom. New Haven: Yale University Press, 2006.

BENTES, I. Mídia-multidão: estéticas da comunicação e biopolíticas. Rio de Janeiro: Mauad X, 2015.

BITTENCOURT, M. #CONTRATARIFA: produção e Circulação de Hashtags pelo Jornalistas Livres. Mídia e cotidiano, Rio de Janeiro, v. 9, n. 9, p. 20-39, 2016.

BRAIGHI, A.; CÂMARA, M. T. What is mediactivism? Interface: a journal for and about social movements, [S. l.], v. 13, n. 1, p. 300-316, 2021.

CARDON, D.; GRANJON, F. Médiactivistes. Paris: Presses de Sciences Po, 2010.

CARPENTIER, N. Media e participação. Porto: Publishing Media XXI, 2017.

CARPENTIER, N.; MELO, A.; RIBEIRO, F. Resgatar a participação: para uma crítica sobre o lado oculto do conceito. Comunicação e sociedade, Braga, v. 36, p. 17-35, 2019.

CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2017.

COUTINHO, C. Metodologia da investigação em Ciências Sociais e Humanas: teoria e prática. 2. ed. Coimbra: Almedina, 2015.

DAHLGREN, P. Participation and alternative democracy: social media and their contingencies. In: SERRA, J. P.; CAMILO, E.; GONÇALVES, G. (org.). Political participation and web 2.0. Covilhã: Livros Labcom, 2014. p. 61-86.

DOWNING, J. Mídia radical: rebeldia nas comunicações e nos movimentos sociais. São Paulo: Editora SENAC, 2002.

ELLISON, N. B.; BOYD, DANAH M. Sociality through social network sites. In: DUTTON, W. H. (ed.). The Oxford handbook of internet studies. Oxford: Oxford University Press, 2013. p. 151-172.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

FAIRCLOUGH, N. Critical Discourse Analysis: the critical study of language. 2. ed. New York: Routledge, 2013.

JORNALISTAS LIVRES (Brasil). Depoimento de Bruno Falci durante live: #AoVivo #Lisboa #Portugal Mulheres unidas contra Bolsonaro. Lisboa, 29 set. 2018. Facebook: Jornalistas Livres. Disponível em: https://www.facebook.com/jornalistaslivres/videos/315943665900579. Acesso em: 22 mar. 2021.

FECHINE, Y. Pour une sémiotique de la propagation: invention et imitation sur les réseaux sociaux. Actes Semiotiques, Limoges, n. 121, p. 1-18, 2018.

FILHOS E NETOS: por memória, verdade e justiça. Rio de Janeiro: [s. n.], 2020. Disponível em: https://filhosenetos.wordpress.com/sobre. Acesso em: 28 jul. 2021.

FOLETTO, L. F. Um mosaico de parcialidades na nuvem coletiva: rastreando a Mídia Ninja (2013–2016). 2017. 224 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Informação) – Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

HEPP, A. Deep mediatization. London and New York: Routledge, 2020.

JORDAN, T. Activism! Direct action, hacktivism and the future of society. London: Reaktion Books, 2002.

LATOUR, B. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador EDUFBA: EDUSC, 2012.

MACHADO, E.; PALÁCIOS, M. Um modelo híbrido de pesquisa: a metodologia aplicada pelo GJOL. In: LAGO, C.; BENETTI, M. (org.). Metodologias de pesquisa em jornalismo. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2010. p. 199-222.

MAINGUENEAU, D. A propósito do ethos. In: MOTTA, A. R.; SALGADO, L. (org.). Ethos discursivo. São Paulo: Contexto, 2008, p. 11-29.

MAINGUENEAU, D. Discurso e análise do discurso. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

MARGETTS, H. Rethinking democracy with social media. The Political Quarterly, [S. l.], v. 90, p. 107-123, jan. 2019.

MARIETA Severo: perfil completo. In: Menoria Globo. Rio de Janeiro, 28 out. 2021. Disponível em: https://memoriaglobo.globo.com/perfil/marieta-severo/perfil-completo. Acesso em: 13 jun. 2022.

MARTINO, L. L. S. Rumo a uma teoria da midiatização: exercício conceitual e metodológico de sistematização. Intexto, Porto Alegre, n. 45, p. 16-34, 2019.

ORLANDI, E. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 6. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 2007.

PERUZZO, C. M. K. Aproximações entre a comunicação popular e comunitária e a imprensa alternativa no Brasil na era do ciberespaço. Galáxia, São Paulo, n. 17, p. 131-146, 2009.

PERUZZO, C. M. K. Possibilidades, realidade e desafios da comunicação cidadã na web. Matrizes, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 77-100, 2018b.

RAMALHO, R. Entre jornalismo, midiativismo e propaganda política: hibridismo discursivo nas práticas enunciativas de coletivos brasileiros no processo eleitoral de 2018. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO, 18., 2020. Anais [...]. Brasília: Sociedade Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo, 2020. p. 1-18. Disponível em: http://sbpjor.org.br/congresso/index.php/sbpjor/sbpjor2020/paper/viewFile/2576/1296. Acesso em: 14 jun. 2022.

RAMALHO, R.; LIMA, L. S.; MAIA, K. Ciberativismo e jornalismo: a organização reticular do coletivo Jornalistas Livres no ambiente online. In: BRAIGHI, Antônio A.; LESSA, Cláudio; CÂMARA, Marco T. P. (org.). Interfaces do midiativismo: do conceito à prática. Belo Horizonte: CEFET-MG, 2018a. p. 698-717.

RAMALHO, R.; MAIA, K. Estratégias discursivas da Mídia Ninja no caso do habeas corpus (não) concedido ao ex-presidente Lula. Compolítica, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, 2019.

RAMALHO, R.; MAIA, K. Estudos metodológicos: a aplicação da análise de discurso para interpretar a produção de sentido de coletivos midiativistas. Verso e Reverso, São Leopoldo, v. 32, n. 81, p. 187-200, set./dez. 2018b. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/versoereverso/article/viewFile/ver.2018.32.81.02/60746547. Acesso em: 3 jan. 2019.

RAMALHO, R.; MAIA, K.; GRADIM, A. Midiativismo e mídia alternativa: congruências e particularidades no contexto das tecnologias da informação e comunicação. E-Compós, Brasília, v. 24, p. 1-21, 2021.

RIBEIRO, A. D.; POZOBON, R. O. Eleições 2018: análise das estratégias discursivas dos candidatos à presidência do Brasil no Instagram. In: PIMENTEL, P. C.; TESSEROLI, R. (org.). O Brasil vai às urnas: as campanhas eleitorais para presidente na TV e internet. Londrina: Syntagma Editores, 2019. p. 50-81.

RODRIGUES, C.; BARONI, A. Ethos jornalístico: Mídia Ninja e um campo em contestação. Brazilian Journalism Research, Brasília, v. 14, n. 2, p. 568-593, 2018.

RODRÍGUEZ, C.; FERRON, B.; SHAMAS, K. Four challenges in the field of alternative, radical and citizens’ media research. Media, culture & society, v. 36, n. 2, p. 150-166, mar. 2014.

SANDOVAL, M.; FUCHS, C. Towards a critical theory of alternative media. Telematics and informatics, v. 27, n. 2, p. 141–150, maio 2010.

SENRA, R. “Ele soa como nós”: David Duke, ex-líder da Ku Klux Klan, elogia Bolsonaro, mas critica proximidade com Israel. BBC News Brasil, Washington, 16 out. 2018. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-45874344. Acesso em: 12 fev. 2020.

SEVERO, M. Emocionante! Marieta Severo fala sobre o período da ditadura e manda seu recado para o povo brasileiro [Vídeo]. Mídia Ninja. 24 out. de 2018. Disponível em: https://www.facebook.com/MidiaNINJA/videos/2161451517505425. Acesso em: 27 jul. 2021.

SILVEIRA, B. A. L. Hannah Arendt e a História: compreendendo o evento totalitário (1941-1958). 2019. 166 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2019.

SOARES, F. R.; MONTEIRO, P. R. R. Marketing digital e marketing de relacionamento: interação e engajamento como determinantes do crescimento de páginas do Facebook. Navus, Florianópolis, v. 5, n. 3, p. 42–59, 2015.

SUZINA, A. Dissonância crítica e solidária: a contribuição das mídias populares ao processo de mudança social. Chasqui. Revista Latinoamericana de Comunicación, Quito, v. 1, n. 140, p. 147-162, 2019a.

SUZINA, A. Ruptura digital e processos de participação em mídias populares no Brasil, Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, v. 42, n. 3, p. 61-76, dez. 2019b.

TRERÉ, E. Hybrid media activism: ecologies, imaginaries, algorithms. Abingdon e New York: Routledge, 2019.

JORNALISTAS Livres: como surgiu. Produção e direção: Jornalistas Livres. São Paulo: Jornalistas Livres, 2015. 1 vídeo (3min 28s). Disponível em: https://jornalistaslivres.org/como-surgiu. Acesso em: 13 jun. 2022.

VAN DIJCK, J. The Culture of Connectivity: a critical history of Social Media. Oxford: Oxford University Press, 2013.

Publicado
2022-09-05
Como Citar
Ramalho, R. (2022). Midiativismo e participação política: A discursividade de coletivos midiáticos brasileiros nas redes sociais digitais. Revista FAMECOS, 29(1), e41420. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2022.1.41420