Negociações semânticas na conformação de discursos sobre diversidade e diferença no jornalismo brasileiro de referência

Palavras-chave: Diversidade, Diferença, Jornalismo de referência, Semântica global, Análise do discurso

Resumo

O artigo propõe a análise do discurso de reportagens que visibilizam minorias de gênero e sexuais publicadas em três jornais de referência brasileiros (O Estado de S. Paulo, O Globo e Folha de S.Paulo) entre 1978 e 2018. A pesquisa busca identificar regularidades e deslocamentos semânticos em diferentes planos discursivos a fim de compreender como o campo jornalístico responde a tensionamentos enunciativos decorrentes de rearticulações amplas no universo discursivo. Como principais resultados, o trabalho discute a conformação de um discurso jornalístico articulado em torno de um princípio semântico da “diferença” na década de 2010 e sugere possibilidades metodológicas ao estudo de processos de gênese discursiva no campo do jornalismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nara Lya Cabral Scabin, Universidade Anhembi Morumbi (Anhembi), São Paulo, SP, Brasil.

Doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo, SP, Brasil; professora do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi (UAM), em São Paulo, SP, Brasil.

Referências

BARBOSA, Mariana. Mulher empreendedora inova e retém mais talentos. Folha de S.Paulo, São Paulo, ano 91, n. 29.924, p. B3, 8 mar. 2011.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do ‘sexo’. In: LOURO, Guacira L. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 153-172.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. 2. ed. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

FEDERICI, Silvia. O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução e luta feminista. São Paulo: Elefante, 2019.

FLECK, Isabel. As lobas de Wall Street. Folha de S.Paulo, São Paulo, ano 94, n. 31.020, p. B6, 8 mar. 2014.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2008.

FRASER, Nancy. Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça numa era pós-socialista. Tradução de Julio Assis Simões. Cadernos de Campo, São Paulo, v. 15, n. 14/15, p. 231-239, 2006. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/viewFile/50109/54229. Acesso em: 28 jul. 2020.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2019.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Tradução de Ricardo Uebel, Maria Isabel Bujes e Marisa Vorraber Costa. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 22, n. 2, p. 15-46, jul./dez.1997. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71361. Acesso em: 28 jul. 2020.

HARAWAY, Donna. Manifesto Ciborgue: Ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In: TADEU, T. (org.). Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. p. 33-118.

HOLLANDA, Helóisa Buarque. Introdução. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019. p. 9-21.

KLINGER, Karina. Respeito à diversidade aprende-se na infância. Folha de S.Paulo, São Paulo, ano 81, n. 26.374, 18 jun. 2001. Equilíbrio.

LAGO, Cláudia; MARTINEZ, Mônica; LAGO, Mara Coelho de Souza. Estudos de gênero na pesquisa em jornalismo no Brasil: uma tênue relação. Revista Famecos, Porto Alegre, v. 23, n. 2, p. 1-23, maio/ago. 2016. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/view/22464. Acesso em: 30 ago. 2020.

LAURETIS, Teresa de. A tecnologia de gênero. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019. p. 121-155.

LUCENA, Eleonora de. Quero “empoderar” mulheres de baixa renda. Folha de S.Paulo, São Paulo, ano 91, n. 29.924, p. C9, 8 mar. 2011.

MAINGUENEAU, Dominique. Gênese dos Discursos. Curitiba: Criar Edições, 2008.

MAINGUENEAU, Dominique. Doze conceitos em análise do discurso. Tradução de Adail Sobral et al. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

MATOS, Marlise. Teorias de gênero ou teorias e gênero? Se e como os estudos de gênero e feministas se transformaram em um campo novo para as ciências. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 2, p. 333-358, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2008000200003. Acesso em: 30 ago. 2020.

NORRIS, Pippa; INGLEHART, Ronald. Cultural Backlash: Trump, Brexit and authoritarian populism. Cambridge: Cambridge University Press, 2019.

ORTIZ, Renato. Universalismo e diversidade: contradições da modernidade-mundo. São Paulo: Boitempo, 2015.

PALHARES, Isabela; DIÓGENES, Juliana. O desafio de quem quer definir seu próprio destino. O Estado de S. Paulo, São Paulo, ano 139, n. 45.432, p. A17, 8 mar. 2018.

PALHARES, Isabela; DIÓGENES, Juliana. Como vivem as brasileiras pelo mundo. O Estado de S. Paulo, São Paulo, ano 138, n. 45.067, p. A14, 8 mar. 2017.

PINTO, Céli Regina Jardim. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Perseu Abramo, 2003.

RIBEIRO, Cristina; MENOCCHI, Simone. Jeito feminino, o segredo do sucesso. O Estado de S. Paulo, São Paulo, ano 125, n. 40.319, p. A7, 8 mar. 2004.

SCABIN, Nara Lya Cabral. Mediação como gênese: Uma análise da conformação de discursos midiáticos identitários a partir do debate sobre gênero em O Estado de S. Paulo, O Globo e Folha de S.Paulo entre 1978 e 2018. 2020. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2020.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de (org.). Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019. p. 49-80.

SOUTO, Luiza. Estudantes com identidade. O Globo, Rio de Janeiro, ano 93, n. 30.687, p. 43, 13 ago. 2017.

VERGÈS, Françoise. Um feminismo decolonial. São Paulo: Ubu editora, 2020.

WIZIACK, Julio; ROLLI, Claudia. Abrindo portas. Folha de S.Paulo, São Paulo, ano 89, n. 29.285, p. B6, 7 jun. 2009.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu (org.) WOODWARD, Kathryn; HALL, Stuart. Identidade e diferença. Petrópolis: Vozes, 2014. p. 7-72.

ZAMIN, Angela. Jornalismo de referência: o conceito por trás da expressão. Revista Famecos, Porto Alegre, v. 2, n. 3, p. 918-942, set./dez. 2014. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4955/495551017008.pdf. Acesso em: 4 jul. 2020.

Publicado
2021-08-20
Como Citar
Scabin, N. L. C. (2021). Negociações semânticas na conformação de discursos sobre diversidade e diferença no jornalismo brasileiro de referência. Revista FAMECOS, 28(1), e39134. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2021.1.39134