Conhecimento como invenção: Paul Valéry no ensino da educação contemporânea

  • Máximo Daniel Lamela Adó Pós-Doutorando da UFRGS e Bolsista PDJ do CNPQ.
  • Maria Idalina Krause de Campos Doutoranda em Educação – UFRGS com Bolsa CAPES/INEP – Membro do Observatório da Educação CAPES/INEP – Núcleo UFRGS.
  • Sandra Mara Corazza CAPES-INEP
Palavras-chave: Valéry. Conhecimento. Invenção. Ensino. Educação.

Resumo

O artigo Conhecimento como invenção: Paul Valéry no ensino da educação contemporânea analisa as possibilidades de um fazer potente em Educação, tendo como foco principal uma criatura de pensamento – o poeta, filósofo e crítico da cultura Paul Valéry. Propõe atuar e operar com um método do informe para o Ensino de uma Educação Contemporânea por meio da utilização da noção de Conhecimento como Invenção, em que o espírito busca inventar um possível e permissivo operar de uma consciência de si com relação aos movimentos
do intelecto que seja ampla, ou seja, com a procura do uso mais pleno de suas faculdades intelectivas. Desse modo, o artigo vale-se do pensar valéryano para o desenvolvimento de uma maneira de lidar com o Ensino de uma Educação Contemporânea com vistas a uma Educação espiritual potente, oriunda, também, de uma self-variance disciplinada. A variação espiritual no Ensino de uma Educação Contemporânea atua e opera a partir da perspectiva valéryana em cruzamentos imaginativos com a filosofia, a literatura e as ciências humanas e sociais. Trata o conhecimento como invenção de uma produção singular que cultua o intelecto na busca do Eu puro – senhor de si – e transita aventureiramente por diversas áreas do saber.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADÓ, Máximo Daniel Lamela. Ensino de Sociologia na contemporaneidade. In: IX ANPED SUL, GT Sociologia da Educação, 2012. Caxias do Sul: 29 de julho a 01 de agosto de 2012, Universidade de Caxias do Sul, RS. <http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/255/703>.

ADÓ, Máximo Daniel L. Prefácio. In: CORAZZA, Sandra. Caderno de Notas 1: projeto, notas & ressonâncias. Cuiabá: EdUFMT, 2011. p. 09-12.

BARTHES, Roland. Rumor da língua. Tradução Mario Laranjeira. São Paulo: Brasiliense, 1988.

BORGES, Jorge Luis. Apresentação. In: SCHWOB, Marcel. Vidas imaginárias. Tradução Duda Machado. São Paulo: Ed. 34, 1997. p. 9-10.

BORGES, Jorge Luis. Ficciones. Barcelona: Emecé, 1995.

CAMPOS, Augusto. Paul Valéry: A serpente e o pensar. São Paulo: Brasiliense, 1984.

CORAZZA, Sandra Mara. Método Valéry-Deleuze: um drama na comédia intelectual da educação. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 37, n. 3, dez. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2175-62362012000300016&lng=en&nrm=iso>. Acessado em: 13 jun. 2014.

CORAZZA, Sandra Mara. O que se transcria em educação? Porto Alegre: UFRGS; Doisa, 2013.

CORAZZA, Sandra. Caderno de Notas 1: projeto, notas & ressonâncias. Cuiabá: EdUFMT, 2011.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche. Tradução Alberto Campos. Lisboa: Ed. 70, 1994.

DESCARTES, René. Discurso do Método. Para bem conduzir a própria razão e procurar a verdade nas ciências. Tradução Maria de Lourdes Teixeira. São Paulo: Martins Editora, 1955.

HEIDEGGER, Martin. Nietzsche. Tradução Juan Luis Vermal. Barcelona: Ed. Destino, 2000. Segundo tomo.

LÖWITH, Karl. Paul Valéry. Rasgos centrales de su pensamiento filosófico. Traducão Griselda Mársico. Madrid: Katz Editores,

PIMENTEL, Brutus Abel Fratuce. Paul Valéry: estudos filosóficos. 2008. Tese (Doutorado em Filosofia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. Disponível em: <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8133/tde-19012009-162232/>. Acesso em: 23 set. 2012.

PONTON, Olivier. Nietzsche. Fazer do conhecimento o mais potente dos afetos. In: MARTINS, André. O mais potente dos afetos: Spinoza e Nietzsche. São Paulo: Martins Fontes, 2009, p. 36-58.

QUENEAU, Raymond. Exercícios de estilo. Tradução Luiz Rezende. Rio de Janeiro: Imago, 1995.

SCHWOB, Marcel. Vidas imaginárias. Tradução Duda Machado. São Paulo: Ed. 34, 1997.

VALÉRY, Paul. Variedades. Tradução Maiza Martins de Siqueira. São Paulo Iluminuras, 2011.

VALÉRY, Paul. Introdução ao método de Leonardo da Vinci. Tradução Geraldo Gérson de Souza. São Paulo: Ed. 34, 1998.

VALÉRY, Paul. Monsieur Teste. Tradução Cristina Murachco. São Paulo: Ática, 1997.

VALÉRY, Paul. A alma e a dança e outros diálogos. Tradução Marcelo Coelho. Rio de Janeiro: Imago, 1996.

VALÉRY, Paul. Variedades. Tradução João Alexandre Barbosa. São Paulo: Iluminuras, 1991.

VALÉRY, Paul. O pensamento vivo de Descartes. Tradução Maria de Lourdes Teixeira. São Paulo: Martins Editora, 1955.

VALÉRY, Paul. Mauvaises Pensées & autres. Paris: Gallimard, 1947.

VALÉRY, Paul. Tel Quel I. Paris: Gallimard, 1941

Publicado
2015-04-23
Como Citar
Adó, M. D. L., Campos, M. I. K. de, & Corazza, S. M. (2015). Conhecimento como invenção: Paul Valéry no ensino da educação contemporânea. Educação Por Escrito, 6(1), 81-97. https://doi.org/10.15448/2179-8435.2015.1.17787
Seção
Artigos