Uma análise das permanências e rupturas em duas políticas de ampliação da jornada escolar brasileiras: CIACs e PME

Palavras-chave: Política Educacional, Educação em Tempo Integral, Centro Integrado de Apoio à Criança, Programa Mais Educação.

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar as permanências e rupturas existentes em duas políticas de ampliação da jornada escolar no Brasil, implementadas no período de 1991 a 2015, quais sejam os Centros Integrados de Apoio à Criança (CIACs) e o Programa Mais Educação (PME).  Tendo por referência metodológica a análise documental dos textos editados por estas políticas, pode-se destacar que, tanto os CIACs como o PME se constituíram sob a égide da atuação de diversos atores sociais em suas ações bem como da focalização do público atendido – população em situação de vulnerabilidade social -  sob a perspectiva da proteção social. Aponta-se também que, diferentemente do que ocorreu no PME, os CIACs previam investimento de recursos para a construção de espaços físicos para a sua implementação. O espaço físico a ser utilizado também se altera nas duas políticas, sendo que a primeira (CIACs) tem a centralidade na escola e, no caso do PME, a utilização de outros é incentivada para a garantia das ações. Destaca-se ainda a influencia dos textos editados por organismos internacionais para a elaboração e modus operandi das duas políticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Antonio Diniz Junior, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), Rio de Janeiro, RJ.

Doutorando e Mstre em Educação pela Unive5rsidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio, Rio de Janeiro, RJ, Brasil), bolsista Capes, professor do Centro Universitário Celso Lisboa no Rio de Janeiro, RJ.

Referências

ABICALIL, C. A. O regime de colaboração na promoção da educação. In: Conferência Nacional de Educação, Cultura e Desporto, 2001, Brasília, DF. Anais[...] Brasília, DF: Câmara dos Deputados, 2001.

ALGEBAILE, E. Escola pública e pobreza no Brasil: a ampliação para menos. Rio de Janeiro: Lamparina, Faperj, 2009.

BALL, Stephen; OLMEDO, Antonio. A Nova Filantropia, o Capitalismo Social e as Redes de Políticas Globais em Educação. In: PERONI, V. M. V. Redefinições das fronteiras entre o público e o privado: implicações para a democratização da educação. Brasília: Liber Livro, p. 33-47, 2013.

BANCO MUNDIAL. Education Sector Strategy. Washington, D.C.: World Bank, 1999.

BORON, A. A. El Estado y lãs “reformas del Estado orientadas al mercado”. Los “desempeños” de la democracia em América Latina. In: KRAWCZYK, N. R.; WANDERLEY, L. E. América Latina: Estado e

reformas numa perspectiva comparada. São Paulo: Cortez, 2003.

BRASIL. Decreto de 14 de maio de 1991. Dispõe sobre o Projeto Minha Gente e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1991.

BRASIL. Decreto nº 7.083, de. Portaria nº 12, de 27 de janeiro de 2010. Dispõe sobre o Programa Mais Educação. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currículo e Educação Integral. Manual Operacional da Educação Integral, no exercício de 2010. Brasília, DF, 2010.

BRASIL. Portaria Normativa Interministerial n° 17, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades socioeducativas no contraturno escolar. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2007.

BRASIL. Projeto Minha Gente: informações básicas sobre o projeto. Brasília: Instituto Nacional de Pesquisas e Estudos Educacionais, 1992.

CANDAU, V. M. Reformas Educacionais hoje na América Latina. In: MOREIRA, A. F. B. (org.). Currículo: políticas e práticas. 13. ed. Campinas, SP: Papirus, 2013.

CAVALIERE, A. M. Tempo de escola e qualidade na educação pública. Educ. Soc., Campinas, v. 28, n. 100 - Especial, p. 1015-1035, out. 2007. https://doi.org/10.1590/S0101-73302007000300018.

CAVALIERE, A. M. Escolas de tempo integral versus alunos em tempo integral. Em Aberto, Brasília, v. 22, n. 80, p. 51-64, 2009.

CELLARD, André. A análise documental. In: POUPART, Jean. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008.

CEPAL-UNESCO. Educacíon y conocimineto: eje de la transformacíon productiva com equidade. UNESCO, 1996.

COELHO, L. M. C. C. Alunos no Ensino Fundamental, ampliação da jornada escolar e Educação Integral. Educar em Revista, Curitiba, Brasil, n. 45, p. 73- 89, jul./set. 2012. https://doi.org/10.1590/S0104-40602012000300006.

COUTINHO, L. N. Cidadania, democracia e educação. Revista Ideias, São Paulo, n. 24, 1994.

DINIZ JUNIOR, C. A. Comitês territoriais de Educação Integral: das ideias ao texto. 2016. 143f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

FANFANI, E. T. (coord.). Estado del arte: escolaridade primaria y jornada escolar em el contexto internacional – estudio de casos en Europa y América Latina. UNESCO, 2010.

FREITAS, L. C. (Prefácio). In: TODOS PELA EDUCAÇÃO? Como os empresários estão determinando a política educacional brasileira. Rio de Janeiro: Lamparina, 2016.

GADOTTI, M. Educação Integral no Brasil: inovações em processo. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2009.

GENTILI, P. Neoliberalismo e educação: manual do usuário. In: SILVA, T. T.; GENTILI, P. (org.). Escola S.A.: quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasília, DF: CNTE, 1996.

LECLERC, G. F. E.; MOLL, J. Programa Mais Educação: avanços e desafios para uma estratégia indutora da Educação Integral e em tempo integral. Educar em Revista, Curitiba, n. 45, jul./set. 2012. https://doi.org/10.1590/S0104-40602012000300007.

LIBÂNEO, J. C. Políticas educacionais no Brasil: desfiguramento da escola e do conhecimento escolar. Cadernos de Pesquisa, v. 46, n. 159, p. 38-62, jan./ mar, 2016. https://doi.org/10.1590/198053143572.

MARTINS, E. M. Todos pela Educação? Como os empresários estão determinando a política educacional brasileira. Rio de Janeiro: Lamparina, 2016.

MENEZES, J. S. S. Educação integral e tempo integral na educação básica: da LDB ao PDE. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL: O ESTADO E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS NO TEMPO PRESENTE, 4., 2008, Uberlândia. Anais do IV Simpósio Internacional: o Estado e as políticas educacionais. Uberlândia: Digiteca, 2008.

PENA, R. L. Os “CIEPs de Collor”: uma análise sobre o Projeto Minha Gente. 2015. 89 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal Fluminense, Faculdade de Educação, 2015.

CELLARD, André. A análise documental. In: POUPART, Jean. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008.

POCHMANN, M. Proteção Social na periferia do capitalismo: considerações sobre o Brasil. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 18, n. 2, 2004. https://doi.org/10.1590/S0102-88392004000200002.

SHIROMA, E. O.; MORAES, M. C. M.; EVANGELISTA, O. Política Educacional. 4. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011.

SILVA, A. G. A. Políticas de ensino integral na América Latina. Revista Educação em Questão, Natal, v. 55, n. 46, p. 84-105, out./dez. 2017. https://doi.org/10.21680/1981-1802.2017v55n46ID13293.

SOBRINHO, J. A.; PARENTE, M. M. A. CAIC: solução ou problema? Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 1995.

UNESCO. Declaração de Dakar. Educação para todos: texto adotado pela Cúpula Mundial de Educação. Dakar, 2000.

UNESCO. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. UNESCO: Jomtien, 1990

Publicado
2020-01-20
Como Citar
Diniz Junior, C. A. (2020). Uma análise das permanências e rupturas em duas políticas de ampliação da jornada escolar brasileiras: CIACs e PME. Educação Por Escrito, 11(1), e33260. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2020.1.33260
Seção
Artigos