O processo produtivo do jornal Zero Hora: a estratégia do "localismo"

  • Ângela Felippi Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC
Palavras-chave: Jornalismo, rotinas produtivas, jornal impresso

Resumo

O artigo busca compreender como funciona o fazer jornalístico do jornal Zero Hora (ZH), do grupo Rede Brasil Sul de Comunicações, a partir do seu processo produtivo. Parte do entendimento de que o jornalismo, especialmente o impresso, tem passado por mudanças significativas nas últimas décadas, tanto no seu processo produtivo, como no produto final, buscando se readequar às exigências competitivas do mercado. No caso de Zero Hora, o estudo procura identificar os movimentos do jornal para sua afirmação e manutenção da hegemonia entre os diários do estado onde circula, adotando, entre outras estratégias, um critério de noticiabilidade particular, o “localismo”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ângela Felippi, Universidade de Santa Cruz do Sul - UNISC
Professora da Universidade de Santa Cruz do Sul

Referências

AMARAL, Márcia Franz. Lugares de fala do leitor no Diário Gaúcho. Tese (Doutorado em Comunicação e Informação) – Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

BERGER, Christa. Campos em confronto: A terra e o texto. Porto Alegre: UFRGS, 1998. CAPPARELLI, Sérgio. Zanzibar de novas tecnologias: imprensa regional e Zero Hora. In: Temas Contemporâneos em Comunicação. São Paulo: Edicom-Intercom, 1997. p. 109-126.

______. Venício A. de. Comunicação e televisão: Desafios da pós-globalização. São Paulo: Hacker, 2004.

FONSECA, Virgínia Pradelina da Silveira. O jornalismo na lógica do capital: mediação ou prestação de serviço? Disponível em: www.facom.ufba.br/pos/gtjornalismo/doc/virginiafonseca2004.doc. Acesso em: 19 jan. 2005a.

______. Jornalismo no conglomerado da mídia. A reestruturação produtiva sob o capitalismo global. Tese (Doutorado em Comunicação e Informação) - Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Porto Alegre, UFRGS, 2005b.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações. Rio de Janeiro: UFRJ, 2003.

RÜDIGER, Francisco. Tendências do jornalismo. Porto Alegre: Editora da Universidade/Ufrgs: 1993.

SANTOS, Susy dos. RBS: convergência das teles e da TV a cabo. In: CAPPARELLI, Sérgio et al. Enfim, sós – A nova televisão do Cone Sul. Porto Alegre: LP&M/CPPq, 1999. p. 125-165.

______. RBS: Convergência das teles e da TV a cabo. Porto Alegre: PPGCOM/UFRGS, 1999.

SCHIRMER, Lauro. RBS: da voz-do-poste à multimídia. Porto Alegre: LP&M, 2002.

TÉTU, Jean-Francóis. A informação local: espaço público local e suas mediações. In: PORTO, Sérgio Dayrell (org.). O jornal – Da forma ao sentido. Brasília, Editora Universidade de Brasília, 2002, p. 431-448.

TRAQUINA, Nelson. Jornalismo: questões, teorias e "estórias". Lisboa: Veja, 1993.

______. A tribo jornalística – uma comunidade transnacional. Lisboa: Editorial Notícias, 2004.

WAINBERG, Jacques A. A morte dos jornais centenários e o caso do Rio Grande do Sul. In: MOUILLAUD, Maurice; PORTO, Sérgio Dayrell (org.). O Jornal — Da forma ao sentido. Brasília: UnB, 2002. p. 387-410.

ZELIZER, Barbie. Os jornalistas enquanto comunidade interpretativa. In: TRAQUINA, Nelson (org). Jornalismo 2000. Revista de Comunicação e Linguagens. Lisboa: Centro de Estudos de Comunicação e Linguagens, Universidade Nova de Lisboa, n. 27, 2000. p. 33-61.

REDE BRASIL SUL - RBS. Disponível em: http://www.clicrbs.com.br. Acesso: 21 out. 2006.

ZERO HORA. Disponível em:http:www.zh.com.br. Acesso em: 21 out. 2006.

Publicado
2008-04-14
Como Citar
Felippi, Ângela. (2008). O processo produtivo do jornal Zero Hora: a estratégia do "localismo". Revista FAMECOS, 14(34), 95-100. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2007.34.3458
Seção
Jornalismo e Produção