As redes sociais e a edição de e-books

  • Barbara Heller Universidade Paulista
  • José Mello Junior Centro Universitário Barão de Mauá
Palavras-chave: Redes sociais, E-books, Mercado editorial

Resumo

A presença crescente dos meios digitais de comunicação em todas as dimensões da vida tem afetado a produção editorial, que vive profunda instabilidade e se transforma devido às novas formas eletrônicas de edição e distribuição de conteúdo. Cinco movimentos atuam nesse processo: desmaterialização, convergência das mídias, pirataria digital, autopublicação e queda nas vendas de livros. Nesse novo cenário as redes sociais emergem como alternativa de divulgação e distribuição de conteúdo e como plataforma aberta à inovação para criação de produtos literários. O estudo buscou identificar como o modelo tradicional de edição relaciona-se com as redes sociais digitais a fim de avaliar o papel que os editores poderão cumprir nesse ambiente. Mapeou modelos emergentes de publicação e avaliou como os cinco movimentos se relacionam ao engajamento de leitores nas redes sociais. Concluiu que o crescimento de autores que se autopublicam é o maior desafio ao papel do editor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Barbara Heller, Universidade Paulista
Possui graduação em Teoria Literária pela Universidade Estadual de Campinas (1982), mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (1990) e doutorado em Teoria Literária pela Universidade Estadual de Campinas (1997). É pós-doutorada em Comunicação pela Universidade Metodista (2011), pela Escola de Comunicação e Artes da Usp (2015). Atualmente é docente e vice-coordenadora do Programa de Mestrado e Doutorado em Comunicação da Universidade Paulista (Unip).É membro do Observatório em Comunicação, Liberdade de Expressão e Censura (Obcom) da ECA-Usp. T
José Mello Junior, Centro Universitário Barão de Mauá

Doutor em Comunicação Social pela Universidade Paulista (Unip). Atualmente é professor dos cursos de graduação em
Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Marketing no Centro Universitário Barão de Mauá.

Referências

ANDERSON, Chris. A cauda longa: A nova dinâmica de marketing e vendas: como lucrar com a fragmentação dos mercados. 1. ed. Rio de Janeiro: Elsevier- Campus, 2006.

ANDERSON, Chris. Free: O futuro dos preços. 1. ed. Rio de Janeiro: Elsevier-Campus, 2009.

BARBIER, F. História do livro. 1. ed. São Paulo: Paulistana, 2008.

CAMARA BRASILEIRA DO LIVRO & SINDICATO NACIONAL DE EDITORES. Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro. São Paulo, 2014. Disponível em: http://www.cbl.org.br/telas/cbl/downloads.aspx Acesso em: 8 jan. 2016.

CHARTIER, Roger, CAVALLO, Guglielmo (orgs.). História da leitura no mundo ocidental. 1. ed. v. 1 e 2. São Paulo: Ática, 2002.

EGAN, Jennifer. Mais sobre a Caixa Preta de Jennifer Egan. Disponível em: http://www.intrinseca.com.br/blog/2012/08/o-que-inspirou-jennifer-egan-a-estruturar-caixa-preta-em-tuites/

Acesso em: 8 fev. 2016.

FURTADO, José. A. O papel e o pixel: do impresso ao digital. Continuidades e transformações. 1. ed. Florianópolis: Escritório do Livro, 2006.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. 1. ed. São Paulo: Aleph, 2009.

JOHNSON, Steven. Cultura da interface: Como o computador transforma nossa maneira de criar e comunicar. 1. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

KEEN, Andrew. O culto do amador: como blogs, MySpace, YouTube e a pirataria digital estão destruindo nossa economia, cultura e valores. 1. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência. 1. ed. São Paulo: Editora 34, 1993.

LIPOVETSKY, Gilles. Tempos hipermodernos. 1. ed. São Paulo: Barcarolla, 2007.

MALINI, Fabio. Literatura, Twitter e Facebook: A economia dos likes e dos rts dos usuários-fãs de literatura brasileira nas redes sociais. Revista Observatório Itaú Cultural. São Paulo, ano 9, n. 17, ago/dez 2014. Disponível em: http://www.itaucultural.org.br/revista/revista-observatorio-ic-n-17/

Acesso em: 2 fev. 2016.

MCLUHAN, Marshall. A galáxia de Gutenberg. 1. ed. São Paulo: Cia Editora Nacional; Editora da Universidade de São Paulo, 1972.

MELLO JUNIOR, José de. Do códex ao e-book: metamorfoses do livro na era da informação. 2006. 426 f. Dissertação de Mestrado em Comunicação Social – Universidade Paulista, São Paulo, 2006.

MIÉGE, Bernard. Les industries du contenu face à l´ordre informationnel. 1. ed. Grenoble: Presses Universitaires de Grenoble, 2000.

MIÉGE, Bernard. Las Industrias de la cultura y de la información. Conflicto con los nuevos médios de comunicación. Telos, Barcelona, v. 29, 1990. Disponível em: http://www.campusred.net/telos/anteriores/num_029/opi_perspectivas0. html

Acesso em: 10 jan. 2016.

PRIMO, Alex, BRAMBILLA, Ana Maria. Social Software e construção do conhecimento. Redes Com, Espanha, n. 2, p. 389-404, 2005. Disponível em: http://www.redes.hospedagemdesites.ws/index.php/revista-redes/article/view/64/59

Acesso em: 8 fev. 2016.

RECUERO, Raquel da Cunha. Comunidades virtuais em redes sociais na Internet: proposta de tipologia baseada no fotolog.com. 2006, 334 f. Tese de Doutorado em Comunicação e Informação – UFRGS, Porto Alegre, 2006.

RONCAGLIA, Gino. La cuarta revolución: Seis lecciones sobre el futuro del libro. 1. ed. Vila Maria: Eduvim, 2012.

SANTAELLA, Lucia. Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na comunicação. 1. ed. São Paulo: Paulus, 2013.

SHIRKY, Clay. Lá vem todo mundo: o poder de organizar sem organizações. 1. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2012.

TitanicWare. Disponível em: titanicware.com.br

Acesso em: 19 set. 2013.

Publicado
2017-01-02
Como Citar
Heller, B., & Junior, J. M. (2017). As redes sociais e a edição de e-books. Revista FAMECOS, 24(1), ID23906. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2017.1.23906
Seção
Ciências da Comunicação