Questões metodológicas para o estudo das vidas narrativizadas: aplicação às narrativas de empreendedores sociais

  • Vander Casaqui Escola Superior de Propaganda e Marketing
Palavras-chave: Comunicação e Consumo, metodologia, representações

Resumo

Este artigo trata das questões contextuais, conceituais e metodológicas para o estudo das narrativas de empreende-dores sociais. Trata-se de parte de um estudo mais amplo de pós-doutoramento, que aborda o empreendedorismo social na comparação entre os cenários brasileiro e português. O quadro teórico desta pesquisa se baseia nas discussões acerca do novo espírito do capitalismo (Boltanski; Chiapello, 2009) e do papel do empreendedor social como forma de engajamento no siste-ma. Este papel é semantizado de acordo com o ambiente social que o abriga. A proposta metodológica é desenvolvida a partir da análise do percurso de vida, segundo Giele e Elder Jr. (1998).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vander Casaqui, Escola Superior de Propaganda e Marketing
Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Práticas de Consumo da  Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo.

Referências

AMAYA, José Fernando. Menos querer más de la vida: concepciones de vida y muerte en jóvenes urbanos. Bogotá: Universidad Centreal y Siglo del Hombre Editores, 2004.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a expansão do nacionalismo. Lisboa: Edições 70, 2005.

ARFUCH, Leonor. O espaço biográfico: dilemas da subjetividade contemporânea. Rio de Janeiro: EdUerj, 2010.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1997.

BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Ève. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

EHRENBERG, Alain. O culto da performance: da aventura empreendedora à depressão nervosa. Aparecida: Ideias & Letras, 2010.

GIELE, Janet; ELDER JR., Glen. Life course research: development of a field. In GIELE, Janet; ELDER JR. (Eds.). Methods of life course research: qualitative and quantitative approaches. Califórnia/Londres: Sage, 1998.

ILLOUZ, Eva. Intimidades congeladas: las emociones en el capitalismo. Buenos Aires; Madrid: Katz Eds, 2007.

LOPES, Mónica. Empreendedorismo. In Dicionário das crises e alternativas. Coimbra: Almedina; CES, 2012.

MARX, Karl. Trabalho estranhado e propriedade privada. In: ANTUNES, Ricardo (Org.). A dialética do trabalho: escritos de Marx e Engels. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

MATTELART, Armand. História da utopia planetária: da cidade profética à sociedade global. Porto Alegre: Sulina, 2002.

SIBILIA, Paula. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

SODRÉ, Muniz. As estratégias sensíveis: afeto, mídia e política. Petrópolis: Vozes, 2006.

SOUZA, Jessé. Os batalhadores brasileiros: nova classe média ou nova classe trabalhadora? Belo Horizonte: UFMG, 2010.

VEBLEN, Thorstein. A teoria da classe ociosa: um estudo econômico das instituições. São Paulo: Abril Cultural, 1987.

Publicado
2014-01-14
Como Citar
Casaqui, V. (2014). Questões metodológicas para o estudo das vidas narrativizadas: aplicação às narrativas de empreendedores sociais. Revista FAMECOS, 20(3), 866-883. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2013.3.14474
Seção
Metodologias