Polifonia queer nos roleplays de LuCroft

Uma análise dialógica do discurso de Maria Vaquejada em Red Dead Redemption 2

Palavras-chave: Círculo de Bakhtin, Polifonia, Queer Game Studies, Role-playing, LuCroft

Resumo

Os roleplays (RP’s) são práticas performativas que possibilitam a criação de personagens em cidades fictícias do mundo dos jogos (gameplaces). Essas vidas-narrativas virtuais são povoadas por diversas vozes sociais, onde transmutam-se linguagens, discursos e visões de mundo na constituição psicossocial dessas representações amplificadas pela cibercultura. Nesse cenário, buscamos analisar o dialogismo constitutivo da identidade da personagem Maria Vaquejada com a hipótese de que a streamer LuCroft articula dois cronotopos na arquitetônica de seu RP: um relativo ao século XIX dos Estados Unidos ambientado em Red Dead Redemption 2 e, outro, interligado às vivencias dos corpos queers (gays, travestis, drags, não-binários, entre outros) que se interseccionam com a esfera gamer na contemporaneidade. A análise tem como abordagem epistemológica a perspectiva dialógica de linguagem produzida nos escritos do Círculo de Bakhtin, a partir da qual acionamos conceitos como dialogismo, polifonia, alteridade e cronotopo. No adensamento da discussão empreendida, mobilizamos também as ideias de Brait (2006, 2011, 2013), Butler (2003), Muriel e Crawford (2018), Shaw (2011) e Ruberg (2019, 2020). Os dados constituem-se, a partir de um recorte diacrônico, de 20 vídeos sequenciais coletados no canal do YouTube de LuCroft. Os resultados da análise apontam para variados discursos que marcam as diferentes posições de sujeito como “dona de bar”, “religiosa”, “mulher que combate o machismo”, além de uma reelaboração de cronotopo com aspectos sócio-históricos do nordeste brasileiro do século XIX e XX.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gilmar Montargil, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil.

Mestre em Estudos de Linguagem pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), em Curitiba, PR, Brasil; mestrando em Comunicação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Bolsista Capes, membro do Núcleo de Pesquisa Corporalidades do Grupo de Pesquisa em Semiótica e Culturas da Comunicação (GPESC).

Maria de Lourdes Rossi Remenche, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), Curitiba, PR, Brasil.

Doutora em Linguística pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP), com pós-doutorado em Ciências da Educação pela Universidade do Minho (UM/PT), em Portugal. Professora Associada do Departamento Acadêmico de Linguagem e Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e coordenadora do Grupo de Pesquisa em Linguística Aplicada (GRUPLA), em Curitiba, PR, Brasil.

Referências

ABRÃO, José. Fora da Lei com coração de ouro: agência, moral e sensacionalismo em Red Dead Redemtion 2. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE INNOVACIÓN EN MEDIOS INTERACTIVOS, 6., 2019, Buenos Aires. Mutaciones. Anais [...]. Buenos Aires: Media Lab / Universidad de Buenos Aires, 2019. p. 174-187. Disponível em: https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/777/o/17_Fora_da_Lei_com_corac%CC%A7a%CC%83o_de_ouro-_age%CC%82ncia__moral_e_sensacionalismo_em_Red_Dead_Redemption_2.pdf. Acesso em: 1 fev. 2020.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução feita a partir do francês de Maria Emsantina Galvão G. Pereira. Revisão da tradução Marina Appenzellerl. São Paulo: Martins Fontes, 1997 [1979].

BAKHTIN, Mikhail. O Freudismo: um esboço crítico. Tradução de Paulo Bezerra. Perspectiva: São Paulo. 2019 [1927].

BAKHTIN, Mikhail. Os Gêneros do Discurso. Tradução do russo de Paulo Bezerra Editora 34: São Paulo, 2016 [1979].

BAKHTIN, Mikhail. Para uma filosofia do ato. Tradução de Carlos Alberto Faraco e Cristóvão Tezza. Austin: University of Texas Press, 1993 [1919].

BAKHTIN, Mikhail. Problems of Dostoevsky’s Poetics. Tradução do russo para o inglês de EMERSON, Caryl. University of Minessotta Press: Minneapolis. 1984 [1963].

BAKHTIN. Mikhail. Teoria do romance I: a estilística. Tradução do russo de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2015 [1930-1936].

BELLO, Robson Scarassati. O progresso, A violência, e a Wildnerness em Red Dead Redemption (2010). In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA. 30., 2019, Recife. Anais [...]. Recife: Associação Nacional de História, 2019. Disponível em: https://www.snh2019.anpuh.org/resources/anais/8/1565319249_ARQUIVO_anpuh2019.pdf. Acesso em: 20 jul. 2020.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 16. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2019.

BRAIT, Beth. Olhar e ler: verbo-visualidade em perspectiva dialógica. Bakhtiniana, São Paulo, v. 8, p. 43-66, jul./dez. 2013.

BRAIT, Beth. Polifonia arquitetada pela citação visual e verbo-visual. Bakhtiniana, São Paulo, v. 1, n. 5, p. 183-196, 1. sem. 2011.

BRAIT, Beth. Uma perspectiva dialógica de teoria, método e análise. Gragatoá, Niterói, n. 20, p. 47-62, 2006.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith; ATHANASIOU, Athena. Dispossession: the performative in political. Cambridge: Polity Press. 2013.

CASTELLS, Manuel. A galáxia da internet: reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

COLLING, Leandro; ARRUDA, Murilo Souza; NONATO, Murilo Nascimento. Perfechatividades de gênero: a contribuição das fechativas e afeminadas à teoria da performatividade de gênero. Cadernos Pagu, Campinas, v. 57, p. 1-34, 2019.

CONDIS, Megan. Gaming Masculinity: Trolls, fake geeks, and the Gendered Batller for Online Culture. 1. ed. Iowa City: University Of Iowa Press, 2018.

DE LAURETIS, Teresa. Queer Theory: Lesbian and Gays Sexualities. Differences: A jornal of feminist cultural studies, Bloomington, v. 3, n. 2, p. iii-xviii, 1991.

DI FANTI, Maria da Glória Corrêa. A linguagem em Bakhtin: pontos e pespontos. VEREDAS – Rev. Est. Ling, Juiz de Fora, v. 7, n. 1 e n. 2, p. 95-111, jan./dez. 2003.

FERNANDEZ-VARA, Clara. Introduction to game analysis. 2. ed. London: Routledge, 2019.

FONSECA, Esther. Meu jogo, minhas regras: Os desafios de ser mulher no mundo gamer. [Entrevista cedida a] Marcelo Jabulas. Hoje em dia, São Paulo, 3 out. 2020. Disponível em: http://hoje.vc/2-qp9. Acesso em: 1 jan. 2021.

GOULART, Lucas Aguiar. Proudmoore pride: potencialidades da cultura de jogo digital e identidade política de gênero sexualidade. 2017. Dissertação – (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

GOULART, Lucas Aguiar; NARDI, Henrique. GAMERGATE: cultura dos jogos digitais e a identidade gamer masculina. Revista Mídia e Cotidiano, Niterói, v. 11, n. 3, p. 250-268, 2017.

GRILLO, Sheila Vieira de Camargo. Marxismo, psicanálise e método sociológico: o diálogo de Volóchinov, marxistas soviéticos e europeus com Freud. Bakhtiniana, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 54-75, set./dez. 2017.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 1. ed. Tradução de João Paulo Monteiro. Revisão da tradução de Newton Cunha. São Paulo: Perspectiva, 2019.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009.

LIMA, Stephanie Caroline Ferreira de; GERMANO, Idilva Maria Pires. Transexualidade e visibilidade trans em mídias digitais: as narrativas de Mandy Candy no YouTube. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 40, n. 1, p. 89-102, 2019.

LIMA, Sandra Mara Moraes; PERINI, Ruy. Bakhtin e Freud: aproximações e distâncias. Bakhtiniana, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 80-99, 2009.

LUCROFT. Void de streams. Facebook Gaming, [S. l.], 2020a. Disponível em: https://web.facebook.com/lucroftt. Acesso em: 11 fev. 2021.

LUCROFT. Void de streams. Nimo TV, [S. l.], 2018-2020. Disponível em: https://www.nimo.tv/lucroft. Acesso em: 2 nov. 2020.

LUCROFT. Void de gameplays. You Tube, [S. l.], 2020b. Disponível em: https://www.youtube.com/channel/UC2YCQqao2opQ9_dHgSDYetw. Acesso em: 31 dez. 2020.

LYONS, Kate. Red Dead Redemption 2: game criticised over killing of suffragette. The Guardian, 7 nov. 2018. Disponível em: https://www.theguardian.com/games/2018/nov/07/red-dead-redemption-2-game-criticised-over-killing-of-suffragette. Acesso em: 24 jan. 2021.

MACIEL, Caio. Mulheres falam sobre ofensas e perseguições sofridas em jogos virtuais. Globo Esporte, 8 nov. 2020. Disponível em: http://g1.globo.com/tecnologia/games/videos/t/todos-os-videos/v/mulheres-falam-sobre-ofensas-e-perseguicoes-sofridas-em-jogos-virtuais/9006072/ Acesso em: 19 dez. 2020.

MEDVIÉDEV, Pável Nikoláievitch. O método formal nos estudos literários: introdução crítica a uma poética sociológica. Tradução de Sheila Camargo Grillo, Ekaterina Volkóva Américo. São Paulo: Contexto, 2012 [1928].

MISKOLCI, Richard. A Teoria Queer e a Sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. Sociologias, Porto Alegre, ano 11, n. 21, p. 150-162, jan./jun. 2009.

MONTARGIL, Gilmar da Silva. O verbo-visual como estratégia discursiva nos infográficos: uma análise da seção Gráfico do Nexo Jornal. 2020. Dissertação (Mestrado em Estudos de Linguagens) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2020.

MONTARGIL, Gilmar; SILVEIRA, Fabricio Lopes da. Os afetos de Wanessa Wolf: uma interpretação espinosana para o roleplaying-game em plataformas de gamestream. In: ENCONTRO DA DIGITAL GAMES RESEARCH ASSOCIATION (DIGRA) Brasil, 1., 2021, Porto Alegre: Anais [...]. Porto Alegre: Digra, 25 e 26 de novembro de 2021. p. 1-21.

MURIEL, Daniel; CRAWFORD, Garry. Video Games as Culture: considering the role and importance of video games in contemporary society. New York: Routledge, 2018.

NEMER, Bruno.; INOCÊNCIO, Luana. Uma poc gaymer arrasando os héteros: comunidades digitais, sociabilidade LGBTQ+ e resistência no canal do You Tube Samira Close. In: CONGRESSO BRASILEIRO DAS CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 42., 2019, Belém. Anais [...]. Belém: Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 2019. Belém, Pará, 2-7 set. 2019. p. 1-15.

OLEGÁRIO, Maria da Luz; LIMA, Rosângela Araújo; BORGES, Leónidas Leão. Games e violência numa perspectiva de gênero. Revista Debates em Educação, Maceió, v. 1, n. 1, p. 1-12, 2009.

PAREDES, Luciene Cristina; FERREIRA, Giselle Vasconcellos dos Santos; GOMES, Nataniel dos Santos. A linguagem dos jogos de vídeo game e sua influência na formação de neologismos: reflexões preliminares sob a perspectiva da linguística. Revista Philologus, Rio de Janeiro, p. 191-200, set./dez. 2016. Supl. 66. Trabalho apresentado na XI Jornada Nacional de Linguística e Filologia da Língua Portuguesa, CiFEFiL, 2016, [Rio de Janeiro, RJ].

PESQUISA GAME BRASIL. PGB 2020: Comportamento, consumo e têndencias do gamer na América Latina. 7 ed. São Paulo: PGB, 2020. Disponível em: https://www.pesquisagamebrasil.com.br/pt. Acesso em: 5 jan. 2021.

PRECIADO, Paul B. Manifesto Contrassexual. Políticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: n-1 edições, 2014.

PRECIADO, Paul B. Testo Junkie: sexo, drogas e biopolítica na era farmacopornográfica. 1. ed. São Paulo: n-1 edições, 2018.

REMENCHE, Maria de Lourdes Rossi; MONTARGIL; Gilmar; ROHLING, Nívea. Upando com meninas empoderadas: identidades mobilizadas em práticas discursivas nas streams de Samira Close. Contracampo, Niterói, v.40, n. 2, p. XXX-YYY, 2021.

RIMBAUD, Arthur. Lettre à Georges Izambard. Cherville, 13 mai. 1871. ALEA Rio de Janeiro, v. 8, n.1, p. 154-155, jan./jun. 2006.

ROST, Laura Roncaglio; SOUZA, Bruna da Veiga. Front Line: Machismo nos campos de justiça do League of Legends. In: SBGAMES, 18., 2019, Rio de Janeiro. Anais [...]. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de Computação, 2019. p. 729-736. Disponível em: https://www.sbgames.org/sbgames2019/files/papers/CulturaFull/198156.pdf Acesso em: 20 out. 2020.

RUBERG, Bonnie. The Queer Games Avant-Garde: How LGBTQ Game Makers Are Reimagining the Medium of Video Games. Duke University Press Books: Durham, 2020.

RUBERG, Bonnie. Video Games Have Always Been Queer. New York: NYU Press, 2019.

RUBERG, Bonnie; SHAW, Adrienne. Introduction: Imagining Queer Game Studies. In: RUBERG, Bonnie; SHAW, Adrienne (ed.). Queer Game Studies. Minneapolis: University Of Minnesota Press, 2017. p. ix-xxxiii.

SANTOS, Hilário Júnior. A cidade-jogo em vídeo games: uma flânerie por Bioshock Infinity e Assassin’s Creed:Unity. 2020. Dissertação – (Mestrado em Comunicação) – Universidade Federal do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, Rio Grande do Sul, 2020.

SHAW, Adrienne. Do you identify as a gamer? Gender, race, sexuality, and gamer identity. New Media & Society, [S. l.], n. 14. v. 1, p. 28-44 2011.

SHAW, Adrienne. What is Video Game Culture. Games and Culture, [S. l.], n. 5, v. 4, p. 403-424, 2010.

VOLÓCHINOV, Valentin. Marxismo e filosofia da linguagem. Problemas fundamentais do método sociólogico na ciência da linguagem. 1. ed. Tradução de Sheila Grillo, Ekaterina Volkóva Américo. Editora 34: São Paulo, 2017 [1929].

WESTERSIDE, Andrew; HOLOPAINEN, Jussi. Sites of Play: Locating Gameplace in Red Dead Redemption 2. In: DiGRA ‘19 – Proceedings of the 2019. DiGRA international conference: Game, play and the emerging ludo-mix, 2019, p. 1-14. Disponível em: http://www.digra.org/digital-library/publications/sites-of-play-locating-gameplace-in-red-dead-redemption-2. Acesso em: 17 jul. 2020.

Publicado
2021-12-31
Como Citar
Montargil, G., & Remenche, M. de L. R. (2021). Polifonia queer nos roleplays de LuCroft: Uma análise dialógica do discurso de Maria Vaquejada em Red Dead Redemption 2. Letrônica, 14(sup.), e42552. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2021.s.42552