Eu serei meu próprio fetiche: nudez em templos do artifício ou ativismo de mulheres-imagens

  • Rose de Melo Rocha Escola Superior de Propaganda e Marketing
  • Beatriz Beraldo Escola Superior de Propaganda e Marketing
Palavras-chave: Corpo e nudez, Imagem e imaginário, Comunicação e consumo

Resumo

Tomando por inspiração o confronto protagonizado por ativistas do Femen Brazil ao invadirem o shopping center, na cidade de São Paulo, que abrigava em seu interior a Casa de Vidro do Big Brother Brasil 2013, problematizamos imagens e imaginários da nudez e do ativismo representativos de políticas contemporâneas de visibilidade. O lugar do corpo e as dinâmicas conflituosas que marcam a ação do Femen Brasil permitem-nos resgatar as bases burguesas de contenção das narrativas e de alguns imaginários do feminino na cena midiática contemporânea.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rose de Melo Rocha, Escola Superior de Propaganda e Marketing
Doutora em Ciências da Comunicação pela USP com pós-doutorado em Ciências Sociais pela PUC-SP. Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo (PPGCOM-ESPM). Bolsista produtividade em pesquisa CNPq.
Beatriz Beraldo, Escola Superior de Propaganda e Marketing
Mestre em Comunicação e Práticas do Consumo pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM-SP) onde exerceu o cargo de pesquisadora auxiliar no projeto "Memoria do Consumo". Possui Bacharelado em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda pelo Centro Universitário do Norte (2009) e é Licenciada em Letras (habilitação em língua portuguesa e suas literaturas), na Universidade do Estado do Amazonas - UEA (2011). Vencedora do Prêmio COMUNICON 2013, categoria mestranda (PPGCOM-ESPM).

Referências

ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2010.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. V. 1. São Paulo: Brasiliense, 1996.

BERMAN, Marshall. Tudo que é sólido desmancha no ar. São Paulo: Cia das Letras, 2008.

BUENO, Lucia e CAMARGO, Luiz Octávio (orgs.). Cultura e consumo: estilos de vida na contemporaneidade. São Paulo: Senac, 2008.

CAMPANELLA, Bruno. Os olhos do grande irmão: uma etnografia dos fãs do Big Brother Brasil. Porto Alegre: Sulina, 2012.

CANEVACCI, Massimo. Fetichismos visuais. São Paulo, Ateliê Editorial, 2008.

CRANE, Diana. Reflexões sobre a moda: o vestuário como fenômeno social. In: BUENO, Lucia e CAMARGO, Luiz Octávio (orgs.). Cultura e consumo: estilos de vida na contemporaneidade. São Paulo: Senac, 2008.

DEL PRIORE, Mary. Corpo a corpo com a mulher: pequena história das transformações do corpo feminino no Brasil. São Paulo: Editora Senac, 2000.

GAY, Peter. A educação dos sentidos. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

GARCIA, Wilton. Corpo, mídia e representação: estudos contemporâneos. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

JOFFILY, Ruth. Sobre o vestuário feminino: da regra à indefinição. In VILLAÇA, Nízia & GÓES, Fred (Orgs.), Nas fronteiras do contemporâneo. Rio de Janeiro: Mauad/FUJB, 2001.

LAPOUJADE, David. “O corpo que não aguenta mais”. In: LINS, Daniel e GADELHA, Sylvio. Que pode o corpo. Rio de Janeiro: Relume-Dumará. 2002.

LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio. Ensaio sobre o individualismo contemporâneo. Lisboa, Relógio D´Água, 1989. BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. Vol. 1. 10. ed. São Pauolo. Brasiliense, 1996.

PERNIOLA, Mario. Pensando o ritual. São Paulo, Studio Nobel, 2000.

VILLAÇA, Nizia. Mixologias: comunicação e consumo da cultura. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2010.

Publicado
2014-09-12
Como Citar
Rocha, R. de M., & Beraldo, B. (2014). Eu serei meu próprio fetiche: nudez em templos do artifício ou ativismo de mulheres-imagens. Revista FAMECOS, 21(2), 698-720. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2014.2.17402
Seção
Comportamento