Processos de subjetivação e acontecimento comunicacional

  • José Isaías Venera Universidade da Região de Joinville (Univille), Joinville, SC, Brasil; Universidade do Vale do Itajaí (Univali), Itajaí, SC, Brasil. https://orcid.org/0000-0002-9220-446X
Palavras-chave: Comunicação, Processos de subjetivação, Sentido

Resumo

Com este artigo, busca-se demarcar uma perspectiva teórica para os estudos da comunicação com base nos processos de subjetivação. No trabalho, desenvolvem-se as noções de acontecimento e de comunicação que integram a Nova Teoria da Comunicação, de Ciro Marcondes Filho, e procura-se acentuar os estudos que abordam questões da subjetividade. O que justifica esse olhar comunicacional é o pressuposto de um conceito que mobilize os modos de constituição de si. O objetivo é articular um conceito de comunicação cujo centro não é o media, mas o processo e, nele, os modos de constituição do sujeito. A pesquisa bibliográfica tem referencial teórico pós-estruturalista. Conclui-se que a articulação do campo da comunicação com as questões da subjetividade depende de um olhar específico fundamentado em um conceito comunicacional pelo qual se desenvolve a articulação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Isaías Venera, Universidade da Região de Joinville (Univille), Joinville, SC, Brasil; Universidade do Vale do Itajaí (Univali), Itajaí, SC, Brasil.

Doutor em Ciências da Linguagem pela Universidade do Sul de SC (Unisul), em Tubarão, SC, Brasil. Professor dos cursos de Comunicação da Universidade da Região de Joinville (Univille), em Joinville, SC, Brasil, e Universidade do Vale do Itajaí (Univali), em Itajaí, SC, Brasil. Integrante do grupo de pesquisa Comunicação, mediações e cultura.

Referências

BACHELARD, G. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

BRAGA, José Luiz. Polarização como estrutura da intolerância: uma questão comunicacional. In: HELLER, Barbara; CAL, Danila; ROSA, Ana Paula da. Midiatização, (in)tolerância e reconhecimento. Salvador: EDUFBA, 2020. p. 19-35.

BRAGA, José Luiz. Interagindo com Foucault. Os arranjos disposicionais e a comunicação. Questões transversais. Revista de Epistemologia da Comunicação, v. 6, n. 12, p. 81-91, jul./dez. 2018.

BRAGA, José Luiz. Uma conversa sobre dispositivos. Belo Horizonte: PPGCOM/UFMG, 2020.

CASTRO, Edgardo. Vocabulário de Foucault: um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

DELEUZE, Gilles. Espinosa: filosofia prática. São Paulo: Escuta, 2002.

DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva, 2006.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é filosofia? Rio de Janeiro: 34, 1992.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Rio de Janeiro: 34, 1997.

FERRARA, Lucrécia D’Alessio. A comunicação como espetáculo e dispositivo epistemológico. Signo y pensam, Bogotá, v. 30, n. 58, p. 40-51, jun. 2011.

FERREARA, Lucrécia D’Alessio. A epistemologia da diferença. In: ANAIS DO ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 30., 2021, São Paulo. Anais eletrônicos [...]. Campinas: Galoá, 2021. Disponível em: https://proceedings.science/compos/compos-2021/papers/a-epistemologia-da-diferenca?lang=pt-br. Acesso em: 19 nov. 2021.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Mídia e produção do sujeito: o privado em praça pública. In: FONSECA, Tânia Mara Galli; FRANCISCO, Deise Juliana (org.). Formas de ser e habitar a contemporaneidade. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2000. p. 109-120.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

FOUCAULT, Michel. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, Hubert; RABINOW, Paul (org.). Michel Foucault: uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1985. p. 231-249.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do saber. 8. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

FOUCAULT, Michel. Nietzsche, a genealogia e a história. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1992. p. 15-37.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008. GIL, José. Em busca da identidade: o desnorte. Lisboa: Relógio D’Água, 2009.

MACHADO, Arlindo. Máquinas de vigiar. Revista USP, São Paulo, n. 7, p. 23-32, 1990.

MACHADO, Arlindo. O sujeito no ciberespaço. In: CONGRESSO BRASILEIRO DA COMUNICAÇÃO, 24., 2001, Campo Grande. Anais eletrônicos [...] Campo Grande, 2001. Disponível em: http://www.portcom.intercom.org.br/pdfs/29708550691795394214029897104174778288.pdf. Acesso em: 22 nov. 2021.

MARCONDES FILHO, Ciro. O princípio da razão durante: diálogo, poder e interfaces sociais da comunicação. São Paulo: Paulus, 2011. v. 4. (Nova Teoria da Comunicação, III, tomo IV.).

MARCONDES FILHO, Ciro. O rosto e a máquina: o fenômeno da comunicação visto pelos ângulos humano, medial e tecnológico. São Paulo: Paulus, 2013. v. 1. (Nova Teoria da Comunicação).

MARCONDES FILHO, Ciro. Das coisas que me fazem pensar. O debate sobre a Nova Teoria da Comunicação. São Paulo: Ideias & Letras, 2014.

MAY, Todd. Pós-estruturalismo e anarquismo. Rio de Janeiro: Achiamé, [1995?].

SARGENTINI, Vanice Maria Oliveira. Dispositivo: um aporte metodológico para o estudo do discurso. In: SOUZA, Kátia Menezes de; PAIXÃO, Humberto Pires (org.). Dispositivos de poder/saber em Michel Foucault: biopolítica, corpo e subjetividade. São Paulo: Intermeios; Goiânia: UFG, 2015. p. 17-27.

VENERA, José Isaías. O campo da comunicação e do jornalismo em torno dos problemas do poder e da dominação. In: GOLEMBIEWSKI, Carlos (org.). Pesquisa em comunicação: jornal, rádio, TV e redes. Curitiba: Brazil Publishing, 2020. p. 6-15.

VENERA, José Isaias.; MATOS, Silvio Simão de; GOLEMBIEWSKI, Carlos; BRUCKHEIMER, L. C. Mulheres Unidas com o Brasil: net-ativismo, gênero e amparo. Paradoxos, Porto Alegre, v. 6, n. 1, p. 103-123, 2021.

Publicado
2021-12-14
Como Citar
Venera, J. I. (2021). Processos de subjetivação e acontecimento comunicacional. Revista FAMECOS, 28(1), e41010. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2021.1.41010