O Jeca no laboratório

Natureza, ciência e identidade nacional em Monteiro Lobato

Palavras-chave: Monteiro Lobato, Identidade nacional, Ciência

Resumo

O século XX foi marcado pela ascensão do cientificismo nas esferas política, econômica e social. O Brasil havia acabado de se tornar República, e grupos disputavam a importante missão de construir uma nova identidade nacional. Munidos das novas produções mundiais, escritores como Monteiro Lobato estabeleceram contato com relevantes cientistas. Este artigo procura discutir questões relativas à figura do Jeca Tatu como peça fundamental no processo de criação de uma identidade nacional brasileira que faz saltar aos olhos uma cultura rural que se esmaecia com a fúria da ciência e do progresso almejado pelo novo regime político. Para tanto, tratamos das representações do caipira brasileiro feitas pelo autor, principalmente nas páginas de “Urupês” (1914) e “Problema vital” (1918). A análise das fontes revela que o escritor paulista se apropriou das discussões científicas em torno do homem e da natureza brasileira para construir seus projetos de identidade nacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arlindo Ferretti Junior, Universidade da Região de Joinville (Univille), Joinville, SC, Brasil.

Mestre em Patrimônio Cultural e Sociedade pela Universidade da Região de Joinville (Univille), em Joinville, SC, Brasil; e historiador licenciado pela mesma instituição.

Euler Renato Westphal, Universidade da Região de Joinville (Univille), Joinville, SC, Brasil.

Doutor em Teologia pela Faculdades EST, em São Leopoldo, RS, Brasil; professor do Programa de Pós-Graduação em Patrimônio Cultural e Sociedade da Universidade da Região de Joinville (Univille), em Joinville, SC, Brasil.

Roberta Barros Meira, Universidade da Região de Joinville (Univille), Joinville, SC, Brasil.

Doutora em História Econômica, pela Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo, SP, Brasil; mestre em História econômica pela mesma instituição; professora do Programa de Pós-Graduação em Patrimônio Cultural e Sociedade da Universidade da Região de Joinville (Univille), em Joinville, SC, Brasil.

Referências

ABREU, Capistrano de. Instruções para os Imigrantes. Trajetos, Fortaleza, v. 3, n. 5, p. 11-29, 5 jul. 2016. Disponível em: http://www.revistatrajetos.ufc.br/index.php/Trajetos/article/view/93. Acesso em: 25 jan. 2019.

ALENCAR, José de. O Guarani. 20. ed. São Paulo: Ática, 1996.

ARRUDA, Gilmar. O chão de nossa história: natureza, patrimônio ambiental e identidade. Patrimônio e Memória, Assis, v. 2, n. 2, p. 110-125, 2006.

ASSIS, Machado de. A nova geração. In: ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Obras Completas. Rio de Janeiro: Nova Aguiar, 1994. p. 809-836.

AZEVEDO, Carmen Lucia de; CAMARGOS, Marcia; SACCHETTA, Vladimir. Monteiro Lobato: furacão na Botocúndia. 3. ed. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2001.

BEDÊ, Ana Luiza Reis. Monteiro Lobato e a presença francesa em A barca de Gleyre. São Paulo: Annablume: FAPESP, 2007.

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 41. ed. São Paulo: Cultrix, 2003.

BUCKLE, Henry Thomas. History of Civilization in England. Nova York: D. Appleton and Company, 1884. v. 1.

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. 9. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.

CANDIDO, Antonio. Os parceiros do Rio Bonito: Estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. 11. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2010.

CARVALHO, José Murilo de. O motivo edênico no imaginário social brasileiro. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 13, n. 38, out. 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0102-69091998000300004&lng=en&nrm=iso&tlng= pt. Acesso em: 3 jun. 2018.

CASTELNAU, Francis. Expedição às regiões centrais da América do Sul. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1949.

CAVALHEIRO, Edgard. Monteiro Lobato: vida e obra. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1962a. v. 1.

CAVALHEIRO, Edgard. Monteiro Lobato: vida e obra. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1962b. v. 2.

FERRETTI JUNIOR, Arlindo; WESTPHAL, Euler Renato; MEIRA, Roberta Barros. Vade tecum: enlaces eugenistas entre Monteiro Lobato e Friedrich Nietzsche. Revista Brasileira de História da Ciência, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 212-226, jul./dez. 2020.

DE LUCA, Tânia R. A revista do Brasil: um diagnóstico para a (N)ação. São Paulo: Editora UNESP, 1998.

FRANCA, Vanessa Gomes. Nosso Jeca e nossa Emília vão ao exterior. Miscelânea: Revista de Literatura e Vida Social, Assis, v. 6, p. 40-57, 24 out. 2017.

FRANCO, José Luiz de Andrade; DRUMMOND, José Augusto. Proteção à natureza e identidade nacional no Brasil anos 1920-1940. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2009.

FREYRE, Gilberto. Sobrados e Mucambos: Decadencia do Patriarchado Rural no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1936. Edição illustrada.

GALTON, Francis. Essays in Eugenics. Londres: The Eugenics Education Society, 1909.

GINZBURG, Carlo. Nenhuma ilha é uma ilha. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

HABERMAS, Jurgen. O futuro da natureza humana: a caminho de uma eugenia liberal? São Paulo: Martins Fontes, 2004.

HOLLANDA, Sérgio Buarque de. Caminhos e fronteiras. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1944.

HOLLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 7. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

IBOPE INTELIGÊNCIA. Retratos da Leitura no Brasil, n. 4. São Paulo: IBOPE, 2016. Disponível em: http://prolivro.org.br/home/images/2016/Pesquisa_Retratos_da_Leitura_no_Brasil_-_2015.pdf. Acesso em: 10 ago. 2019.

LINDLEY, Thomas. Narrativa de uma viagem ao Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1969.

LOBATO, Monteiro. A Barca de Gleyre. 10. ed. São Paulo: Brasiliense, 1961a. v. 2.

LOBATO, Monteiro. A onda verde. In: LOBATO, Monteiro. A onda verde e o presidente negro. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1956a. p. 3-124.

LOBATO, Monteiro. Cidades mortas. In: LOBATO, Monteiro. Contos Completos. São Paulo: Biblioteca Azul, 2014a. p. 191-338.

LOBATO, Monteiro. Conferências, artigos e crônicas. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1964.

LOBATO, Monteiro. [Correspondência]. Destinatário: Renato Kehl. Fundo Pessoal Renato Kehl – DAD-COC. 6 abr. 1918.

LOBATO, Monteiro. Entrevistas. In: LOBATO, Monteiro. Prefacios e Entrevistas. 10. ed. São Paulo: Brasiliense, 1961b. p. 135-289.

LOBATO, Monteiro. Epílogo. In: LOBATO, Monteiro. O Sacy-Perêrê: resultado de um inquérito. Rio de Janeiro: Gráfica JB S.A., 1998. p. 167-173.

LOBATO, Monteiro. Idéias de Jeca Tatu. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 1951.

LOBATO, Monteiro. O escândalo do petróleo e do ferro. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1955.

LOBATO, Monteiro. O presidente negro. In: LOBATO, Monteiro. A onda verde e o presidente negro. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1956b. p. 125-324.

LOBATO, Monteiro. Prefacios. In: LOBATO, Monteiro. Prefacios e Entrevistas. 10. ed. São Paulo: Brasiliense, 1961c. p. 3-134.

LOBATO, Monteiro. Problema vital. In: LOBATO, Monteiro. Mr. Slang e o Brasil e problema vital. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1956c. p. 223-329.

LOBATO, Monteiro. Urupês. In: LOBATO, M. Contos Completos. São Paulo: Biblioteca Azul, 2014b. p. 37-191.

MEIRA, Roberta Barros; CARELLI, Mariluci Neis. Notas sobre florestas no Brasil da Primeira República: silvicultura, preservação da natureza e agricultura. Fronteiras, Goiânia, v. 4, n. 1, p. 301-312, jul. 2015.

MENDES, Priscilla. Mais uma obra de Monteiro Lobato é questionada por suposto racismo. In: G1. Brasília, 25 set. 2012. Educação. Disponível em: http://g1.globo.com/educacao/noticia/2012/09/mais-uma-obra-de-monteiro-lobato-e-questionada-por-suposto-racismo.html. Acesso em: 11 jan. 2021.

MONTEIRO, John Manuel. Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

MONTEIRO Lobato. O Estado de S. Paulo, São Paulo, p. 5, 6 jul. 1948.

MURARI, Luciana. Tudo o mais é paisagem: representações da natureza na cultura brasileira. 2002. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8138/tde-24042007-111238/. Acesso em: 25 jan. 2019.

NEIVA, Arthur; PENNA, Belisario. Viajem cientifica pelo Norte da Bahia, sudoeste de Pernambuco, sul do Piauhí e de norte a sul de Goiaz. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, p. 74-224, 1916.

NEVES, Margarida de Souza. História da crônica. Crônica da história. In: NEVES, Margarida de Souza; RESENDE, Beatriz (org.). Cronistas do Rio. Rio de Janeiro: José Olympio/CCBB, 1995. p. 15-31.

O PASSAMENTO de Monteiro Lobato. Correio Paulistano, São Paulo, p. 1-2, 6 jul. 1948.

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. São Paulo: Brasiliense, 1985.

PRADO JUNIOR, Caio. Prefacio. In: LOBATO, Monteiro. O escândalo do petróleo e do ferro. 7. ed. São Paulo: Brasiliense, 1955. p. X-XVI.

RONDON, Candido Mariano da Silva. Relatorio da Commisão Rondon: estudos e reconhecimentos: Linhas Telegraphicas Estrategicas de Matto Grosso ao Amazonas. Cuiabá: Carlini & Caniato, 2016.

SANTOS, Alessandra Rosa. Quando a Eugenia se distancia do Saneamento: as ideias de Renato Kehl e Octávio Domingues no Boletim de Eugenia (1929-1933). 2005. Dissertação (Mestrado em História das Ciências e da Saúde) – Casa de Oswaldo Cruz, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2005.

SANTOS, Ricardo Augusto dos. O manifesto eugenista. In: PENNA, Antonio Gomes (org.). Manifestos Políticos do Brasil Contemporâneo. Rio de Janeiro: E-Papers, 2008. p. 53-63

SAINT-HILAIRE, Augusto de. Viagem pelas Provincias de Rio de Janeiro e Minas Gerais. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938. v. 1.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na primeira República. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.

SILVEIRA, Éder. Sanear para integrar: a cruzada higienista de Monteiro Lobato. Estudos Ibero-Americanos, Porto Alegre, v. 31, n. 1, p. 181-200, 31 dez. 2005. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/iberoamericana/article/view/1332. Acesso em: 17 abr. 2019.

STEPAN, Nancy Leys. Eugenia no Brasil, 1917-1940. In: HOCHMAN, Gilberto; ARMUS, Diego (org.). Cuidar, controlar, curar: ensaios históricos sobre saúde e doença na América Latina e Caribe. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2004. p. 331-391.

THOMAS, Keith. O homem e o mundo natural: mudanças de atitude em relação às plantas e aos animais (1500-1800). São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

TODOROV, Tzvetan. Imperfect garden: the legacy of humanism. Princeton: Princeton University Press, 2002.

VALENTE, Thiago Alves. Monteiro Lobato nas páginas do jornal: um estudo dos artigos publicados em O Estado de S. Paulo (1913-1923). São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. Disponível em: http://books.scielo.org/id/sx48d. Acesso em: 18 ago. 2018.

WESTPHAL, Euler Renato. Brincando no paraíso perdido: as estruturas religiosas da ciência. São Bento do Sul: União Cristã, 2006.

ZILBERMAN, Regina. Monteiro Lobato e suas fases. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, [S. I.], n. 36, p. 141-152, 2010.

Publicado
2021-11-09
Como Citar
Junior, A. F., Westphal, E. R., & Meira, R. B. (2021). O Jeca no laboratório: Natureza, ciência e identidade nacional em Monteiro Lobato. Letrônica, 14(3), e39035. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2021.3.39035
Seção
Subalternidade e construção da identidade nacional