A TV de Silvio Santos – estratégias mercadológicas na grade de programação do SBT: um enfoque quantitativo

  • Cláudia Pereira Galhardi Escola Nacional de Saúde Pública -Fundação Oswaldo Cruz
  • Félix Ortega Mohedano Universidade de Salamanca
  • Juan José Igartua Universidade de Salamanca
Palavras-chave: Sistema Brasileiro de Televisão, Análise de Conteúdo, Método quantitativo

Resumo

No Brasil, os concessionários de TV, teoricamente, mantêm um compromisso com o Governo Federal para que operem o espectro eletromagnético como um bem público, com ênfase em princípios educativos, artísticos, culturais e informativos. Em face destas constatações, o presente artigo visa a revelar o atual cenário de oferta de programas da emissora SBT em São Paulo, no estado do Rio Grande do Sul e na TV Aratu, afiliada do SBT na Bahia. Para tanto, realizou-se uma investigação empírica quantitativa a partir da análise de conteúdo da programação exibida durante o ano de 2012. Os resultados demonstram uma programação marcada por uma ideologia empresarial, o não cumprimento do marco legal vigente, nula produção de conteúdos educativos e culturais e massiva oferta de importação estrangeira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Pereira Galhardi, Escola Nacional de Saúde Pública -Fundação Oswaldo Cruz
Doutorado em Comunicação Audiovisual, Revolución Tecnologica y Cambio Cultural pelo Departamento de Sociologia e Comunicação da Universidade de Salamanca - USAL.Pós- doutorado na Fundação Oswaldo Cruz : Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca-ENSP-FIOCRUZ-RJ 
Félix Ortega Mohedano, Universidade de Salamanca
Doutor em Comunicação Audiovisual, Cultura é educação (Universidad de Salamanca, 2006) Professor da Facultad de Ciencias Sociales de la Universidad de Salamanca- USAL. Secretário General del Instituto Universitario de Investigación en Ciencias de la Educación de la Universidad de Salamanca. É membro de associações internacionais e nacionais em Comunicação e Indústrias Culturais: ECREA, ICA, AE-IC y ULEPICC .
Juan José Igartua, Universidade de Salamanca

Doutor em Psicologia (Universidad del País Vasco, 1996) e Catedráticode Universidad del área de Comunicación Audiovisual y Publicidad la Universidad de Salamanca (Dpto. de Sociología y Comunicación)

Diretor do Observatorio de los Contenidos Audiovisuales (OCA): http://www.ocausal.es

Referências

AKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BARDIN, Laurence. Análisis de contenido. Madrid: Akal, 1997.

______. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BIONDI, Antonio; CHARÃO, Cristina. Terra de gigantes. Revista ADUSP, p. 6-25, jan. 2008.

BOLAÑO, César. A economia política da televisão brasileira. Intercom − Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, v. 22, n. 2, 1999.

______. Mercado brasileiro de televisão. São Paulo: PUC-SP, 2004.

BRASIL. Constituição (1988). Emendas de nº 1 a 15. Brasília: STF, 1996.

BRASÍLIA: ANDI; Secretaria Nacional da Justiça. Classificação indicativa: construindo a cidadania na tela da tevê, 2006.

BRITTOS, Valério Cruz. História, economia política e tendência da TV Brasileira. Comunicação e cultura. Caxias do Sul, v. 1, n. 1, p. 19-42, 2002.

______. Globo, transnacionalização e capitalismo. In:______;BOLAÑO, César Ricardo (Orgs.) Rede Globo: 40 anos de poder e hegemonia 2. ed. São Paulo, 2005. p. 131-145, 2005.

CAPPARELLI, Sérgio. A periodização nos estudos de televisão. Intexto, v. 1, p. 1-16, 2008.

CASETTI, Francesco; DI CHIO Frederico. Análisis de la televisión: instrumentos, métodos y prácticas de investigación. Barcelona: Paidós, 1999.

CONDORI, J. A. S. Análisis de datos clínicos y epidemiológicos. 2011. Disponível em: http://www.bioestadistico.com Acesso em: 5 out. 2001.

DUARTE, Elizabeth Bastos. Televisão: ensaios metodológicos. Editora Sulina, 2004.

ECHINE, Yvana. Núcleo Guel Arraes: Formação, Influências e contribuições para uma TV de qualidade no Brasil. In: FIGUERÔA, Alexandre (Org.). Guel Arraes: um inventor no audiovisual no Brasil. Recife: Cepe, 2008.

FILHO, João Freire. A TV em transição: tendências de programação no Brasil e no mundo. Porto Alegre: Sulina, 2009.

GALHARDI, Cláudia Pereira; ORTEGA, Felix. Fluxo da Programação televisiva aberta no Brasil: Uma nova proposta metodológica e caso prático no Estado de São Paulo. In: XXXVI Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação INTERCOM, 2013, Manaus. 36º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Intercom, Manaus, v. 1, 2013.

GALHARDI, Cláudia Pereira. Investigación de los flujos en Brasil: análisis de la parrilla de programación de la televisión en los Estados de São Paulo, Rio Grande do Sul y Salvador de Bahía, 2014. Tese (Doutorado em Comunicação Audiovisual) − Departamento de Sociologia e Comunicação, Salamanca, Universidade de Salamanca − Espanha, 2014.

GALHARDI, Cláudia Pereira; ORTEGA, Felix; IGARTUA, Juan José. Investigación de los lujos comunicacionales en Brasil: panorama de la parrilla de televisión abierta comercial en el Estado de São Paulo. Revista Intercom, v. 38, n. 1, p. 255-272, jan./jun. 2015.

GARZA, Javier Martínez. La oferta de televisión en América Latina: hacia un análisis de flujos. ZER. México, n. 19, p. 145-27, 2005.

GARZA, Francisco Javier Martínez; LOZANO, José Carlos. Flujos televisivos y cinematográficos en México. Comunicación y sociedad, n. 3, p. 47-66, 2005.

IGARTUA, Juan José. Métodos cuantitativos de investigación en Comunicación. Barcelona: Bosch, 2006.

IGARTUA, Juan José. Métodos cuantitativos de investigación en Comunicación. Barcelona: Bosch, 2006.

JAMBEIRO, Othon; BRITTOS, Valério Cruz; SIMIS, Anita. O capitalismo internacional e as novas configurações da regulação da informação e da comunicação. Revista ALAIC, n. 6, p. 42-59, 2011.

KRIPPENDORFF, Klaus. Content Analysis: an introduction to its methodology. Los Ángeles: Sage, 2013.

______. Metodología de análisis de Contenido: Teoría y práctica. Barcelona: Paidós, 1990.

LOZANO, José Carlos. Conglomerados de mídia e fluxos audiovisuais na América Latina. In: Comunicação, Mídia e Consumo. São Paulo, v. 2, n. 5, p. 91-121, 2005.

MALCHER, Maria Ataíde. Gênero ficcional televisivo: Instância mediadora da Comunicação massiva. In: XXIV Congresso Brasileiro de Ciência da Comunicação: A mídia impressa, o livro e o desafio das novas tecnologias, Campo Grande. Anais eletrônicos... Campo Grande. Disponível em: htpp:/www.intercom.org.br/papers/nacionais/2001/papers/NP14MALCHER.PDF Acesso em: 15 abr. 2013.

MAZZIOTTI, Nora. Tendencias en la circulación de programas televisivos en el Mercosur. Revista Famecos, Porto Alegre, n. 14, p. 36-44, 2001.

MELO, José Marques de. Para uma leitura crítica da Comunicação. São Paulo: Paulinas, 1985.

MIRA, Maria Celeste. Circo eletrônico: Silvio Santos e o SBT. São Paulo: Edições Loyola, 1994.

NORDENSTRENG, Kaarle; VARIS, Tapio. ¿Circula la televisión en un solo sentido? Examen y análisis de la circulación de los programas de televisión en el Mercosur. Paris: Editoral da Unesco, 1976. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/0pdf01342/134279so Acesso em: 15 mar. 2011.

ORTEGA, Félix; GALHARDI, Cláudia. Propuesta metodológica para el análisis de contenido de la parrilla de televisión en Brasil: Análisis de un caso práctico en los Estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Estado da Bahía. In: Congreso Nacional sobre Metodología de la Investigación en Comunicación y del Simposio Internacional sobre Política Científica en Comunicación, Segovia. Anais electrônicos... Segovia. Disponível em: htpp://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?Codigo=4228799 Acesso em: 18 jun. 2013.

ORTIZ, Renato. A moderna tradição Brasileira: cultura brasileira e indústria cultural. São Paulo: Brasiliense, 2006.

REIMÃO, Sandra. Em Instantes: um estudo sobre programas da TV brasileira (1965-2000). São Paulo: Universidade Metodista de São Paulo, 2006.

REVISTA VEJA. Silvio ao Vivo. Disponível em: http://veja.abril.com.br/acervodigital/home.aspx

Acesso em: 10 mar. 2015.

RONDELLI, Elizabeth. Televisão aberta e por assinatura: consumo cultural e política de programação. Revista Lugar Comum, n. 5-6, p. 33-58, 1998.

SACRAMENTO, IGOR. Os estudos de televisão no Brasil. Panorama da comunicação e das telecomunicações no Brasil. Brasília: Ipea, 2013.

SILVA, Arlindo. A fantástica história de Silvio Santos. São Paulo: Editora do Brasil, 2000.

SOUZA, José Carlos Aronchi de. Gêneros e formatos na televisão brasileira. São Paulo: Summus, 2004.

SOUZA, Silvia Maria. Silvio Santos vem aí: programas de auditório do SBT numa perspectiva semiótica, 2009. Tese (Doutorado em Estudos Linguísticos). Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense, 2009.

TONDATO, Márcia Perecin. Negociação de sentido: recepção da programação de TV aberta, 2004. Tese (Doutorado em Comunicação) - Escola de Comunicações e Artes, São Paulo, Universidade de São Paulo (USP), 2004.

WOLTON, Dominique. Elogio del gran público. Barcelona: Gedisa,1998.

Publicado
2017-01-02
Como Citar
Galhardi, C. P., Mohedano, F. O., & Igartua, J. J. (2017). A TV de Silvio Santos – estratégias mercadológicas na grade de programação do SBT: um enfoque quantitativo. Revista FAMECOS, 24(1), ID23379. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2017.1.23379
Seção
Televisão