Personagens subalternas nas literaturas de língua portuguesa

Palavras-chave: -

Resumo

-

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Tereza Amodeo, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutora em Linguística e Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil; mestre em Linguística e Letras pela mesma instituição; professora titular da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil.

Sílvia Amorim, Université Bordeaux Montaigne, Pessac Cedex, França.

Doutora em Estudos dos Países de Língua Portuguesa pela Universidade de Paris 8 – Vincennes – Saint-Denis; professora titular no departamento de Português da Universidade Bordeaux Montaigne, na França.

Ívens Matozo Silva, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Mestre em Letras pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel), em Pelotas, RS, Brasil. Doutorando em Teoria da Literatura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Bolsista CNPq.

Referências

ADOLFO, Ricardo. Depois de morrer aconteceram-me muitas coisas. Lisboa: Alfaguara, 2009.

ADOLFO, Ricardo. Tóquio vive longe da terra. Lisboa: Companhia das Letras Portugal, 2015.

AGUILERA, Fernando Gómez (org.). José Saramago nas suas palavras. Lisboa: Caminho, 2010.

ALMEIDA, Djaimilia Pereira de. Luanda, Lisboa, paraíso. Lisboa: Companhia das Letras Portugal, 2018.

ALMEIDA, Manuel Antonio. Memórias de um sargento de milícias. São Paulo: Ática, 1998.

BAUMAN, Zygmunt. Identité et mondialisation. Lignes, Paris, n. 6/3, p. 10-27, 2001. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-lignes1-2001-3-page-10.htm. Acesso em: 3 out. 2021.

CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira: momentos decisivos. Belo Horizonte: Itatiaia, 1981. v. 1

CANDIDO, Antonio. Dialética da malandragem: caracterização das Memórias de um sargento de milícias. Revista do instituto de estudos brasileiros, São Paulo, n. 8, p. 67-89,1970.

CARDOSO, Dulce Maria. O retorno. Lisboa: Tinta da China, 2011.

CHARLES, Sébastien; LIPOVETSKY, Gilles. Les temps hypermodernes. Paris: Grasset, 2004.

CHIAPINNI, Ligia. Formação da literatura brasisleira ou a história de um desejo. Linha D’ Água, São Paulo, n. 7, p. 10-23, 1990. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/linhadagua/article/view/37118/39839. Acesso em: 20 out. 2021.

CLAVARON, Yves. Repenser les Suds: la réévaluation des géographies subalternes dans les littératures postcoloniales. Revue de littérature comparée, Paris, n. 372, v. 4, p. 437-451, 2019. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-de-litterature-comparee-2019-4-page-437.htm. Acesso em: 20 ago. 2021.

DECLERCQ, Elien. « Écriture migrante », « littérature (im)migrante », « migration literature »: réflexions sur un concept aux contours imprécis. Revue de littérature comparée, Paris, v. 3 n. 339, p. 301-310, 2011.

DERRIDA, Jacques. De la grammatologie. Paris: Minuit, 1967.

FANON, Frantz. Peaux noires, masques blancs. Paris: Seuil, 1952.

FIGUEIREDO, Isabela. Caderno de memórias coloniais. Lisboa: Caminho, 2009.

FOKKEMA, Douwe Wessel. Modernismo e pós-modernismo. Lisboa: Vega, 1988.

GEFEN, Alexandre. Responsabilités de la forme: voies et détours de l’engagement littéraire contemporain. L’engagement littéraire. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2005. p. 75-84. Disponível em: https://books.openedition.org/pur/30045. Acesso em: 1 out. 2021.

GRAMSCI, Antônio. Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999-2002. 6 v.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 80, p. 115-147, 2012. https://doi.org/10.4000/rccs.697.

JORGE, Lídia. A costa dos murmúrios. Lisboa: Dom Quixote, 1988.

JORGE, Lídia. O vento assobiando nas gruas. Lisboa: Dom Quixote, 2002.

LYOTARD, Jean François. La condition postmoderne. Paris: Minuit, 1979.

HUTCHEON, Linda. Ironie et parodie: stratégie et structure. Poétique: revue de théorie et d’analyse litteraires, Toronto, n. 36, p. 467-477, nov. 1978. Disponível em: https://tspace.library.utoronto.ca/handle/1807/10265. Acesso em: 21 ago. 2021.

HUTCHEON, Linda. A poetics of postmodernism: history, theory, fiction. London; New York: Routledge, 1988.

KILOMBA, Grada. Mémoires de la plantation: épisodes de racisme ordinaire. Paris: Anacaona, 2021.

MÃE, Válter Hugo. O apocalipse dos trabalhadores. Porto: QuidNovi, 2008.

MACEDO, Joaquim Manuel de. A moreninha. São Paulo: Ática, 1982.

MIGNOLO, Walter. Local Histories/Global Designs. Coloniality, Subaltern Knowledges and Border Thinking. Princeton: Princeton University Press, 2000.

QUEIRÓS, José Maria Eça de. O primo Basílio. Porto: Porto, 2010.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder y clasificación social. Journal of world-systems, California v. 11 n. 2, p. 342-386, 2000.

QUIJANO, Aníbal. « Race » et colonialité du pouvoir. Mouvements, Paris: La Découverte, v. 51, n. 3, p. 111-118, 2007.

REIS, Carlos. História crítica da literatura portuguesa: do neo-realismo ao post-modernismo. Lisboa: Verbo, 2005.

RESENDE, Beatriz. Lima Barreto e o Rio de Janeiro em fragmentos. São Paulo: Autêntica, 2016.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

ROCHA, João César do Castro. A Guerra dos relatos no Brasil contemporâneo. Ou: “a dialética da marginalidade”. Letras - Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da UFSM, Santa Maria, n. 32, p. 23-70, jun. 2006 Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/letras/issue/view/652/showToc. Acesso em: 20 set. 2021.

SARAIVA, António José; LOPES, Óscar O. História da literatura portuguesa. Porto: Porto Editora, 2005.

SARAMAGO, José. Levantado do chão. Lisboa: Caminho, 1980.

SCHAWARZ, Roberto. A velha pobre e o retratista. In: SCHAWARZ, Roberto (org.). Os pobres na literatura brasileira. São Paulo: Brasiliense, p. 46-60, 1983.

SPIVAK, Gayatri. In other worlds: essays in cultural politics. New York: Routledge, 1988.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010 [1985].

PEIXOTO, José Luís. Livro. Lisboa: Quetzal, 2010.

ZINK, Rui. O destino turístico. Lisboa: Teorema, 2008.

Publicado
2021-11-09
Como Citar
Amodeo, M. T. ., Amorim, S. ., & Silva, Ívens M. (2021). Personagens subalternas nas literaturas de língua portuguesa. Letrônica, 14(3), e41937. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2021.3.41937