Educação midiática a serviço da desconstrução de estereótipos de gênero

Práticas de ensino críticas

Palavras-chave: Educação midiática, Estereótipos de gênero, Práticas de ensino críticas

Resumo

O trabalho aproxima a educação midiática dos estudos de gênero com uma perspectiva crítica e feminista. Seu objetivo é compreender de que forma práticas de mídia-educação podem também promover a desconstrução de estereótipos de gênero. A pesquisa tem caráter qualitativo e bibliográfico, com metodologia pautada na análise descritiva. Discute a noção de estereótipo de gênero, seguida de uma revisão de literatura sobre educação midiática. Apresenta cinco práticas de ensino, selecionadas pela sua diversidade tanto em relação aos meios (fotografia, música, filme, televisão e propaganda) quanto às regiões de realização (Brasil, Estados Unidos da América, Taiwan, Canadá e Equador). Conclui que é possível ensinar competências midiáticas e promover a desconstrução de estereótipos de gênero por meio de práticas críticas que rejeitam a desconexão da escola com a cultura popular e a reprodução de estereótipos ao promover momentos de reflexão, debate, criatividade e autonomia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Doyle, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Doutora e mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Professora do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), em Porto Velho, RO, Brasil. Pesquisadora da Coordenação de Articulação, Geração e Aplicação de Tecnologia do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Cotec/IBICT).

Referências

ARAÚJO, Carlos Alberto. O que é ciência da informação. Belo Horizonte: KMA, 2018.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2011.

BUCKINGHAM, David. Cultura Digital, Educação Midiática e o Lugar da Escolarização. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 3, p. 37-58, set./dez. 2010.

BURWELL, Catherine. The pedagogical potential of video remix: critical conversations about culture, creativity, and copyright. Journal of Adolescent & Adult Literacy, Newark, v. 57, n. 3, p. 205-213, nov. 2013.

CML – CONSORCIUM FOR MEDIA LITERACY. Theme: len masterman and the big ideas of media literacy. Connections, v. 48, p. 2-4, mar. 2013. Disponível em: https://www.medialit.org/sites/default/files/connections/len%20masterman%20and%20the%20big%20ideas%20of%20media%20literacy.pdf. Acesso em: 12 mar. 2020.

D’AMORIM, Maria Alice. Estereótipos de gênero e atitudes acerca da sexualidade em estudos sobre jovens brasileiros. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 5, n. 3, p. 121-134, dez. 1997. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X1997000300010. Acesso em: 7 jul. 2020.

DOYLE, Andréa. Competências em informação, mídia e tecnologias digitais e a desconstrução de estereótipos de gênero: práticas de ensino críticas. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2021.

EDUCAMÍDIA. Site do projeto. Disponível em: https://educamidia.org.br. Acesso em: 21 mar. 2020.

FANTIN, Monica. Mídia-educacão: aspectos históricos e teórico-metodológicos. Olhar de Professor, Ponta Grossa, v. 14, n. 1, p. 27-40, 2011.

FRANCO, Paki Venegas; CERVERA; Julia Pérez. Manual para o uso não sexista da linguagem. Tradução de Beatriz Cannabrava. [Brasília]: UNIFEM, 2007. Disponível em: http://www.observatoriodegenero.gov.br/menu/publicacoes/outros-artigos-e-publicacoes/manual-para-o-uso-nao-sexista-da-linguagem. Acesso em: 20 fev. 2020.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

HARAWAY, Donna. Situated knowledges: the science question in feminism and the privilege of partial perspective. Feminist Studies, College Park, v. 14, n. 3, p. 575-599, 1988.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2019.

HUANG, Shin-Ying. The Intersection of multimodality and critical perspective: multimodality as subversion. Language Learning & Technology, [S. I.], v. 19, n. 2, p. 21-37, Oct. 2015.

KELLNER, Douglas; SHARE; Jeff. Towards critical media literacy. Toward Critical Media Literacy: Core concepts, debates, organizations, and policy, Discourse: studies in the cultural politics of education, [S. I.], v. 26, n. 3, p. 369-386, 2005. https://doi.org/10.1080/01596300500200169.

LEÓN, Magdalena. Empoderamiento: relaciones de las mujeres con el poder. Estudos feministas, Santa Catarina, v. 8, n. 2, p. 191-205, 2000.

LOPES, Paula Cristina. Educação para os media nas sociedades multimediáticas. Centro de Investigação e Estudos de Sociologia, Lisboa, n. 108, p. 2-30, 2011.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

AUSTRALIA. Direção: Baz Lhurmann. Sidney: 20th Century Fox, 18 nov. 2008. Filme (165 min.), son., color.

MASTERMAN, Len. The media education revolution. Canadian Journal of Educational Communication, Ontário, v. 22, n. 1, p. 5-14,1993. Disponível em: https://www.infoamerica.org/teoria_articulos/masterman01.htm. Acesso em: mar. 2020.

PAREDES, Julieta. Despatriarcalización: uma respuesta categórica del feminismo comunitario. Revista de Estudios Bolivianos, Pittsburgh, v. 21, p. 101-115, 2015.Disponível em: https://bsj.pitt.edu/ojs/index.php/bsj/article/viewFile/144/919. Acesso em: 17 out. 2020.

PAUL, Dierdre Glenn. Rap and orality: critical media literacy, pedagogy, and cultural synchronization. Journal of Adolescent & Adult Literacy, Newark, v. 44, n. 3, p. 246-252, nov. 2000.

PEREIRA, Sara; PINTO, Manuel; PEREIRA, Luís. Recursos para la alfabetización mediática: mediando la investigación sobre niños y medios de comunicación. Revista Comunicar, Huelva, n. 39, v. XX, p. 1-9, 2012.

REY, Juan; HERNÁNDEZ-SANTAOLALLA, Victor; SILVA-VERA, Francisco; MEANDRO-FRAILE, Eva. Media literacy and advertising discourse in three schools in Guayaquil. Convergência Revista de Ciencias Sociales, Ciudad de México, v. 24, n. 74, mayo/ago. 2017.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n.2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

SIQUEIRA, Alexandra Bujokas de; CARVALHO, Liana Catarina da Silva. Experiências de mídia-educação: estudando a fotografia no ensino médio. Pro-Posições, Campinas, v. 24, n. 3, p. 117-138, sep./dec. 2013.

UNESCO. Declaração de Grünwald: sobre educação para os media. Grünwald (Alemanha): UNESCO, 1982. Disponível em: http://milobs.pt/wp-content/uploads/2018/06/Declaracao-de-Grunwald.pdf. Acesso em: 22 mar. 2020.

UNESCO. Media and information literacy (MIL). Paris: UNESCO, 2010. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000225606. Acesso em: 21 mar. 2020.

WILDEN, Anthony et alii. Informação, Enciclopédia Einaudi. Lisboa: Imprensa Nacional: Casa da Moeda, 2001. v. 34.

Publicado
2022-03-07
Como Citar
Doyle, A. (2022). Educação midiática a serviço da desconstrução de estereótipos de gênero: Práticas de ensino críticas. Revista FAMECOS, 29(1), e40880. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2022.1.40880
Seção
Pensamento Midiático Comunicacional