A atuação das agências de notícias nacionais – Estado, Folhapress e O Globo – como distribuidoras de conteúdos no interior dos conglomerados de mídia brasileiros

  • Hebe Maria Gonçalves de Oliveira Universidade Estadual de Ponta Grossa
Palavras-chave: Agências de Notícias, Jornalismo, Rotinas de produção

Resumo

Este artigo resulta da pesquisa sobre a rotina produtiva das três agências de notícias nacionais – Estado, Folhapress e O Globo – que integram os principais conglomerados da mídia brasileira. A partir da sociologia das redações, o estudo mostra os procedimentos de distribuição de conteúdos jornalísticos dos serviços noticiosos, sob a lógica de aproveitamento da produção no interior dos respectivos grupos. Apresenta ainda o funil midiático em 10 jornais regionais localizados nas principais capitais brasileiras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hebe Maria Gonçalves de Oliveira, Universidade Estadual de Ponta Grossa
Professora do Curso de Jornalismo e do Mestrado em Jonalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa. Possui doutorado em Ciências da Comunicação (Unisinos), Mestrado em Comunicação (Umesp) e graduação em Jornalismo (UFJF). Atualmente é coordenadora do Curso de Jornalismo da UEPG.

Referências

ALBORNOZ, Luís Alfonso. Periodismo digital: los grandes diários em la red. 1. ed. Buenos Aires: La Crujía, 2006.

DUPAGNE, Michel; GARRISON, Bruce. The meaning and influence of convergence. A qualitative case study of newsroom work at the Tampa News Center. Journalism Studies, v. 7, n. 2, p. 237-255, 2006.

PONTE, Cristina. Para entender as notícias. Linhas de análise do discurso jornalístico. Florianópolis: Insular, 2005.

LEONEL, Josué. Diretor de informação da Agência Estado. Entrevista concedida à autora em 13 out. 2006. São Paulo.

REESE, Stephen D.; BALLINGER, Jane. The roots of a Sociology of News: Remembering Mr. Gates and social control in the newsroom. In: J&MC Quarterly, v. 78, n. 4, p. 641-658, Winter 2001.

SERRA, Sonia. Relendo o “gatekeeper”: notas sobre condicionantes do jornalismo. Contemporânea, v. 2, n. 1, p. 98-113, jan.-jun. 2004. Disponível em: http://www.contemporanea.poscom.ufba.br/pdfazuljun04/artigo%204jun04gatekeeper.pdf. Acesso em: 2 out. 2007.

SHOEMAKER J. Pamela; VOS, Tim P. Gatekeeping theory. Routledge: Nova York, 2009.

______; EICHHOLZ, Martin; KIM, Eunyi; WRIGLEY, Brenda. Individual and routine forces in gatekeeping. In: J&MC Quarterly, v. 78, n. 2, p. 233-246, Summer 2001.

SINGER, Jane. More than ink-stained wretches: the resocialization of print journalists in convergerd newsrooms. In.: J&MC Quarterly, v. 81, n. 4, p. 838-856, Winter 2004.

SQUIRRA, Sebastião Carlos de Morais. A convergência tecnológica. In: Revista FAMECOS – Mídia, Cultura e Tecnologia, Porto Alegre: Faculdade de Comunicação Social/PUCRS, n. 27, p. 79-85, ago. 2005.

SOUSA, Jorge Pedro. Teorias da notícia e do jornalismo. Florianópolis: Chapecó, 2002.

TRAQUINA, Nelson. Jornalismo: questões, teorias e “estórias” (Org.). Lisboa: Vega, 1993.

______. (Org.). Jornalismo 2000. Revista de Comunicação e Linguagens. Universidade Nova de Lisboa, Lisboa: Relógio D’Agua, n. 27, fev. 2000.

______. O estudo do jornalismo no século XX. 2. reimpressão. São Leopoldo: Unisinos, 2003.

______. Teorias do jornalismo: Por que as notícias são como são. Florianópolis: Insular, 2004.

WOLF, Mauro. Teorias da comunicação. 4. ed. Lisboa: Presença, 1995.

Publicado
2014-09-10
Como Citar
de Oliveira, H. M. G. (2014). A atuação das agências de notícias nacionais – Estado, Folhapress e O Globo – como distribuidoras de conteúdos no interior dos conglomerados de mídia brasileiros. Revista FAMECOS, 21(2), 518-540. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2014.2.14447
Seção
Jornalismo