A Noção de Engajamento: sentidos e armadilhas para a pesquisa em comunicação

Palavras-chave: Engajamento, Comunicação, Epistemologia

Resumo

Na busca por compreender as atividades dos sujeitos em processos comunicacionais, surgem algumas expressões como participação, empoderamento e engajamento. O artigo busca problematizar os sentidos da noção de “engajamento” e seus impactos e armadilhas para a pesquisa em comunicação. De um sentido político a um envolvimento com obras midiáticas e marcas, a noção se refaz. Após explorar algumas obras que tratam de engajamento em estudos de comunicação (principalmente a pesquisa inglesa em comunicação e os estudos de fãs), questionamos seu uso e sugerimos uma alternativa no sentido de reconectar as atividades comunicacionais e midiáticas dos sujeitos às práticas sociais mais gerais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Grohmann, Cásper Líbero / Universidade de São Paulo

Doutor e Mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP). Professor do Mestrado em Comunicação da Faculdade Cásper Líbero. Professor Contratado III da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Realiza estágio pós-doutoral na ECO-UFRJ, sob a supervisão do professor Muniz Sodre.

Referências

ALVES, Clarice Greco. TV Cult no Brasil: memória e culto às ficções televisivas em tempos de mídias digitais. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação). Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, 2016. Orientadora: Maria Immacolata Vassallo de Lopes.

AMPUJA, Marko. A Sociedade em Rede, o Cosmopolitismo e o ‘Sublime Digital’: reflexões sobre como a História tem sido esquecida na teoria social contemporânea. Revista Parágrafo. V. 1, N. 3, 2015, p. 55-67.

ANDREJEVIC, Mark. Watching Television Without Pity: the productivity of online fans. Television & New Media. V. 9, p. 24-46, 2008.

BIRD, Elizabeth. Are we all produsers now? Convergence and media audience practices. Cultural Studies. V. 25, N. 4-5, p. 502-516, 2011.

BLIKSTEIN, Izidoro. Kaspar Hauser ou a Fabricação da Realidade. São Paulo: Cultrix, 2003.

BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Ève. O Novo Espírito do Capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2009

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BOURDIEU, Pierre; PASSERON, Jean-Claude; CHAMBOREDON, Jean-Claude. Ofício de Sociólogo: metodologia de pesquisa na sociologia. Petrópolis: Vozes, 2007.

CERQUEIRA, Renata; SILVA, Tarcízio. Marcas e Engajamento Digital: algumas considerações. In: GOMES, Wilson; REIS, Lucas (org.). Publicidade Digital: formatos e tendências da nova fronteira publicitária. Salvador: P&A Editora, 2011, p. 107-122.

COULDRY, Nick. The Myth of ‘Us’: digital networks, political change and the production of collectivity. Information, Communication and Society. V. 18, V. 6, p. 608-626, 2015

COULDRY, Nick; LIVINGSTONE, Sonia; MARKHAM, Tim. Media Consumption and Public Engagement: beyond the presumption of attention. New York: Palgrave Macmillan, 2007.

DAHLGREN, Peter. Media and Political Engagement: citizens, communication and democracy. New York: Cambridge University Press, 2009.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A Nova Razão do Mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DEUZE, Mark. Media Life. Cambridge: Polity Press, 2012.

DU GAY, Paul et al. Doing Cultural Studies: the story of the Sony Walkman. London: The Open University/ Sage, 1997.

EAGLETON, Terry. Marx Estava Certo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

ENGAJAMENTO. In: DICIONÁRIO Michaelis. São Paulo: Editora Melhoramentos, 2015. Disponível em: <http://michaelis.uol.com.br> . Acesso em 02 fev. 2017.

ESCOSTEGUY, Ana Carolina. Stuart Hall: esboço de um itinerário biointelectual. Famecos. N. 21, 2003.

FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e Mudança Social. Brasília: Ed. UnB, 2001.

FAIRCLOUGH, Norman. Semiose, Mediação de Ideologia: uma visão dialética. Revista Parágrafo. V. 4, n. 1, 2016.

FAUSTO NETO, Antonio; FABRÍCIO, Laura; WESCHENFELDER, Aline. Da boate ao memorial-tapume: quando a recepção enuncia suas formas de ‘trabalho de luto’. In: Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação – Compós, 2014, Belem/PA. Anais da Compós 2014. Belém, PA: Compós, 2014

FIGARO, Roseli. Relações de Comunicação no Mundo do Trabalho. São Paulo: Annablume, 2008

FIGARO, Roseli; GROHMANN, Rafael. A recepção serve para pensar: é um ‘lugar’ de embates. Palabra Clave. V. 20, n. 1, p. 142-161, 2017.

FIGUEIREDO, Carolina Dantas de; MENESES, Bruna Maria de. Fandom, Fanwork e Shipping como Estratégias de Engajamento em Supernatural. Revista GEMInIS. V. 7, N. 2, p. 154-170, 2016.

FISKE, John. Understanding Popular Culture. London: Routledge, 1989.

FREIRE, Paulo; SHOR, Ira. Medo e Ousadia: o cotidiano do professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

FUCHS, Christian. Social Media: a critical introduction. London: Routledge, 2014.

GIRARDI JR., Liráucio. Pierre Bourdieu: questões de sociologia e comunicação. São Paulo: Annablume, 2007.

GRAY, Jonathan. New Audiences, New Textualities: anti-fans and non-fans. International Journal of Cultural Studies. V. 6, N. 1, p. 64-81, 2003.

HALL, Stuart. On Postmodernism and Articulation: an interview with Stuart Hall (edited by Lawrence Grossberg). Journal of Communication Inquiry. V. 10, n. 2, p. 45-60, 1986.

HALL, Stuart. Significação, representação, ideologia: Althusser e os debates pós-estruturalistas. In: In: Da Diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003, p. 151-186.

HILL, Annette; STEEMERS, Jeanette. Media Industries and Engagement. Media Industries. V. 4, n. 1, 2017.

HILLS, Matt. Fan Cultures. New York: Routledge, 2002.

HOGGART, Richard. As Utilizações da Cultura: aspectos da vida cultural da classe trabalhadora – vol. I. Lisboa: Ed. Presença, 1973.

HUWS, Ursula. Labor in the Global Digital Economy: the cybertariat comes of age. New York: Monthly Review Press, 2014.

JACKS, Nilda (org.). Meios e Audiências II: a consolidação dos estudos de recepção no Brasil. Porto Alegre: Sulina, 2014.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

JENKINS, Henry; GREEN, Joshua; FORD, Sam. Cultura da Conexão: criando valor e significado por meio da mídia propagável. São Paulo: Aleph, 2014.

JENKINS, Henry; ITO, Mizuko; BOYD, Danah. Participatory Culture in a Networked Era. Cambridge: Polity Press, 2016.

JOHN, Valquíria Michela. Telenovela e Mundos Possíveis na Prisão: um estudo de recepção com mulheres encarceradas. In: Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação – Compós, 2016, Goiânia/GO. Anais da Compós 2016. Goiânia, GO: Compós, 2016.

LACLAU, Ernesto. Politics and Ideology in Marxist Theory: capitalism, fascism, populism. London: Verso, 1977.

LA PASTINA, Antonio. Audience Etnographies: a media engagement approach. Global Media Approach. V. 4, n. 6, 2005.

LIVINGSTONE, Sonia. Engaging With Media: a matter of literacy? Communication, Culture and Critique. V. 1, n. 1, p. 51-62, 2008.

LIVINGSTONE, Sonia. The Participation Paradigm in Audience Research. The Communication Review. V. 16, N. 1-2, p. 21-30, 2013.

LUKÁCS, Gyorgy. Para uma Ontologia do Ser Social I. São Paulo: Boitempo, 2012.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos Meios às Mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1995.

MARX, Karl. Grundrisse. São Paulo: Boitempo, 2011.

MAZETTI, Henrique. Cultura Participativa, Espetáculo Interativo: do ‘empoderamento’ ao engajamento corporativo dos usuários de mídia. In: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – Intercom, 2009, Curitiba/PR. Anais do Intercom 2009. Curitiba, PR: Intercom, 2009.

MILLER, Daniel. Trecos, Troços e Coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

NIGHTINGALE, Virginia. Studying Audiences: the shock of real. London: Routledge, 1996.

NORRIS, Pippa. Digital Divide: civic engagement, information poverty and the internet worldwide. Cambrdige: Cambridge University Press, 2001.

NUNES, Monica Rebecca Ferrari. Cena Cosplay: comunicação, consumo, memória nas culturas juvenis. Porto Alegre: Sulina, 2015.

ORLANDI, Eni. Discurso e Texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Ed. Pontos Editores, 2008.

PRADO, José Luiz Aidar. Convocações Biopolíticas dos Dispositivos Comunicacionais. São Paulo: Educ, 2013.

RHEINGOLD, Howard. Using Participatory Media and Public Voice to Encourage Civic Engagement. In: BENNET, Lance et al. (org.). Civic Life Online: learning how digital media can engage youth. Cambridge: The MIT Press, 2008, p. 97-118.

SAGGIN, Lívia; BONIN, Jiani. Problematizações para pensar as apropriações/produções digitais de jovens. In: Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação – Compós, 2016, Goiânia/GO. Anais da Compós 2016. Goiânia, GO: Compós, 2016.

SANDVOSS, Cornel. Fans: the mirror of consumption. Cambridge: Polity, 2005.

SANDVOSS, Cornel. Quando estrutura e agência se encontram: os fãs e o poder. Ciberlegenda. N. 28, 2013.

SHIRKY, Clay. A Cultura da Participação: criatividade e generosidade no mundo conectado. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

SILVERSTONE, Roger. Por que estudar a mídia? São Paulo: Loyola, 2002.

SLACK, Jennifer Daryl. The Theory and Method of Articulation in Cultural Studies. In: MORLEY, David; CHEN, Kuan-Hsing (org.). Stuart Hall: critical dialogues in cultural studies. London: Routledge, 1996, p. 112-127.

SODRÉ, Muniz. A Ciência do Comum: notas para o método comunicacional. Petrópolis: Vozes, 2014.

SOUSA, Mauro Wilton de. (org). Sujeito, o lado oculto do receptor. São Paulo: Brasiliense, 1995.

STAIGER, Janet. Media Reception Studies. New York: New York University Press, 2005.

THOMPSON, Edward Palmer. A Formação da Classe Operária Inglesa. Vol I. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

WILLIAMS, Raymond. Marxismo y Literatura. Barcelona: Península, 1980.

WILLIAMS, Raymond. The Long Revolution. Harmondsworth: Penguin, 1961.

WOLTON, Dominique. Informar Não É Comunicar. Porto Alegre: Sulina, 2010.

Publicado
2018-08-23
Como Citar
Grohmann, R. (2018). A Noção de Engajamento: sentidos e armadilhas para a pesquisa em comunicação. Revista FAMECOS, 25(3), ID29387. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2018.3.29387
Seção
Pensamento Midiático Comunicacional