O Caso Meursault, de Kamel Daoud

Do silêncio canônico à enunciação pós-colonial

Palavras-chave: Kamel Daoud, O caso Meursault, Albert Camus., O estrangeiro, Reescrita pós-colonial

Resumo

Este artigo propõe-se à análise do romance O caso Meursault, de Kamel Daoud enquanto apropriação pós-colonial de O estrangeiro, de Albert Camus. O objetivo é investigar como Daoud reconstrói ficcionalmente a identidade árabe invisibilizada na escrita de O estrangeiro. O caso Meursault ressignifica o cânone literário através da reinvindicação da identidade do árabe assassinado. A voz enquanto instância de humanização é negada ao homem assassinado no texto camusiano, enquanto que, Daoud ocupa-se de uma enunciação pós-colonial para conceder-lhe voz, família, história e nome: Moussa. O aporte teórico baseia-se nas noções apresentadas por Homi Bhabha (2014), Edward W. Said (2011), Frantz Fanon (2008), Gayatri Spivak (2010), Daniela Burksdorf (2015) e Ankhi Mukherjee (2014). Conclui-se que a apropriação pós-colonial de Daoud revela uma ruptura com a invisibilidade da personagem árabe de Camus, ao mesmo tempo em que revisita o passado recente de dominação e exploração colonial francesa na Argélia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleide Silva de Oliveira, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina, PI, Brasil.

Mestra e doutoranda em Letras/Literatura pela Universidade Federal do Piauí (UFPI) em Teresina, PI, Brasil. Professora vinculada à Secretaria de Educação do Estado do Piauí. Integrante do Projeto de Pesquisa Teseu, o labirinto e seu nome, por onde desenvolve pesquisas no campo das literaturas femininas negras contemporâneas.

Sebastião Alves Teixeira Lopes , Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina, PI, Brasil.

Doutor em Letras – Língua Inglesa e Literatura Inglesa e Norte Americana, pela Universidade de São Paulo, em São Paulo, SP, Brasil; pós-doutorado pela Universidade de Winnipeg, no Canadá; e pós-doutorado na Universidade de Londres/School of Oriental and African Studies, na Inglaterra. Professor Titular da Universidade Federal do Piauí (UFPI) em Teresina, PI, Brasil.

 

Referências

ALVES, Alcione Correa. Teseu, o labirinto e seu nome (3): o nome enquanto instância de construções identitária. Letras em Revista, Belo Horizonte, v. 2, n. 2, p. 163-183, jul./dez. 2011. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/caligrama/article/view/3788Acesso em: 22 ago. 2020.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Tradução de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Gláucia Renate Gonçalves. 2. ed. Belo Horizonte: UFMG, 2014.

BUKSDORF, Daniela. La reescritura como herramienta de respuesta literaria. La Palabra, Tunja, n. 27, p. 95-106, 2015. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?pid=S0121-85302015000200006&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 22 ago. 2020.

CAMUS, Albert. O estrangeiro. Tradução de Valerie Rumjanek. 49. ed. Rio de Janeiro: Record, 2020.

CAVALCANTI, Ariane da Mota. O Caso Meursault e O estrangeiro: memória pós-colonial e reescrituras do sagrado. In: CONGRESSO INTERNACIONAL ABRALIC (Associação Brasileira de Literatura Contemporânea). Circulação, tramas & sentidos na literatura, 2018, Uberlândia. Anais [...]. Uberlândia: UFMG, 2018. p. 2641-2652. Disponível em: https://abralic.org.br/anais/?p=5&ano=2018. Acesso em: 9 ago. 2020.

DAOUD, Kamel. O caso Meursault. Tradução de Bernardo Ajzendberg. São Paulo: Biblioteca Azul, 2016.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

MUKHERJEE, Ankhi. Reescrita pós-colonial e invenção do cânone: o que é um clássico? Califórnia: Stanford University Press, 2014.

MÜLLER, Andréa Correa Paraiso. Uma voz deste século em busca de um lugar na literatura. SOLETRAS: Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística, Rio de Janeiro, v. 2, n. 36, p. 218-234, jul./dez. 2018. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/soletras/article/view/34030/26609. Acesso em: 9 ago. 2020.

OLIVO, Cristiana Vieira Cancellier. O princípio do prazer de Meursault em O Estrangeiro, de Albert Camus. Fragmentos, Florianópolis, n. 33, p. 147-154, jul./dez. 2007. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/fragmentos/article/view/8599/8001. Acesso em: 29 set. 2021.

SAID, Edward W. Cultura e imperialismo. Tradução de Denise Bottmann. São Paulo: Companhia de Bolso, 2011.

SAID, Edward W. Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente. Tradução de Tomás Rosa Bueno. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

Publicado
2021-11-09
Como Citar
Oliveira, C. S. de, & Lopes , S. A. T. . (2021). O Caso Meursault, de Kamel Daoud: Do silêncio canônico à enunciação pós-colonial. Letrônica, 14(3), e39285. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2021.3.39285
Seção
Uma outra subalternidade: para além das em Língua Portuguesa