A visão dos professores do Atendimento Educacional Especializado acerca do trabalho desenvolvido e formação ofertada

Palavras-chave: Educação Especial, Atendimento Educacional Especializado, Professores

Resumo

Este artigo aborda como professores que atuam no Atendimento Educacional Especializado (AEE) compreendem o trabalho realizado junto aos estudantes público-alvo da Educação Especial (PAEE) e a relação desse com a formação ofertada pela Secretaria de Educação. Tem o objetivo de conhecer a visão dos professores do AEE acerca do trabalho desenvolvido e formação ofertada. Baseado nos estudos de Mendes e Malheiro (2012), Vaz (2012) e Baptista (2013), constitutivos no desvelar da atuação e formação dos professores da Educação Especial, assume no âmbito da pesquisa qualitativa a técnica do grupo focal e a aplicação de questionário sobre o perfil de formação profissional. Participaram do grupo focal doze professores de escolas públicas estadual e municipais de Alagoas. Os resultados analisados indicam que aspectos relacionados à constituição do processo identitário e atuação profissional encontra-se baseados na concepção clínica-terapêutica de deficiência e prática profissional centrada, basicamente, na aplicação de recursos pedagógicos e de acessibilidade. Apontam a necessidade de discussão da atuação e formação do professor da Educação Especial, à luz da dimensão sociopolítico-pedagógica do fazer docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisangela Leal de Oliveira Mercado, Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Maceió, AL, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL), em Maceió, AL, Brasil; mestre em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL), em Maceió, AL, Brasil; graduada em Pedagogia pela de Alagoas (UFAL), em Maceió, AL, Brasil; professora adjunto da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), em Maceió, AL, Brasil.

Neiza de Lourdes Frederico Fumes, Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Maceió, AL, Brasil.

Doutora em Ciências do Desporto e Educação Física pela Universidade do Porto (UP - PORTUGAL), em Porto, Portugal; mestre em Ciência do Movimento Humano pela Universidade Federal de Santa (UFSM), em Santa Maria, RS, Brasil; graduada em Educação Física pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), em Rio Claro, SP, Brasil; professora titular da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), em Maceió, AL, Brasil.

Referências

BAPTISTA, C. R. Ação pedagógica e educação especial: para além do AEE. In: JESUS, D. M.; BAPTISTA, C. R.; CAIADO, K. M. Prática pedagógica na educação especial: multiplicidade do atendimento educacional especializado. Araraquara: Junqueira & Marin, 2013. p. 21-61.

BARROS, J. L. A formação continuada de professores na perspectiva da educação inclusiva no município de Maceió, 2010. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, AL, 2010.

BITENCOURT, T. V. DE; ARAÚJO, A. P. Inclusão escolar e ressignificação da formação docente: possibilidades e desafios a partir das contribuições de Gadamer. Educação Por Escrito, Porto Alegre, RS, v. 5, n. 1, p. 41-50, 26 jun. 2014.

BORGES, D. C.; ALMEIDA, M. L. O grupo de formação continuada: múltiplos olhares sobre a questão da inclusão escolar. In: ALMEIDA, M. A.; MENDES, E. G. HAYASHI, M. C. Temas em Educação Inclusiva: múltiplos olhares. Araraquara/SP: Junqueira & Marin, 2008. p. 95-103.

BOROWSKI, F. Fundamentos Teóricos do Curso de Aperfeiçoamento de Professores para o Atendimento Educacional Especializado (2007): novos referenciais? 2010. Dissertação (Mestrado em Educação) - Centro de Ciências da Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2010.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil: seção 1, Brasília, DF, ano 134, n. 248, p. 27839, 23 dez. 1996.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, Licenciatura. Brasília, DF: CNE/MEC 2006.

BRASIL. Ministério de Educação. Portaria Normativa nº 13, de 24 de abril de 2007. Brasília, DF: Ministério da Educação, 24 abr. 2007. Assunto: Programa de Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF: MEC/ SEESP, 2008.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 4, de 2 de outubro de 2009. Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Brasília, DF: CNE/MEC, 2009.

BRASIL. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil: Edição Extra, seção 1, Brasília, DF, ano 148, n. 221-A, p. 5-6, 18 nov. 2011.

DAVIS, C. L. et al. Formação continuada de professores em alguns estados e municípios do Brasil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo/SP, v. 41, n. 144, set./dez, 2011.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 24 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

GARCIA, R. M. Política de educação especial na perspectiva inclusiva e a formação docente no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, RJ, v. 18, n. 52, p. 101-119, jan./mar 2013.

GATTI, B. A. Grupo Focal na Pesquisa em Ciências Sociais e Humanas. Brasília: Líber Livro 2005.

GLAT, R.; PLETSCH, M. Inclusão escolar de alunos com necessidades especiais. 2 ed. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2012.

JESUS, D. M.; VIEIRA, A. B. Formação de profissionais da educação e inclusão escolar: conexões possíveis. In: MAGALHÃES, R. C. (org.). Educação Inclusiva: escolarização, política e formação docente. Brasília: Liber, 2011. p. 135-156.

MENDES, E. G.; MALHEIRO, C. A. L. Salas de recursos multifuncionais: é possível um serviço “tamanho único” de atendimento educacional especializado? In: MIRANDA, T. G.; GALVÃO FILHO, T. A. (org.). O professor e a educação inclusiva: formação, práticas e lugares. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 349-365.

MERCADO, E. L. Identidades do professor de educação especial no contexto de Maceió-Alagoas.2016. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2016.

MIRANDA, T. G. As múltiplas dimensões da formação docente para uma escola inclusiva: uma reflexão a partir da perspectiva cultural. Revista Entreideias, Salvador, BA, v. 4, n. 1, p. 13-34, jan./jun. 2015.

MIZUKAMI, M. G. et al. Escola e aprendizagem da docência: processos de investigação e formação. São Paulo: EdUFSCar, 2002.

MICHELS, M. H. O que há de novo na formação de professores para a EducaçãoEspecial? Revista Educação Especial, Santa Maria, RS, v. 24, n. 40, p. 219-232, maio/ago. 2011.

PACHECO, J. et al. Caminhos para a inclusão: um guia para o aprimoramento da equipe escolar. Porto Alegre: Artmed, 2007.

PLETSCH, M. D. A formação de professores para a educação inclusiva: legislação, diretrizes políticas e resultados de pesquisa. Educar, Curitiba, PR, n. 33, p. 143-156, 2009.

PRIETTO, R. G. Formação de professores para o atendimento de alunos com necessidades educacionais especiais: diretrizes nacionais para a educação básica e a educação especial. In: SILVA, S.; VIZIM, M. Políticas públicas: educação, tecnologias e pessoas com deficiências. Campinas: Mercado de Letras; Associação de Leitura do Brasil, 2003. p. 125-152.

PRIOSTE, C. Educação inclusiva: de que se queixam os professores de escola pública? In: AMARAL, M.; SOUZA, M (org.) Educação pública nas metrópoles brasileiras. Jundiaí: Paço; São Paulo: Edusp, 2011. p. 71-93.

SCHÖN, D. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 1995.

TEIXEIRA, L. Salas de recursos multifuncionais: uma proposta complementar. In: ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICAS DE ENSINO, 14., 2012, Campinas. Anais [...]. Campinas, SP: Unicamp, 2012.

UNESCO. Declaração de Salamanca: sobre princípios, práticas e políticas na área de necessidades educativas especiais. Brasília, DF: UNESCO, 1994.

UNESCO. Declaração Mundial de Educação para todos e Plano de Ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. Brasília, DF: UNESCO, 1990.

UNICEF. Relatório Situação Mundial da Infância 2013: crianças com deficiência. Nova Iorque, USA: UNICEF, 2013.

VAZ, K. O professor de educação especial na política de educação especial na perspectiva inclusiva. In: IX ANPED SUL – Seminário de Pesquisa em Educação da Região Sul, 9., 2012, Caxias do Sul. Anais [...]. Caxias do Sul, RS: UCS, 2012. p. 1-16.

Publicado
2021-12-22
Como Citar
Mercado, E. L. de O., & Fumes, N. de L. F. (2021). A visão dos professores do Atendimento Educacional Especializado acerca do trabalho desenvolvido e formação ofertada. Educação Por Escrito, 12(1), e41895. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2021.1.41895
Seção
Dossiê: A Formação de professores e a educação inclusiva: avanços, desafios